Pimenta do reino, fantástica para a sua saúde

· 20 de agosto de 2013
Suas sementes são usadas há séculos como condimento e na medicina popular, em preparações de cataplasmas, pomadas e cremes para o tratamento de diversos problemas de saúde.

Você conhece as propriedades incríveis da pimenta do reino, também chamada de pimenta preta?

Somos presenteados pela natureza com uma variedade incrível de especiarias, produtos que não apenas dão sabores espetaculares aos pratos como também contêm componentes extremamente benéficos para nosso organismo.

Assim, no caso da pimenta do reino, trata-se de um ingrediente formidável para temperar pratos e de quebra reduzir o uso de sal nos mesmos.

A pimenta do reino confere à comida esse sabor picante e aromático, tão característico, mas também traz vantagens para a saúde por funcionar como um estimulante natural das secreções gástricas. Dessa forma, favorece os processos digestivos que se dão no estômago.

Mas, esse não é o único ponto favorável para nosso organismo, os benefícios dessa especiaria são surpreendentes e o melhor é que as descobertas a respeito continuam.

Benefícios da pimenta do reino

benefícios da pimenta do reino

Leia também: 5 remédios com pimenta que não conhecia

A seguir, compartilhamos algumas de suas interessantes propriedades:

  • A pimenta do reio tem antioxidantes, que colaboram na luta contra o câncer, problemas de fígado e doenças cardiovasculares.
  • Ajuda a eliminar gorduras e, portanto, a perder peso.
  • Alivia sintomas de resfriados e processos respiratórios.
  • A pele se beneficia da piperina presente na pimenta e que ajuda na criação de pigmentos.
  • A pimenta é um poderoso elemento antibacteriano que ajuda na luta do nosso organismo contra infecções de todo tipo.
  • Previne de forma eficaz a retenção de líquidos, favorecendo sua eliminação através de suor e urina.
  • Também é possível preparar um chá (suave) com base em pimenta negra e consumi-lo como remédio caseiro para tosse.
  • Contém um óleo essencial, que pode ser utilizado externamente para aliviar a dor causada por artrite reumatoide. Tem um efeito de aquecimento e suave ação analgésica.

Outros dados interessantes

A pimenta do reino se apresenta de várias formas: em grão inteiro, em grãos moídos e em pó. O que é responsável pelo potencial da pimenta é a piperina e quando a pimenta é moída grande, parte desse componente se perde. Portanto, o melhor é sempre comprar e utilizar em grãos, ou seja, o mais natural possível.

Além disso, ao comprarmos a pimenta inteira, nos asseguramos de que a mesma não contém aditivos, os quais costumam agregar quando a pimenta é em pó.

Para garantir uma pimenta pura, recomenda-se escolher os grãos que são redondos, pesados e de aspecto compacto. É necessário também armazenar esses grãos à temperatura ambiente. Porém, caso você prefira utilizá-la moída, recomendamos guardar em um recipiente hermético no frigorífico.

A pimenta do reino é ideal para preparar remédios caseiros

E saiba mais: Remédio com limão, azeite de oliva e pimenta-do-reino

Outro detalhe a se levar em conta é que, se moermos a pimenta instantes antes de consumi-la, poderemos aproveitar melhor a piperina.

Ainda assim, lembre-se de que não é recomendado adicioná-la aos alimentos durante o cozimento, a temperatura alta faz com que a pimenta perca boa parte de seu aroma, sabor e teor de vitamina C.

É óbvio que a pimenta do reino é uma especiaria muito apreciada na cozinha. Além disso, tem muitas propriedades mais favoráveis para a nossa saúde.

Em suma, ela pode nos ajudar a evitar doenças e melhorar as defesas de nosso sistema imunológico.

Imagem oferecida por thanunkorn – freedigitalphotos.net

Bertin Carnevalli, D., & Paula Serra de Araújo Resumo, A. (2013). Atividade Biológica da Pimenta Preta (Piper nigrun L.): Revisão de Literatura Biological Activity of Black Pepper (Piper nigrun L.): Literature Review. UNICIÊNCIAS.

Ferreira, W. S., Franklim, T. N., Lopes, N. D., & De Lima, M. E. F. (2012). Piperina, seus análogos e derivados: Potencial como antiparasitários. Revista Virtual de Quimica. https://doi.org/10.5935/1984-6835.20120018