O que é uma fístula gastrointestinal e o que a provoca?

A fístula gastrointestinal se manifesta com sintomas como diarreia, náusea, sangramento retal e até febre e dor abdominal insuportável. O prognóstico é altamente variável.
O que é uma fístula gastrointestinal e o que a provoca?

Última atualização: 22 Junho, 2021

A fístula ocorre quando se forma uma conexão entre um órgão e outra estrutura, geralmente secundária a uma lesão. A fístula gastrointestinal é muito comum em pacientes com doença de Crohn, pois até 35% deles desenvolvem pelo menos uma em algum momento da vida.

Esse tipo de patologia também é típico em pacientes que foram submetidos a um procedimento cirúrgico no abdômen. Segundo estudos, até 85% dos casos surgem como efeito colateral dessas práticas. Se você quiser saber tudo sobre as fístulas gastrointestinais e como lidar com elas, continue lendo.

Tipos de fístulas gastrointestinais

Os estudos científicos classificam as fístulas de acordo com o lugar onde aparecem, podendo ser externas ou internas. As internas comunicam dois órgãos entre si, enquanto as externas o fazem direta ou indiretamente com a superfície corporal. Além disso, dependendo do número de conexões que geram, também podem ser simples ou complexas.

Com base em seu local de aparecimento, podemos distinguir 4 tipos diferentes de fístulas gástricas:

  • I: esofágica, gástrica e duodenal.
  • II: do intestino delgado.
  • III: no cólon.
  • IV: qualquer um dos anteriores que tenha drenado através de um defeito na parede maior que 20 centímetros quadrados.

O último tipo é o que mais chama a atenção. Como são abertas, as fístulas permitem o escape de fluidos presentes no trato gastrointestinal. Com base neste parâmetro, uma fístula pode ser de baixo fluxo (drena menos de 500 mililitros por dia) ou alto fluxo (drena mais de 500 mililitros por dia).

Sistema intestinal
Qualquer seção do sistema digestivo humano pode ter uma fístula. Elas podem comunicar dois órgãos entre si ou sair para o exterior.

Quais são os sintomas de uma fístula gastrointestinal?

O portal Drugs.com indica alguns dos sintomas mais comuns da presença de fístula gastrointestinal em pacientes. Entre eles, destacamos os seguintes:

  • Dor abdominal ou indigestão gasosa.
  • Diarreia.
  • Perda de peso, náuseas e vômitos.
  • Acidez estomacal.
  • Vazamento de fluido por uma ferida no abdômen.

Com uma fístula interna, o paciente também pode apresentar sangramento retal, infecção na corrente sanguínea, má absorção de nutrientes, desidratação e piora das condições subjacentes. Por outro lado, algumas não geram sintomas; tudo depende dos parâmetros já mencionados e do estado de saúde individual.

Possíveis complicações

Se o paciente apresentar sangramento retal abundante, vômitos e náuseas descontroladas ou se o abdômen estiver distendido, é necessário procurar atendimento médico com urgência. Algumas fístulas podem ser fatais se associadas a uma infecção bacteriana no tecido circundante.

Apesar dos avanços da medicina, fontes de pesquisa nos mostram os seguintes dados: 25 a 50% dos pacientes com fístulas enterocutâneas acabam morrendo. Entretanto, esses dados devem ser tomados com algumas ressalvas, pois normalmente nos referimos a pessoas que já têm a saúde comprometida.

Principais causas de fístula gastrointestinal

Os estudos médicos exploram as principais causas de uma fístula gastrointestinal. A seguir, resumimos algumas das suas descobertas.

Procedimentos cirúrgicos

Como já dissemos, 75-85% das fístulas gastrointestinais são o produto de uma complicação após uma cirurgia abdominal. É difícil obter um número específico, pois depende de muitos fatores, mas todos os autores concordam: mais da metade surge no pós-operatório.

Doenças diverticulares

O aparecimento de divertículos que afetam gravemente o intestino grosso também pode desencadear o aparecimento de fístulas. Localizam-se como conexões com órgãos intra-abdominais (a bexiga, por exemplo).

Doença de Crohn

A doença de Crohn causa inflamação crônica de longo prazo em certas partes do trato digestivo. Isso causa dor abdominal, febre, fadiga, prisão de ventre e sangramento nas fezes. Até 35% das pessoas com essa patologia desenvolvem fístulas.

Processos malignos

O aparecimento de tumores cancerígenos no intestino e órgãos adjacentes promove processos de fistulização. A extensão radial de uma massa na mucosa do trato digestivo e a destruição do tecido normal promovem essa conexão.

Como se pode diagnosticar a fístula gastrointestinal?

A Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos lista alguns dos métodos diagnósticos mais eficazes para detectar uma fístula gastrointestinal. Entre eles, encontramos os seguintes:

  • Esofagografia: realiza-se uma série de radiografias para avaliar a condição do esôfago, estômago e intestino delgado. Isso permite pesquisar a fístula diretamente.
  • Enema de bário ou enema opaco: uma radiografia especial do intestino grosso que inclui o cólon e o reto.
  • Tomografia computadorizada: graças a esta ferramenta, pesquisa-se a fístula entre as alças intestinais ou áreas em que ocorreram infecções anteriores no abdômen.
  • Fistulograma: usa uma forma de raio-X em tempo real chamada fluoroscopia e material de contraste (à base de bário) para criar imagens de uma passagem anormal dentro do corpo.

Embora todos os métodos diagnósticos sejam válidos, o fistulograma é a técnica que relata as informações médicas mais relevantes. Graças a ele, além de detectar a própria fístula, é possível avaliar o estado da lesão e sua extensão.

Homem fazendo radiografia
As radiografias seriadas são filmes de raios-X sucessivos que cobrem uma grande parte do trato digestivo, do esôfago ao reto.

Tratamentos disponíveis

Existem duas variantes de tratamento: conservador e cirúrgico. No primeiro caso, geralmente são prescritos antibióticos para prevenir o aparecimento de infecções bacterianas graves. Além disso, se a fístula for decorrente da doença de Crohn, é necessária a administração de imunossupressores.

Algumas abordagens mais conservadoras incluem o uso de colas de fibrina para fechar a fístula de forma minimamente invasiva e a nutrição intravenosa do paciente durante a cicatrização. A taxa de sucesso dessa metodologia não é muito alta, por isso geralmente leva à remoção cirúrgica da área afetada.

Quer saber mais? Então leia: Doença de Crohn

Fístula gastrointestinal: complicação de um problema subjacente

A fístula gastrointestinal é uma condição clínica de difícil abordagem, pois geralmente surge como subproduto de uma complicação anterior, seja ela cirúrgica ou uma doença intestinal prolongada.

Portanto, o prognóstico depende da patologia primária e da situação pessoal do paciente. O impacto na qualidade de vida é alto e interfere nos tratamentos básicos que o paciente realiza.

It might interest you...
Os 3 passos imprescindíveis para ter um intestino saudável
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os 3 passos imprescindíveis para ter um intestino saudável

Ter um intestino saudável é a chave principal para o nosso bem-estar geral. Conheça a seguir 3 passos para mantê-lo ativo e saudável.