6 sinais de que seu intestino está doente

O intestino é um órgão exposto a um grande número de substâncias que podem causar desconforto e outras condições. Como você sabe quando ocorre um problema?
6 sinais de que seu intestino está doente

Última atualização: 19 Novembro, 2020

O intestino é um órgão visceral localizado na altura do abdômen, entre o estômago e o reto. Ele faz parte do aparelho digestivo e se divide em duas grandes porções.

As partes principais do intestino são o grosso e o delgado. Embora formem um mesmo órgão, cumprem funções similares, mas específicas. Tais funções marcam uma diferença.

O objetivo desse órgão é sintetizar os alimentos, começando no intestino delgado onde a maior parte é degradada. O resultado é absorvido por células epiteliais e passa para a corrente sanguínea para ser distribuído pelo resto do organismo.

Tal processo termina no intestino grosso, que sintetiza o bolo alimentício, absorvendo sais minerais e água para transformá-lo em matéria fecal, que posteriormente é excretada.

O intestino: importante e frágil

Os transtornos intestinais são mais comuns do que se pensa e estão associados a problemas digestivos, embora também possam provocar outros sintomas. A maneira mais simples de localizá-los é através dos incômodos sintomas na área onde o intestino se situa.

Dores no abdômen, incômodo estomacal e inchaço são os principais indicadores. No entanto, existem outros tipos de sinais, menos comuns, encarregados de delatar doenças ou problemas no intestino.

Mulher com intestino doente

Sinais para saber se seu intestino está doente

Estes são alguns dos sintomas que podem ajudar a perceber que algo não está indo bem com seu intestino e que pode ser necessário consultar o médico o mais rápido possível.

Observe que as informações fornecidas aqui não substituem de forma alguma o diagnóstico médico. Portanto, na dúvida, o ideal é procurar um profissional o quanto antes e seguir todas as suas indicações.

Ansiedade por açúcar

Quando ocorre o consumo de doces e outras substâncias açucaradas, os grupos bacterianos que residem no intestino sofrem diversos desequilíbrios. Uma pesquisa de 2008 publicada na Annual Review of Nutrition explica essas rotas alternativas de absorção intestinal.

O problema disso é que, a princípio, ao perceber o desejo por esse componente, essas substâncias são consumidas de maneira normal, mas, com o passar do tempo, identifica-se uma ansiedade excessiva.

Embora essa relação entre o consumo de açúcar e a ansiedade ainda esteja sob investigação, sabe-se que é possível desenvolver um vício por alimentos açucarados, principalmente alimentos processados. Isso é detalhado em um estudo publicado na Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care.

Ingerir açúcar sem controle pode provocar diversos problemas de saúde, e um dos mais conhecidos é o sobrepeso. Conforme detalhado em um estudo publicado na Critical Reviews in Clinical Laboratory Sciences, isso pode ser acompanhado por outros problemas que levam a doenças cardiovasculares ou diabetes.

Problemas psicológicos

É normal sentir ‘borboletas" ou outras reações no estômago ao sentir ansiedade, nervosismo e outras emoções. De fato, estudos têm mostrado que a relação entre os intestinos e o cérebro é bidirecional, conforme detalhado em um estudo publicado em Progress in Neuro-psychopharmacology & Biological Psychiatry.

Desse modo, problemas psicológicos como a depressão, o estresse e a ansiedade podem ser sinais de alguma deficiência no intestino. Isso se deve, parcialmente, à ação da serotonina.

A serotonina é um neurotransmissor responsável por proporcionar bem-estar, tranquilidade e felicidade ao organismo. Esse químico tem sua origem no intestino e no cérebro, segundo um estudo publicado em Frontiers in Neuroscience. É por essa razão que o estado de ânimo pode dar sinais de como se encontra o intestino.

Glicose em excesso

Uma das principais funções intestinais é a síntese dos alimentos, entre os quais também se encontra o açúcar. Se houver alguma deficiência, o excesso de glicose aumenta o teor de açúcar no sangue e causa doenças como o diabetes. Além disso, os processos metabólicos também são alterados e o ciclo de transformação de energia pode falhar.

Pele afetada

Quando o tecido da pele apresenta acne e outros tipos de eczema, isso pode ser um sinal de desequilíbrio no intestino. Um estudo publicado na Gut Pathogens sugere que os problemas intestinais podem alterar a função da barreira epidérmica. Entretanto, ainda não está definido como ocorre essa relação ou quão importante é a interferência da saúde intestinal no aparecimento da acne.

