O que você sabe sobre a alopecia pós-parto?

18 Setembro, 2020
A causa da alopecia pós-parto está relacionada às alterações hormonais que ocorrem nessa fase. Saiba todos os detalhes a seguir.

A alopecia pós-parto é a perda de cabelo temporária que ocorre com a maioria das mulheres que deram à luz. Manifesta-se dois ou três meses após o nascimento do bebê. No entanto, apesar do que algumas pessoas imaginam, não está relacionada à amamentação.

Causas da alopecia pós-parto

Mulher no puerpério

A causa desse tipo de alopecia está relacionada às alterações e processos hormonais temporários que ocorrem no estágio pós-parto. No entanto, outros fatores também influenciam, como:

  • Estresse: durante esse período, a mãe pode se sentir pressionada ou estressada pela nova situação em sua vida.
  • Níveis de ferro: uma diminuição nos níveis de ferro ocorre em uma alta porcentagem de mulheres após o parto e também provoca queda de cabelo.

Ciclo biológico do cabelo

Para entender o processo de alopecia pós-parto, é conveniente conhecer o ciclo biológico do cabelo. Cada um dos folículos capilares tem capacidade para desenvolver de 20 a 25 ciclos. Estes ciclos consistem em 3 fases:

  • Fase anágena: corresponde à fase de crescimento e dura entre 2 e 6 anos.
  • Fase catágena: nesta fase o crescimento do cabelo cessa. Dura entre 2 e 3 semanas.
  • Fase telógena: é a fase em que o cabelo cai. Esse processo ocorre por aproximadamente 3 meses. A fase anágena começa novamente no mesmo folículo.

Sob condições normais, 90% dos cabelos estão na fase de crescimento, enquanto os 10% restantes estão na fase de repouso ou queda.

No entanto, durante a gravidez, os níveis de estrogênio e hormônio da tireoide mantêm os cabelos na fase anágena. Por esse motivo, muitas mulheres grávidas percebem que seus cabelos estão mais saudáveis ​​e com mais volume durante o período da gestação.

Leia também: Por que o cabelo cai?

Alopecia pós-parto

Alopecia pós-parto

Após o parto, os níveis hormonais são reequilibrados, de modo que todo cabelo que estava na fase anágena muda abruptamente para a fase telógena. Dessa maneira, dois ou três meses após o nascimento do bebê, a mãe sofrerá uma alopecia pós-parto súbita e difusa.

Se na fase pré-gestacional uma mulher perdia entre 50 e 100 fios por dia, durante o período pós-parto esse número pode triplicar, e ela pode inclusive chegar a perder 500 fios por dia. A alopecia pós-parto geralmente dura de quatro a seis meses, embora a recuperação do volume leve mais alguns meses.

Anemia e alopecia pós-parto

A anemia por deficiência de ferro ou anemia ferropênica é muito comum em mulheres no estágio pós-parto. Isso ocorre devido à considerável perda de sangue durante o parto e puerpério.

A falta de ferro leva a uma diminuição da hemoglobina; portanto, a quantidade necessária de oxigênio não pode ser transportada para os tecidos. Por esse motivo, os bulbos capilares, a longo prazo, não são bem nutridos e enfraquecem, o que favorece o aparecimento da alopecia pós-parto.

Também podem contribuir para o enfraquecimento do bulbo capilar e, portanto, para a alopecia pós-parto, fatores como:

  • Fadiga.
  • Privação de sono.
  • Mudança de hábitos alimentares.
  • Estresse relativo às novas obrigações e atenção ao bebê.

Talvez você também queira ler: Alimentos para prevenir a anemia

Prevenção e tratamento da alopecia pós-parto

Fios de cabelo em escova

Para prevenir e tratar a alopecia pós-parto, é necessário que a mulher preste atenção à higiene e aos cuidados adequados dos cabelos.

Uso de produtos

A mãe deve pentear suavemente os cabelos e usar xampus e produtos indicados para a alopecia pós-parto. Além disso, é aconselhável restringir o uso de secadores, chapinhas, escovas ásperas e outros tratamentos agressivos para o cabelo.

Nutrição

Quanto à nutrição, deve-se garantir a ingestão de todas as vitaminas, oligoelementos e aminoácidos essenciais. Isso vale especialmente para os relacionados à saúde do cabelo, como os aminoácidos sulfurados, a L-cisteína e a L-metionina.

Esses aminoácidos participam do transporte de ferro e zinco para o couro cabeludo. O zinco é fundamental para a formação de queratina, que é a proteína capilar mais importante.

Por outro lado, as vitaminas do complexo B, incluindo a biotina que regula a secreção de sebo, e o selênio como antioxidante, desempenham papéis importantes na manutenção da boa saúde do cabelo.

O extrato de milhete, rico em vitaminas e ácidos graxos essenciais, diminui a queda dos cabelos e estimula o crescimento dos fios.