Quer melhorar sua saúde? Comece pelos intestinos

23 Dezembro, 2019

Desde muitos anos sabe-se que os microrganismos presentes nos intestinos desempenham um papel muito importante na saúde digestiva humana.

No entanto, em recentes pesquisas foi determinado que a flora cumpre uma função muito importante na saúde, já que pode estar relacionada com a obesidade e a saúde digestiva.

Ter uma boa saúde intestinal pode chegar a ser determinante para desfrutar de bem-estar a nível geral. Embora durante centenas de anos a saúde intestinal estava relacionada com a digestiva, agora foi demonstrado que ter uma boa saúde intestinal também influencia na saúde do restante do corpo.

Os intestinos e a saúde

Os intestinos e a saúde

Os microrganismos presentes no intestino são fundamentais para a saúde digestiva. Além disso, também o são para o sistema imunológico. Boa parte do sistema imunológico se encontra nos intestinos.

Nos intestinos, os microrganismos desempenham uma importante função no desenvolvimento de um sistema imunológico, como demonstrado pelo estudo ‘Papel da microbiota gastrointestinal na regulação da resposta imune‘, publicado em 2016. De fato, boa parte do sistema imunológico é encontrado nos intestinos.

Além de seu importante papel no desenvolvimento de um sistema imunológico forte, os intestinos também são responsáveis ​​por grande parte dos neurotransmissores do corpo. Estes são os que estão relacionados ao humor e aos sentimentos. Assim, a microbiota intestinal está intimamente relacionada ao sistema nervoso central, ao que é chamado de eixo microbiota-intestino-cérebro, de acordo com pesquisas recentes.

Quando uma pessoa tem problemas no trato gastrointestinal, pode chegar a sofrer de outros distúrbios de saúde, de acordo com os artigos científicos publicados sobre o assunto. Alguns deles podem ser, por exemplo:

  • Artrite reumatoide
  • Tireoidite de Hashimoto
  • Diabetes
  • Fadiga crônica
  • Fibromialgia
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Eczema

Todas essas doenças e distúrbios relacionados sempre precisam de tratamento médico prescrito pelo especialista, que não pode ser substituído por nenhum outro remédio. Para qualquer sintoma, o primeiro passo deve ser consultar o médico e seguir suas instruções.

Sabendo de tudo isso, talvez seja hora de começar a cuidar do intestino como uma ajuda para melhorar a saúde, embora sem substituir outros tratamentos. Para isso, a médica naturopata Amy Myers, especialista em medicina funcional, criou o programa 4R. Este programa tem como objetivo curar o intestino para curar a si mesmo.

Como vimos antes, e como mostram todas as pesquisas recentes, incluindo as que mencionamos, alguns distúrbios de saúde têm origem em problemas de microbiota intestinal. É aqui que este programa entra. Um bom funcionamento do sistema gastrointestinal é essencial para uma boa saúde.

O programa 4 R

O programa 4 R para cuidar dos intestinos

Reparar o dano

Neste primeiro passo o objetivo será evitar tudo aquilo que danifica o trato gastrointestinal. Para isso, é preciso eliminar os alimentos inflamatórios e irritantes gástricos como o álcool, a cafeína ou as drogas. Também os que podem produzir algum tipo de infecção.

Entre os alimentos inflamatórios podemos encontrar todos aqueles que causem algum tipo de intolerância como, por exemplo:

  • Glúten
  • Lácteos
  • Milho
  • Soja
  • Ovos
  • Açúcar

É importante realizar exames para determinar o nível específico de certas proteínas no sangue e a sensibilidade alimentar. Desta maneira, será possível comprovar a existência de uma intolerância a qualquer um destes alimentos.

Também pode haver alguma infecção que não estamos cientes. As infecções podem ser causadas por parasitas, bactérias ou leveduras. Um exame de fezes ajuda a determinar qual é nível de bactérias boas e a detectar se existe algum tipo de infecção. Obviamente, isso deve ser indicado e avaliado pelo especialista.

Para eliminar as infecções existem tratamentos com ervas, medicamentos antiparasitários e até antibióticos. Se necessário, o médico irá prescrevê-los.

