Quais são os diferentes tipos de gravidez?

19 de julho de 2018
Saber que está grávida é uma bênção, mas a primeira coisa que uma mulher deve saber é o tipo de gravidez que ela tem. Isso determinará, em grande medida, se dar à luz uma nova vida é viável ou não. Conheça aqui os diferentes tipos de gravidez.

Quando uma mulher recebe a feliz notícia de sua gravidez, uma tempestade de emoções, medos, dúvidas e hormônios irrompe. Cada consulta médica leva a milhares de perguntas sobre se a gravidez está se desenvolvendo corretamente, ou não. E a primeira coisa que a gestante deve saber é qual dos tipos de gravidez é a que ela tem.

A vida humana começa a partir do momento em que o óvulo e o esperma se fundem. Para a Organização Mundial da Saúde, a gravidez faz parte do processo de reprodução humana que começa quando o óvulo fertilizado é implantado no útero e termina com o parto.

Cada mulher tem sua própria experiência de gravidez, algumas mais complicadas do que outras, nem mesmo duas gestações na mesma mulher são iguais. No entanto, você sabia que, do ponto de vista médico, existem três tipos de gravidez? Essa classificação tem a ver exatamente com a maneira como ocorre a nidação do óvulo fertilizado.

Tipos de gravidez

1. Gravidez intrauterina

Mulher fazendo check-up durante sua gravidez

É a gravidez que ocorre quando o óvulo fertilizado é implantado corretamente dentro do útero e se desenvolve normalmente, sem qualquer alteração. A gravidez intrauterina é a que a maioria das mulheres vive. Dura cerca de 40-42 semanas, desde o primeiro dia da última menstruação, ou aproximadamente 38 semanas a partir da fertilização do óvulo.

Quando o óvulo é implantado, a placenta se desenvolve. E graças ao cordão umbilical, o futuro bebê recebe os nutrientes de que precisa para crescer. Dependendo das condições ou fatores que afetam a saúde da mulher no momento da gravidez, podemos falar sobre gestações de baixo risco ou alto risco.

Gravidez de baixo risco

É a gravidez controlada de uma mulher em boa saúde. Ocorre em mulheres entre os 19 e os 35 anos de idade. Não há doenças que coloquem em risco a vida da mãe ou o desenvolvimento do feto.

Gravidez de alto risco

É quando a gravidez não é controlada. Ocorre em mulheres com menos de 18 anos (gravidez precoce) ou com mais de 35 anos (gravidez tardia).

É a gravidez que ocorre quando uma mulher começa a sofrer de doenças, tais como diabetes, doença cardíaca, pielonefrite (infecção renal) ou quando em contato com infecções, tais como rubéola, toxoplasmose, sífilis, vírus da imunodeficiência humana, vírus do papiloma humano.

Gravidezes de alto risco podem chegar a um final feliz sem comprometer a saúde da mulher ou o desenvolvimento adequado do feto, mas é essencial que recebam o devido controle médico.

Além disso, há uma classificação médica no caso de receber a notícia de que você está grávida “não de apenas um… mas dois”, sendo o seguinte:

Gêmeos Dizigóticos (gêmeos)

Cada zigoto levará a uma placenta independente e um saco amniótico. Existem duas placentas e duas bolsas amnióticas.

Gêmeos monozigóticos (gêmeos idênticos)

Na maioria dos casos, o embrião é dividido, mas não a placenta. Requer um acompanhamento maior (ultrassonografias mensais durante quase toda a gestação), uma vez que há uma única placenta que alimenta dois fetos.

Leia também: 5 dicas para reduzir o desconforto do hipotireoidismo durante a gravidez

2. Gravidez ectópica

Mulher com dor nas costas por causa do seu tipo de gravidez

Também é conhecida como gravidez extrauterina. Ela surge de uma complicação durante a descida do embrião pela trompa de Falópio e não é capaz de atingir o útero. O embrião é implantado em um local inadequado que não permite seu desenvolvimento.

A gravidez ectópica é muito arriscada para a vida da mãe e não oferece nenhuma possibilidade para o feto. Este tipo de gravidez geralmente não passa o primeiro trimestre. A mulher começa a sangrar e sente dores fortes entre a 6ª e a 8ª semana.

Se não abortar espontaneamente, o médico geralmente recomenda uma interrupção cirúrgica ou com certos medicamentos quimioterápicos, para salvar a vida da mulher. Ter tido uma gravidez ectópica não incapacita a mulher de ter uma gravidez intrauterina subsequente. No entanto, você precisará ter um controle médico adequado para alcançar uma gravidez normal.

A gravidez ectópica é classificada como:

Tubária

O embrião nidifica nas trompas de Falópio e produz inflamação e obstrução tubária.

Istmo

A implantação do embrião ocorre no istmo, no final da trompa de Falópio.

Ovariana

O embrião é implantado no ovário e pode ser confundido com um cisto.

Cervical

A nidação ocorre no colo do útero.

Abdominal

O embrião se implanta dentro da cavidade peritoneal. Este tipo de gravidez é muito pouco frequente.

Intramural

Está localizado no miométrio, a camada muscular interna do útero. É o tipo mais estranho de gravidez de todos.

Visite este artigo: O medo de fazer uma cesariana

3. Gravidez molar

Moça triste porque não consegue engravidar

Neste tipo de gravidez, o óvulo foi fertilizado de forma anormal. A partir daí, a placenta cresce desproporcionalmente e se transforma em um conjunto de cistos chamado de mola hidatiforme. Isso traz como consequência:

  • O embrião não pode se formar bem e não sobrevive.
  • A gravidez molar deve ser interrompida assim que se souber de sua existência.

Existem dois tipos de gravidez molar:

Total

Não há sinal de normalidade nem no embrião nem no tecido da placenta. Todos os cromossomos pertencem ao pai, quando o normal é que uma metade seja da mãe e a outra do pai.

Parcial

A placenta pode mostrar sinais de normalidade, no entanto, o embrião se desenvolve anormalmente. Metade dos cromossomos vem da mãe, mas os pertencentes ao pai aparecem em dois grupos. O feto, em vez de ter 46 cromossomos, tem 69.

Vá a suas consultas de check-up médico

Seja qual for o tipo de gravidez que você tenha, o mais importante é seguir as indicações médicas adequadas e oportunas. O especialista será aquele que melhor lhe pode dizer quais são as chances de sua gravidez chegar a bom porto, sem prejudicar a sua saúde ou a do bebê em desenvolvimento.

Recomendados para você