Primeiros socorros para uma distensão na virilha

16 Março, 2020
Você não sabe como proceder diante de uma distensão na virilha? A seguir, compartilharemos algumas dicas de como prestar os primeiros socorros nessa situação.
 

Você é uma pessoa que pratica esportes? Você já foi diagnosticado com uma distensão na virilha? Esse termo se refere a uma lesão na virilha que geralmente envolve dor, desconforto e, em casos graves, leva a um rompimento.

É comum em pessoas que praticam algum tipo de atividade física. Portanto, saber como agir quando esse tipo de lesão ocorre é essencial para evitar complicações.

Uma das razões pelas quais a distensão na virilha pode aparecer é a execução incorreta de um exercício. No entanto, essa lesão também pode ser causada pelo excesso de tensão que pode estar ocorrendo na área devido ao treinamento excessivo do músculo da coxa.

Sintomas de uma distensão na virilha

É importante dizer que uma distensão na virilha não costuma ser uma lesão grave. No entanto, não saber como agir nesse tipo de situação pode levar a um grande problema que envolve a interrupção da prática de qualquer tipo de atividade física por um longo período de tempo.

Alguns movimentos específicos que podem causar uma distensão na virilha são: dar um chute forte (isso pode acontecer no futebol) ou fazer um movimento complicado que envolva uma virada violenta (como na patinação artística, por exemplo). Além disso, tudo que envolva uma torção pode causar uma lesão na virilha.

Sintomas de uma distensão na virilha
A distensão na virilha é comum em atletas quando fazem movimentos bruscos ou aplicam técnicas inadequadas.
 

Dependendo da gravidade, a distensão na virilha pode causar mais ou menos dor. No entanto, é necessário dar-lhe a devida atenção. A seguir, veremos como podemos detectar se sofremos (ou se alguém sofreu) uma lesão na virilha para poder ajudar da maneira correta.

  • Dificuldade de correr ou caminhar: essa atividade, que não envolve esforço, pode se tornar dolorosa. Se a distensão na virilha for severa, até mesmo pequenos passos podem nos fazer sentir uma dor intensa na região.
  • Hematomas na área: além do sintoma anterior, que pode variar de um incômodo a uma dor realmente intensa, podem surgir hematomas na área como um sinal de que ocorreu uma lesão grave.
  • Inchaço da virilha: quando ocorre uma distensão na virilha, a área, além de hematomas, pode inchar. Isso causará uma rigidez que pode tornar a ação de andar mais complicada.

Em algumas ocasiões, quando sofremos uma lesão na virilha, é normal ouvir um estalo que indica que nos machucamos. Mesmo se o desconforto for pequeno, não devemos ignorá-lo. A dor aumentará e a lesão poderá piorar com o passar dos dias.

Primeiros socorros para uma distensão na virilha

Agora que sabemos como detectar uma distensão na virilha, bem como as razões pelas quais ela ocorre, é importante saber quais medidas de primeiros socorros precisamos executar a partir do momento em que a lesão ocorre. Vamos ver alguns deles.

1. Alongamentos

Alongamentos
O alongamento é muito eficaz para avaliar os danos na virilha, e também ajuda a reduzir parte da dor.
 

A primeira medida de primeiros socorros para uma distensão na virilha é alongar. Isso permitirá liberar a tensão na área, relaxar os músculos e aliviar um pouco a dor, além de nos ajudar a detectar a gravidade da lesão.

No caso de o alongamento não aliviar a dor, a região da virilha começar a inchar e os hematomas começarem a aparecer, é preciso consultar um médico imediatamente. A consulta também é importante se houver dificuldade para caminhar.

2. Gelo e compressas frias

O gelo é uma solução que temos à mão para reduzir a inflamação decorrente de uma lesão. No caso da distensão na virilha, podemos aplicar gelo ou compressas frias por dois ou três dias. É aconselhável não aplicar o gelo diretamente sobre a área, pois ele pode queimar a pele.

Se depois de dois ou três dias a lesão na virilha não melhorar, se for difícil andar sem dor e se houver uma sensação de pontadas na área afetada, é preciso consultar um médico. O especialista vai nos ajudar a tratar essa lesão da melhor maneira para que ela comece a melhorar.

 
  • A.I. Macías Jiménez, A.M. Águila Maturana. 2003. Efectos de la crioterapia en la espasticidad.
    Fisioterapia. https://doi.org/10.1016/S0211-5638(03)73032-6.
    (http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0211563803730326)
  • Algafly AA, George KP. 2007. The effect of cryotherapy on nerve conduction velocity, pain threshold and pain tolerance. British Journal of Sports Medicine.
  • Lesiones deportivas frecuentes. 2003. Acta Pediátrica Costarricense. http://www.scielo.sa.cr/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1409-00902003000200006&lng=en&tlng=es.
  • Stephanie Watson. How to Manage Sore Muscles and Joint Pain. WebMD. https://www.webmd.com/fitness-exercise/features/art-sore-muscles-joint-pain#1