Pimenta dedo-de-moça contra o câncer: o milagre da capsaicina

· 16 de janeiro de 2014
Ao combiná-la com a cafeína, podemos potencializar os efeitos anticancerígenos da capsaicina. Se não gostarmos de seu sabor picante, ela também pode ser ingerida em forma de cápsulas.

Há muitos anos acontece uma busca incessante dos laboratórios de pesquisas por substâncias que possam vencer o câncer.

No entanto, até agora nenhuma demonstrou tal capacidade do ponto de vista médico-científico (outra coisa é a evidência empírica de que existe, em diferentes povos, a efetividade de determinados tratamentos naturais).

Mas isso foi até agora, pois há pouco tempo vem sendo constatada a presença de algumas substâncias ou plantas , como a pimenta dedo-de-moça e a graviola, que vêm demonstrando eficácia para frear e até curar este mal pandêmico.

Em diversos estudos, uma substância da pimenta dedo-de-moça demonstrou seu poder anticancerígeno em cultivos de células de câncer de pulmão e pâncreas humano.

Também demonstraram que uma dose desta substância induz a morte das células cancerígenas, não apresentando o mesmo efeito nas células normais.

A substância que estudaremos encontra-se nas populares pimentas dedo-de-moça, pimenta cumari ou cambuci.

Em suma, nós nos referimos àquela variedade de pimentas que contêm um especial teor picante.

Seu potencial anticancerígeno deve-se à capsaicina, uma substância que produz “o suicídio” das células cancerígenas. Sua ação pode não somente frear, mas também erradicar o câncer.

O que é e como é produzido o efeito da capsaicina?

Ao longo deste artigo, vamos explicar com mais detalhes a forma como podemos usar estes alimentos que contêm a capsaicina, além de explicar como incorporá-los em nossa dieta com as quantidades suficiente para prevenir e, até mesmo, curar o câncer.

Ação da capsaicina contra o câncer

A capsaicina pertence a uma família de moléculas chamadas vanilóides. Tais moléculas produzem a morte das células cancerígenas.

Essa substância se agarra, literalmente, às proteínas de uma organela muito importante das células, as mitocôndrias, e provoca a morte dessas organelas.

Mas, o mais impressionante é que ela não somente mata as células cancerígenas, como também não danifica as células que rodeiam o tumor, que estão saudáveis ou são normais.

O que diferencia as mitocôndrias das células cancerígenas das células normais é que elas apresentam uma bioquímica completamente diferente.

Essa é uma das razões fundamentais desta seletividade de ação da capsaicina. Esta vulnerabilidade é inata e específica para as células cancerígenas.

Em consequência, o consumo dessa substância, presente em altas doses nas pimentas jalapenho, na dedo-de-moça e em outros tipos de pimentas muito picantes, é altamente recomendável para iniciar um reforço de nosso sistema na prevenção do câncer em geral.

Como estas substâncias (os vanilóides) são encontradas em muitos alimentos, as previsões farmacêuticas são de que poderão obter algum medicamento de forma rápida e a baixo custo.

Mas, enquanto isso, o Cancer Research UK recomenda reduzir o risco de câncer com uma dieta saudável, balanceada e abundante em frutas e vegetais.

Atualmente, existem fórmulas que usam a capsaicina para os tratamentos tópicos da tensão muscular e da psoríase, o que possibilita utilizá-la também, para o tratamento do câncer de pele.

A capsaicina

A capsaicina, o princípio picante da pimenta dedo-de-moça, conduz as células do tumor de próstata à autodestruição.

Segundo um estudo recente, realizado na Universidade da Califórnia (Centro Médico Cedars-Sinaí), foi descoberto que este componente produz a ativação da morte celular programada ou suicídio celular (também chamado de apoptose) em 80% da população das células tumorais do câncer de próstata.

Dessa forma, reduz o tamanho dos tumores à quinta parte dos tumores não tratados.

Segundo esse estudo, para alcançar o desejado efeito anticancerígeno, uma pessoa de 90 kg deve ingerir, aproximadamente, 400 mg de capsaicina 3 vezes na semana.

O estudo supõe a ingestão de três a oito pimentas dedo-de-moça frescas.

