O medo de fazer uma cesariana

· 5 de março de 2018
A seguir, explicamos tudo o que você precisa saber sobre uma cesariana para poder superar o medo e preparar-se melhor para o parto

O medo de uma cesariana é algo muito frequente entre as grávidas, especialmente entre as de primeira viagem. No geral, isso tem como base preconceitos e falta de informação.

Os índices de cesáreas no Brasil

Atualmente, calcula-se que 84% dos bebês que nascem no Brasil vêm ao mundo através de uma cesárea. Essa porcentagem é superior ao recomendado pela Organização Mundial da Saúde, que deve estar entre 10% e 15% aproximadamente.

Isso não é um fenômeno isolado ou característico do Brasil. Na verdade, na maioria dos países ocidentais, os índices de cesáreas dispararam, principalmente entre as décadas de 80 e 90. As causas foram diversas, mas entre elas encontra-se também o medo ao parto normal.

Toda mulher tem direito de escolher o parto que melhor lhe convém, contando sempre com a orientação do seu médico. Atenção! É importante mencionar que a cesária não deveria ser encarada como um procedimento habitual.

Trata-se de uma intervenção cirúrgica desenvolvida quando o parto normal representa um risco para a vida da mulher e do bebê.

O corpo de uma mulher saudável está preparado para resistir e recuperar-se do processo do parto natural; ou seja, pela vagina. Por isso, ainda que exista temor por essa experiência, é necessário superá-lo. Para isso, é preciso saber que, se o organismo tem uma saúde favorável, não há porque ter medo.

Se durante as revisões periódicas na gravidez o médico identifica alguma condição que possa ser desfavorável para o parto natural, é possível que recomende a realização de uma cesariana. Esse procedimento deve ter uma programação determinada para que seja um sucesso.

 

Como superar o medo à cesariana

Médico aliviano preocupação de mamãe

Naturalmente, os seres humanos têm um caráter neofóbico, ou seja, tememos aquilo que não conhecemos. Para uma mulher grávida que jamais teve a experiência de passar por uma sala de parto, a cirurgia pode supor uma grande incerteza. É mais que compreensível sentir medo e querer evitar esta experiência.

A primeira coisa que devemos entender é que essa prática, assim como toda intervenção cirúrgica, requer preparação. Isso não significa apenas escolher um bom profissional para realizar o parto, embora este seja um aspecto essencial.

Toda mulher deve ser acompanhada antes, durante e depois do parto por um especialista de sua confiança.

No entanto, preparar-se para uma cesariana requer também o compromisso da grávida e de todo o seu entorno. É essencial proporcionar um ambiente positivo e as condições adequadas para a boa saúde da mamãe e do bebê.

Além disso, é fundamental não carregar essa decisão com o peso de uma frustração. Muitas mulheres podem se sentir tristes ou incapazes por não poderem ter um parto normal, como desejavam. E o estado de ânimo negativo pode prejudicar sua preparação e aumentar o medo à cesariana.

Quando o médico descarta o procedimento natural, é para proteger a vida da grávida e do seu bebê. Nesses casos, a cesariana é um procedimento indispensável para garantir um parto seguro.

Conhecer melhor a cesariana: antes, durante e depois

O conhecimento é nosso melhor aliado para combater qualquer medo. Por isso, é necessário que a mulher tome uma atitude proativa e busque informação sobre o tema que a preocupa e que converse a respeito disso com seu médico de confiança. Dessa forma, poderá abordar melhor o tema da cesariana.

É imprescindível esclarecer com o médico todas as dúvidas para deixar de dar importância aos preconceitos e aos mitos que impedem a mulher de ter uma gravidez tranquila e confiante. Especialmente durante seu último trimestre.

1. Prepare-se para a sala de parto: o antes da cesariana

Grávida consultando por cesariana

Antes de entrar na sala de parto, a grávida deverá dar entrada no hospital para se preparar para o procedimento. Em alguns casos, isso pode acontecer com urgência, mas na maioria dos casos, as cesáreas são programadas.

  • Recomenda-se que a grávida comece seu jejum entre 5 e 6 horas antes da cirurgia.
  • Também é importante não beber líquidos durante as 2 horas prévias ao procedimento.
  • Recomenda-se procurar se distrair com algum passatempo para não acumular tensão desnecessária e ter um melhor estado de ânimo. Nesse sentido, é importante ter uma boa disposição.

 

2. A entrada na sala de parto

Quando se entra na sala de parto, a primeira parte da cesárea é a anestesia, que se aplica na lombar. Atualmente, tem se utilizado anestesias raquidianas, que agem rapidamente e “adormecem” apenas a metade inferior do corpo. Isso garante que a cesariana seja um procedimento indolor.

O parto propriamente dito costuma ser o procedimento mais rápido da cesárea. A retirada do bebê costuma ser realizada em um tempo aproximado de 10 a 15 minutos.

De forma contrária, a parte mais longa do procedimento corresponde à sutura da incisão no abdômen e do útero da mulher. Essa parte do processo pode durar até 60 minutos.

3. Recuperar-se de uma cesárea: o “depois” do parto

Bebê nascido por cesariana

Todo parto requer um tempo de recuperação. Se tudo saiu bem, a mulher terá alta do hospital depois de 24 ou 48h. Portanto, o repouso inicial é no próprio hospital e a grávida é mantida sob supervisão por um período de aproximadamente 4 a 6 dias.

No entanto, é em casa que acontece a maior parte da sua recuperação. Por isso, é fundamental evitar esforços físicos, contar com um ambiente positivo e manter uma boa alimentação.

A cesárea não é algo tão terrível como se pode pensar. Tudo se trata de ter uma boa atitude e confiar tanto no médico quando no nosso entorno mais próximo; ou seja, familiares, cônjuge e amigos.