Apesar dessas questões inconclusivas, a pesquisa citada afirma que há “evidências suficientes" para vincular a condição da pele à dos intestinos. Com isso, certas condições como a acne, a psoríase, a rosácea ou as irritações na pele podem estar relacionadas ao intestino.

Instabilidade digestiva

Os problemas associados com a digestão talvez sejam o principal sinal de que algo não anda nada bem no intestino. Tudo começa com gases, inchaço abdominal e diarreia, decorrentes da alteração das bactérias responsáveis por proteger tal órgão.

O desequilíbrio na flora intestinal ocorre por causa da aglomeração de substâncias nocivas que impossibilitam a absorção nutritiva da maioria dos alimentos. Como descrito em um artigo publicado na Acta Médica Peruana, isso pode levar à síndrome do intestino irritável.

Halitose

Ligada à deficiência digestiva, a função estomacal pode ser interrompida pelo desequilíbrio bacteriano no intestino. Um estudo publicado no Journal of Natural Science, Biology and Medicine descobriu que os problemas gastrointestinais também podem causar halitose.

Cuidar do intestino é proteger todo o corpo

Pelo que foi explicado acima, fica claro que a saúde do intestino e de todo o sistema digestivo em geral está ligada ao bem-estar do resto do corpo. Claro, tudo isso é muito importante, por isso é aconselhável ter hábitos saudáveis ​​e uma alimentação equilibrada.

Por fim, é importante reiterar que o diagnóstico médico é fundamental em qualquer uma das situações citadas acima. Se você tiver algum desses sintomas, consulte um profissional.

Pode interessar a você...
Alimentos ideais para limpar o intestino
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Alimentos ideais para limpar o intestino

O intestino delgado tem um comprimento de 5 a 7 m, já o intestino grosso mede entre 1 a 1,5 m. Hoje falaremos sobre os alimentos para limpar o intestino.



  • Sugar Absorption in the Intestine: The Role of GLUT2
    George L. Kellett, Edith Brot-Laroche, Oliver J. Mace, Armelle Leturque
    Annual Review of Nutrition 2008 28:1, 35-54
  • APA Ahmed, Serge H.a,b; Guillem, Karinea,b; Vandaele, Younaa,b Sugar addiction, Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care: July 2013 – Volume 16 – Issue 4 – p 434-439
    doi: 10.1097/MCO.0b013e328361c8b8
  • Stanhope KL. Sugar consumption, metabolic disease and obesity: The state of the controversy. Crit Rev Clin Lab Sci. 2016;53(1):52‐67. doi:10.3109/10408363.2015.1084990
  • Maes M. Depression is an inflammatory disease, but cell-mediated immune
    activation is the key component of depression. Prog Neuropsychopharmacol Biol
    Psychiatry. 2011 Apr 29;35(3):664-75. doi: 10.1016/j.pnpbp.2010.06.014. Epub 2010
    Jun 20. Review. PubMed PMID: 20599581.
  • Bornstein J. C. (2012). Serotonin in the gut: what does it do?. Frontiers in neuroscience, 6, 16. https://doi.org/10.3389/fnins.2012.00016
  • Bowe, W. P., & Logan, A. C. (2011). Acne vulgaris, probiotics and the gut-brain-skin axis – back to the future?. Gut pathogens, 3(1), 1. https://doi.org/10.1186/1757-4749-3-1
  • Guzmán Calderón, Edson, Montes Teves, Pedro, & Monge Salgado, Eduardo. (2012). Probióticos, prebióticos y simbióticos en el síndrome de intestino irritable. Acta Médica Peruana, 29(2), 92-98. Recuperado en 11 de mayo de 2020, de http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1728-59172012000200009&lng=es&tlng=es
  • Aylıkcı, B. U., & Colak, H. (2013). Halitosis: From diagnosis to management. Journal of natural science, biology, and medicine, 4(1), 14–23. https://doi.org/10.4103/0976-9668.107255
  • Aylıkcı, B. U., & Colak, H. (2013). Halitosis: From diagnosis to management. Journal of natural science, biology, and medicine, 4(1), 14–23. https://doi.org/10.4103/0976-9668.107255