Mas atenção: essas pimentas são as que apresentam o maior conteúdo de capsaicina, aumentando o grau de pungência, segundo a escala Scoville, em mais de 300.000 unidades. Ou seja, estas pimentas são muito apimentadas e pode ser que seu paladar não suporte.

Para se ter uma ideia, outras variedades, como a pimenta-jalapenho, podem conter somente entre 2.500 e 8.000 unidades Scoville.

Leia também: Pomada de pimenta caiena para tratar as varizes

Explicaremos com um pouco mais de detalhes qual é o mecanismo pelo qual a dedo-de-moça atua inibindo ou matando o câncer:

Como usar a dedo-de-moça para prevenir o câncer

pimenta dedo-de-moça

A apoptose ou morte celular é um fenômeno normal que se produz nos tecidos e órgãos de nosso corpo. Graças a esse processo, existe um equilíbrio entre as células novas e aquelas que são mais velhas ou estão deterioradas.

No entanto, as células cancerígenas se tornam imortais, pois escapam geneticamente dos mecanismos moleculares de apoptose.

Os cientistas observaram que a capsaicina inibiu a atividade de um mecanismo molecular, que é alterado nas células cancerosas (o NF-kappa Beta) e que, em condições normais, participa na apoptose ou morte celular em muitos tipos de células.

A regulação defeituosa do NF-kB por parte das células cancerígenas é uma das razões que promovem sua eterna sobrevivência.

O componente picante da dedo-de-moça reduziu também a formação de uma proteína que, com frequência, é produzida em altas quantidades pelos tumores de próstata e pode indicar a presença do tumor nos homens. Esta proteína é conhecida como antígeno prostático específico (PSA).

Dieta ou cardápio para lutar contra o câncer

Vendo as maravilhosas propriedades dos alimentos apimentados antes que contêm a capsaicina, se quisermos ajudar na luta contra o câncer ou preveni-lo, temos que incorporar em nossa alimentação a maior quantidade de hortaliças que a contenha. Isto é, as pimentas e o gengibre.

Lembre-se de que quanto mais apimentada for a pimenta, maior é a concentração de capsaicina. Não se esqueça também de que o ideal é que tais alimentos sejam consumidos crus, pois dessa maneira todas as propriedades são conservadas.

  • Pimentas dedo-de-moça. São a fonte mais potente e conhecida de capsaicina e algumas apresentam a pungência mais alta da escala picante de Scoville, como as jalapenhos.
  • Molho Tabasco. Este molho comercial é feito com pimentas da variedade Tabasco, do estado mexicano de mesmo nome, com adição de vinagre e sal. Bastam apenas umas gotas em sua refeição para acontecer uma festa na sua língua.
  • Cominho. Ainda que menos picante que os anteriores, contém capsaicina e pode dar grande sabor aos seus legumes, além de ser o ingrediente principal do molho canário.
pimenta dedo-de-moça

  • Curry. Um dos ingredientes principais é o açafrão, que dá a coloração amarela e que contém pequenas quantidades de capsaicina.

Leia também: 4 guisados veganos para deliciar o paladar

A capsaicina é reforçada com a cafeína de forma sinérgica, ou seja, a combinação das duas ajuda ainda mais na prevenção e cura do câncer, além de também queimar gorduras.

Se a ideia de acrescentar pimenta no café não parece atraente, você pode tomar capsaicina e cafeína em cápsulas e se poupar do sabor picante na língua. Mas não se livrará do suor.

  • Rêgo, E. R., Finger, F. L., & Rêgo, M. M. (2012). Consumption of pepper in brazil and its implications on nutrition and health of humans and animals. Pepperrs: Nutrition, Consumption and Health.

  • Mori, A., Lehmann, S., O’Kelly, J., Kumagai, T., Desmond, J. C., Pervan, M., … Koeffler, H. P. (2006). Capsaicin, a component of red peppers, inhibits the growth of androgen-independent, p53 mutant prostate cancer cells. Cancer Research. https://doi.org/10.1158/0008-5472.CAN-05-0087

  • Lin, C. H., Lu, W. C., Wang, C. W., Chan, Y. C., & Chen, M. K. (2013). Capsaicin induces cell cycle arrest and apoptosis in human KB cancer cells. BMC Complementary and Alternative Medicine. https://doi.org/10.1186/1472-6882-13-46