Leia também: Diga adeus às infecções parasitárias com 6 remédios naturais

Repor

É muito importante restaurar as bactérias benéficas do intestino para que ele trabalhe adequadamente.

O corpo precisa de determinados ingredientes essenciais para realizar uma boa digestão e conseguir uma absorção correta de nutrientes. No entanto, o uso de medicamentos, a alimentação, as doenças ou o envelhecimento podem esgotar estes elementos. Portanto, é muito importante incluí-los na alimentação para ter uma digestão adequada. Entre estes encontramos:

  • Enzimas digestivas
  • Ácidos
  • Ácidos biliares clorídricos

Re-inocular

É muito importante restaurar as bactérias benéficas do intestino para que ele trabalhe adequadamente quando alguns distúrbios as modificaram ou eliminaram. Por exemplo, este é o caso de tratamentos com antibióticos ou outras drogas.

Isso pode ser alcançado através do consumo de um suplemento probiótico que contenha bactérias benéficas. Além disso, também é importante incrementar o consumo de fibras.

Reparação

Os intestinos precisam de alguns nutrientes que os ajudem a cumprir muitas de suas funções

O último passo deste programa concentra-se na reparação do intestino através de uma alimentação rica em nutrientes essenciais. Os intestinos precisam que proporcionemos, através dos alimentos, alguns nutrientes que os ajudem a cumprir muitas de suas funções.

Em primeiro lugar, para reparar o intestino, pode-se tomar suplementos de L-glutamina. Este é um aminoácido que contribui para o rejuvenescimento do revestimento da parede intestinal.

Além disso, é essencial fornecer outros nutrientes importantes, como zinco, ácidos graxos ômega-3 de peixes, vitamina A, C, E, etc. Normalmente, todos esses nutrientes são adquiridos em quantidades suficientes se seguirmos uma dieta equilibrada, em condições normais.

Pode te interessar: 9 benefícios medicinais que você pode obter graças ao gel da aloe vera

Este programa para curar o intestino pode se tornar um complemento para o tratamento de diferentes doenças. Vale a pena colocá-lo em prática e começar a aproveitar todos os seus benefícios para a saúde. Não se esqueça de sempre consultar o médico!

  • Icaza-Chávez, M. E. (2013). Microbiota intestinal en la salud y la enfermedad. Revista de Gastroenterología de México78(4), 240-248.
  • Alarcón, P., González, M., & Castro, É. (2016). Rol de la microbiota gastrointestinal en la regulación de la respuesta inmune. Revista médica de Chile144(7), 910-916.
  • Eguílaz, M. G., Trapero, J. L. R., Martínez, L. P., & Blanco, J. R. (2019). El eje microbiota-intestino-cerebro y sus grandes proyecciones. Revista de neurología68(3), 111-117.
  • Aceves, M., de Jesús, R., Izeta Gutiérrez, A. C., Torres Alarcón, G., Izeta, M., & Margarita, A. C. (2018). La microbiota y el microbioma intestinal humano.(Entre las llaves del reino y una nueva caja de Pandora). Revista de Sanidad Militar71(5), 443-448.
  • De, P. L. a, & De, S. (1997). Magnitud del problema. European Journal of Cancer.
  • Carlos, M. E., Ezequiel, M. O., Federico, B., Fernando, M. L., & José, M. F. (2010). Tratamiento quirúrgico de la obesidad mórbida. Prensa Medica Argentina. https://doi.org/10.1016/S0304-4858(05)74488-7
  • Osorio Arce, M., & Segura Correa, J. (2013). Digestión Anaerobia. Livestock Research for Rural Development. https://doi.org/10.1097/CIN.0000000000000364
  • Ferrer, Y., & Pérez, H. (2010). Los microorganismos en la digestion anaerobia y la produccion de biogas. Consideraciones en la eleccion del inóculo para el mejoramiento de la calidad y el rendimiento. ICIDCA.
  • Bonet, A., & Grau, T.. (2007). La glutamina, un aminoácido casi indispensable en el enfermo crítico. Medicina Intensiva31(7), 402-406.