Como perder peso quando se tem hipotireoidismo

13 Outubro, 2020
Devemos evitar os alimentos que dificultem a absorção de iodo e priorizar o consumo daqueles ricos em fibras, que reduzem o apetite e apoiam a função metabólica.

Quem sofre de hipotireoidismo deve saber que este é um dos transtornos que afetam a glândula tireoide. Trata-se da responsável pelo metabolismo e também por liberar vários hormônios importantes para o funcionamento do corpo.

Essa condição ocorre quando não é produzida uma quantidade suficiente do hormônio da tireoide, resultando em uma diminuição do ritmo do metabolismo e, portanto, em uma maior dificuldade para manter um peso adequado e estável.

Na maioria dos casos, afeta as mulheres, especialmente depois dos 50 anos de idade. No entanto, também pode ocorrer em idades jovens e alguns homens também podem desenvolvê-la.

A causa mais comum dessa doença é a inflamação que danifica as células da glândula da tireoide. Além disso, também pode ter origem em uma resposta do sistema imunológico, infecções virais ou gravidez.

Muitos dos diagnosticados pensam que só lhes resta resignar-se a ganhar peso e sofrer outras alterações em sua saúde. No entanto, foi demonstrado que, através da adoção de hábitos de vida saudáveis, ​​é possível compensar os efeitos negativos e evitar a perda de qualidade de vida.

A seguir, vamos compartilhar alguns conselhos e dados interessantes sobre esse tema. Tome nota!

Conselhos para melhorar a alimentação

Após receber o diagnóstico de hipotireoidismo, é necessário modificar os hábitos de vida e, especificamente, a alimentação, que será o ponto principal para não ganhar quilos a mais.

A ideia é ir perdendo peso progressivamente, mas mantendo uma dieta de acordo com as necessidades do organismo para poder chegar a um patamar saudável e estável.

Segundo os especialistas da Fundação Espanhola do Coração, não existe uma única dieta ideal para o hipotireoidismo. No entanto, uma alimentação variada, equilibrada e completa, pobre em gorduras, pode ser benéfica para os pacientes.

Também destacam a importância de consultar um nutricionista para obter uma dieta personalizada, de acordo com as necessidades do organismo e em função dos objetivos pessoais a curto, médio e longo prazo.

Em linhas gerais, a dieta deve ser pobre em gordura e pode incluir alimentos ricos em iodo, para obter maiores benefícios.

1. Escolher gorduras saudáveis 

Como perder peso quando se sofre de hipotireoidismo

Não se trata de excluir completamente as gorduras da dieta, mas de escolher aquelas que são saudáveis ​​e fáceis de metabolizar. Algumas das mais recomendadas são:

  • Carnes magras.
  • Peixes brancos.
  • Azeite de oliva.
  • Sementes.

2. Consumir farinha integral quando se tem hipotireoidismo

Todos os alimentos que contêm farinha refinada terão que ser substituídos por farinha integral.

  • Todos os alimentos integrais são muito mais saudáveis e, além disso, previnem o acúmulo de gordura e o aumento de açúcar no sangue.

3. Aumentar o consumo de água

Uma boa hidratação é essencial para se manter saudável.

O consumo diário de água é fundamental para evitar a desidratação e, além disso, promover a expulsão de resíduos. Nunca se deve substituí-la por bebidas industrializadas de qualquer tipo.

4. Preparar jantares leves

Comer antes de dormir não é uma boa ideia, muito menos se os escolhidos forem alimentos difíceis de digerir. Por isso, quando se tem hipotireoidismo, o ideal é cozinhar algo leve, pobre em gorduras e proteínas. Também é recomendável comer entre 2 e 3 horas antes de se deitar.

5. Evitar certos alimentos

Existem alguns alimentos que é melhor começar a evitar, pois contêm substâncias bociogênicas, que inibem a absorção de iodo e influenciam o mau funcionamento da glândula da tireoide.

Entre esses alimentos, podemos citar o milho, a soja, o trigo, o melão, o abacate, a laranja, o rabanete, o amendoim, a couve-de-bruxelas, a couve-flor e o brócolis.

6. Comer mais fibras

Os alimentos ricos em fibras são essenciais para todas as pessoas que lutam contra o hipotireoidismo.

  • As fibras apoiam a função digestiva e, além disso, promovem o movimento intestinal para evitar a prisão de ventre e a inflamação.
  • Além disso, há evidências de que a fibra reduz o apetite e desempenha um papel importante na função metabólica.

7. Fazer exercícios regularmente

Para complementar os efeitos da dieta e conseguir emagrecer, é essencial adotar uma rotina diária de exercícios que dure, pelo menos, 40 minutos.

Em alguns casos as pessoas reduzem seu desempenho físico, mas isso não significa que elas não possam se exercitar.

Um plano de atividades físicas de baixo impacto normalmente gera efeitos positivos nesses pacientes. Alguns bons exercícios incluem:

  • Nadar
  • Correr ou trotar
  • Levantar pesos
  • Andar de bicicleta
  • Caminhar a passos rápidos

8. Evitar fazer jejum

Muitas pessoas acreditam que o jejum é uma maneira fácil de reduzir a ingestão diária de calorias. No entanto, pensar isso é um grande erro, porque todas as manhãs o corpo precisa ser recarregado de energia para funcionar durante o dia.

Ignorar a primeira refeição do dia desacelera ainda mais o metabolismo, nos impede de começar o dia com energia e aumenta a ansiedade por comer entre as refeições.

Disciplina e constância, aspectos imprescindíveis

Lembre-se de que a motivação desempenha um papel fundamental quando se trata de conquistar qualquer objetivo e manter o bem-estar. Por isso, é necessário mantê-la. Para isso, a disciplina e a constância serão imprescindíveis.

Com uma boa motivação, você poderá manter ao longo do tempo bons hábitos de vida, um peso saudável e uma boa condição física em geral.

  • Sanyal, D., & Raychaudhuri, M. (2016). Hypothyroidism and obesity: An intriguing link. Indian Journal of Endocrinology and Metabolism20(4), 554. https://doi.org/10.4103/2230-8210.183454
  • Dunn, D., & Turner, C. (2016). Hypothyroidism in Women. Nursing for Women’s Health. Elsevier. https://doi.org/10.1016/j.nwh.2015.12.002
  • Pearce, E. N. (2012, October). Thyroid hormone and obesity. Current Opinion in Endocrinology, Diabetes and Obesity. https://doi.org/10.1097/MED.0b013e328355cd6c