Quando e como iniciar uma dieta de eliminação?

Vamos mostrar em que consiste uma dieta de eliminação e como ela pode ser implementada para detectar intolerâncias a grupos de alimentos ou nutrientes. Você também conhecerá seus riscos.
Quando e como iniciar uma dieta de eliminação?

Última atualização: 25 maio, 2022

A dieta de eliminação é implementada para detectar intolerâncias alimentares. Há uma série de testes no mercado que prometem analisar a existência desses distúrbios, mas a verdade é que eles não são confiáveis.

Eles não têm nenhuma evidência para apoiá-los. Por isso, em muitas ocasiões não há escolha a não ser retirar um determinado alimento da dieta para ver se há melhora.

Antes de começar, deve-se notar que existem intolerâncias alimentares que são transitórias. Isso significa que o corpo perde a capacidade de digerir ou absorver um determinado nutriente por um determinado tempo. Uma modificação ou intervenção específica pode até ser realizada para melhorar os sintomas e acelerar o processo.

Como funciona uma dieta de eliminação?

Quando falamos de dieta de eliminação, estamos nos referindo a um plano muito restritivo que não é sustentável ou saudável a médio prazo. Deve ser colocada em prática por um período não superior a 3 semanas.

Caso contrário, déficits nutricionais graves podem ser experimentados. Algumas deles podem condicionar o correto fornecimento de oxigênio pelo sangue, como é o caso da anemia. Isso é evidenciado por pesquisas publicadas na revista The Medical Clinics of North America.

A primeira coisa a fazer na dieta de eliminação é evitar grupos de alimentos que possam ser responsáveis por causar intolerâncias. Estes incluem frutas cítricas, oleaginosas, leguminosas, alimentos com glúten, laticínios, ovos e especiarias. Durante duas semanas, será consolidado um padrão baseado em frutas, hortaliças não solanáceas, trigo e arroz.

Esta parte é a mais complicada. Na verdade, estamos falando de um plano que envolve uma ingestão insuficiente de proteínas, o que pode condicionar o estado de massa magra. De acordo com um estudo publicado nos Annals of Nutrition & Metabolism, é necessário consumir pelo menos 0,8 gramas de proteína por quilo de peso corporal por dia para que o corpo funcione adequadamente.

Após duas semanas, os grupos alimentares suspeitos são introduzidos um a um e é dada atenção aos sintomas. Distúrbios intestinais, dores de cabeça ou até dermatites podem se manifestar.

As nozes são removidas na dieta de eliminação.
As oleaginosas fazem parte dos alimentos que são restritos neste plano, pelo menos por 2 semanas.

É seguro fazer uma dieta de eliminação?

A dieta de eliminação é aplicada quando há problemas do tipo intestinal e a origem é desconhecida. Supõe-se que a causa seja um alimento, ou um grupo deles, na pior das hipóteses.

Portanto, o objetivo é detectá-lo para suprimi-lo. No entanto, a aplicação desse método traz seus riscos, como mencionamos. O fornecimento insuficiente de nutrientes causará ineficiências nos mecanismos fisiológicos.

Tenha em mente que muitos dos sintomas intestinais são causados por problemas na microbiota. Por esse motivo, pode ser uma alternativa tentar melhorar sua composição, ao invés de se submeter a diferentes tipos de planos alimentares que podem prejudicar a saúde. Um procedimento adequado seria a suplementação com probióticos.

De acordo com um estudo publicado na revista Critical Reviews in Food Science and Nutrition, esses microrganismos podem ajudar a reduzir os sintomas de intolerância à lactose, entre outros. De fato, muitos dos problemas digestivos e intestinais são condicionados pela disbiose. Para fazer isso, uma intervenção direta teria que ser realizada para restaurar o equilíbrio interno.

Cólon irritável e intolerâncias

Antes de concluir, é importante notar que muitos dos problemas digestivos podem ser causados pela gênese de patologias inflamatórias do tipo intestinal. Um exemplo é a síndrome do intestino irritável.

Pode levar ao aparecimento de intolerâncias mais tarde, mas a causa realmente seria essa doença autoimune. Portanto, a solução não estaria na restrição total de grupos alimentares, mas em uma abordagem que reduza os níveis inflamatórios.

Agora, muito ainda é desconhecido sobre esses problemas de saúde. São considerados crônicos e não têm cura.

Eles só podem ser gerenciados através da nutrição, sendo a administração de probióticos também positiva. Mesmo em algumas situações, bastaria limitar a ingestão de fibras para experimentar melhorias.

A microbiota intestinal causa problemas.
Cada vez mais se sabe sobre a microbiota, por isso muitos tratamentos visam modificá-la para reduzir os sintomas digestivos.

Cuidado com a dieta de eliminação

A dieta de eliminação é muito restritiva em nutrientes essenciais, por isso não é sustentável a médio prazo. É uma abordagem que pode ajudar a localizar uma intolerância, mas também não deve supor a solução do problema.

Antes de iniciar uma abordagem deste tipo, é aconselhável visitar um especialista. Existem outras alternativas que podem ser postas em prática para descartar patologias.

Bons hábitos alimentares são capazes de corrigir problemas. É bom garantir a presença de alimentos fermentados na dieta regularmente e garantir o consumo de pelo menos 25 gramas de fibra por dia.

Pode interessar a você...
Alimentação sem glúten: mitos e verdades
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Alimentação sem glúten: mitos e verdades

Muitas pessoas vêm adotando uma alimentação sem glúten, sem levar em conta que não necessariamente precisam recorrer a ela.



  • Massey A. C. (1992). Microcytic anemia. Differential diagnosis and management of iron deficiency anemia. The Medical clinics of North America76(3), 549–566. https://doi.org/10.1016/s0025-7125(16)30339-x
  • Richter, M., Baerlocher, K., Bauer, J. M., Elmadfa, I., Heseker, H., Leschik-Bonnet, E., Stangl, G., Volkert, D., Stehle, P., & on behalf of the German Nutrition Society (DGE) (2019). Revised Reference Values for the Intake of Protein. Annals of nutrition & metabolism74(3), 242–250. https://doi.org/10.1159/000499374
  • Oak, S. J., & Jha, R. (2019). The effects of probiotics in lactose intolerance: A systematic review. Critical reviews in food science and nutrition59(11), 1675–1683. https://doi.org/10.1080/10408398.2018.1425977