Quais são os benefícios das cenouras?

Um consumo moderado de cenouras pode ajudar a regular a circulação sanguínea e reduzir a pressão arterial, por isso que são recomendadas para a saúde cardíaca.
Quais são os benefícios das cenouras?

Última atualização: 28 Janeiro, 2021

As cenouras são vegetais saudáveis e deliciosos, tanto cruas como cozidas. Podem ser obtidos numerosos benefícios ao incluir as cenouras na dieta, devido aos seus nutrientes. Certamente está se perguntando: quais benefícios as cenouras proporcionam?

Valor nutricional

As cenouras estão carregadas de betacaroteno, o qual fornece a característica cor laranja. Além disso, trazem vitaminas A, C, B1, B2, B3, B6, B9, C, E, colina e K; assim como minerais como o potássio, o manganês, ferro, cálcio e fósforo.

Estes vegetais são constituídos em sua maioria por carboidratos. Ademais, trata-se de uma boa fonte de fibras dietéticas, que não contém gorduras saturadas nem colesterol. As cenouras têm poucas calorias, somente 40 por cada 100 gramas, por isso que são uma boa opção de alimento saudável em uma dieta equilibrada.

Benefícios das cenouras

Cenouras

Trazem antioxidantes para o organismo

As cenouras possuem altos níveis de antioxidantes, como é o caso da vitamina A, que ajuda a promover a boa saúde geral e reduz o risco de sofrer doenças do coração e câncer, como o de cólon, da cavidade oral e de pulmão. Além disso, contém um fitonutriente chamado falcarinol, um potente antioxidante.

Por outro lado, exercem um efeito positivo sobre a visão, além disso, são especialmente benéficas para aumentar a capacidade de visão noturna. O teor de betacarotenos e vitamina A ajuda no correto funcionamento das células da retina, sendo os responsáveis por seus efeitos benéficos.

Advertência

Ainda que as cenouras tenham muitos benefícios positivos, comê-las em excesso pode levar a uma condição chamada “carotenodermia”, aparecendo nas palmas das mãos, plantas dos pés ou outras áreas da pele, de cor laranja ou amarelada, devido aos altos níveis de caroteno que existe no sangue. É conveniente reduzir a ingestão destas vitaminas para que o problema desapareça.

Quando são consumidas quantidades excessivas de vitamina A durante um período prolongado, pode-se produzir sintomas como náuseas, enjoos, vômitos e dor de cabeça, entre outros. Além disso, pode chegar a produzir hipervitaminose A. Uma condição grave que aparece devido ao acúmulo de níveis tóxico no fígado de vitamina A e requer tratamento médico.

Controlam a circulação do sangue e ajudam a reduzir a pressão arterial

Cenouras ajudam a controlar a pressão arterial

Este vegetal exerce uma influência positiva na regulação da pressão arterial.

Em conclusão, as cenouras são benéficas para regular a circulação do corpo, assegurando que o coração e os pulmões tenham nutrientes adequados para trabalhar eficazmente.

Ademais, reduzem o risco de sofrer doenças cardiovasculares e ajudam a controlar a pressão arterial, graças ao nutriente “succinato de potássio”, que tem propriedades anti-hipertensivas e ajuda a dilatar os vasos sanguíneos.

Pode interessar a você...
As vantagens em comer cenoura
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As vantagens em comer cenoura

Dicas para aumentar o consumo deste legume para que as pessoas tenham uma vida mais saudável. Conheça os benefícios de comer cenoura.



  • Eliassen AH, Hendrickson SJ, Brinton LA, Buring JE, Campos H, Dai Q, Dorgan JF, Franke AA, Gao YT, Goodman MT, Hallmans G, Helzlsouer KJ, Hoffman-Bolton J, Hultén K, Sesso HD, Sowell AL, Tamimi RM, Toniolo P, Wilkens LR, Winkvist A, Zeleniuch-Jacquotte A, Zheng W, Hankinson SE. Circulating carotenoids and risk of breast cancer: pooled analysis of eight prospective studies. J Natl Cancer Inst. 2012 Dec 19;104(24):1905-16.
  • Age-Related Eye Disease Study Research Group, SanGiovanni JP, Chew EY, Clemons TE, Ferris FL 3rd, Gensler G, Lindblad AS, Milton RC, Seddon JM, Sperduto RD. The relationship of dietary carotenoid and vitamin A, E, and C intake with age-related macular degeneration in a case-control study: AREDS Report No. 22. Arch Ophthalmol. 2007 Sep;125(9):1225-32.