Perda da consciência, por que pode acontecer?

23 Novembro, 2019
A perda de consciência é um quadro clínico que ocorre com frequência relativa. Suas causas podem ser simples e sem risco de vida ou com risco de vida. Neste artigo explicaremos em detalhes por que isso pode acontecer.

A perda da consciência também é conhecida como perda dos sentidos. São expressões equivalentes na medicina que definem o mesmo quadro clínico de uma maneira ou de outra.

Ambas as definições são válidas porque uma perda de consciência é uma desconexão da consciência com a realidade. A pessoa que a sofre perde a percepção do que está ao seu redor e a desconexão consigo mesma.

O mecanismo básico que é comum em todas as causas de perda de consciência é a falta de irrigação cerebral adequada. Isso significa que o sangue não chega ao cérebro por um momento, e ocorre a desconexão com a realidade.

Uma situação especial na perda de consciência é a síncope, comumente conhecida como desmaio, uma vez que a pessoa se recupera espontaneamente. A recuperação espontânea acontece porque quando acontece o desmaio o corpo cai na horizontal, e isso favorece a chegada de sangue ao cérebro novamente. Em termos estritos, uma síncope é uma perda de consciência de origem cardíaca.

A imagem é relativamente frequente. Estima-se que nas consultas de emergência, três por cento correspondam à síncope. Como suas causas podem ser de baixo risco ou perigosas, as dividimos aqui em cardíacas e não cardíacas para explicá-las melhor a você.

Causas não cardíacas de perda da consciência

Síncope vasovagal

Começamos com a mais frequente de todas as causas.  O reflexo vasovagal é uma resposta involuntária do sistema nervoso a um certo estímulo, que causa uma vasodilatação imediata, queda da pressão arterial e redistribuição do sangue para os membros inferiores.

Às vezes, são provocadas por uma situação estressante, dores no corpo muito intensas, desidratação ou temperaturas extremas.

Mudanças de postura

Quando mudamos rapidamente da posição horizontal para a vertical, sem dar tempo ao corpo para ativar os mecanismos de compensação, ocorre a hipotensão.

Ou seja, a pressão sanguínea diminui, e o sangue, como na síncope vasovagal, é distribuído nos membros inferiores, deixando de irrigar adequadamente o cérebro naquele momento.

Enxaqueca

As dores de cabeça intensas, do tipo enxaqueca, podem ser acompanhadas por sintomas conhecidos como auras. Entre as auras da enxaqueca está a perda de consciência, que geralmente é momentânea.

Hipoglicemia

A diminuição dos valores de glicose no sangue pode causar a perda de consciência. Essa situação é comum entre os diabéticos em tratamento que, devido a alterações na dieta ou na aplicação de medicamentos, tem uma diminuição dos níveis de glicose no sangue.

Anti-hipertensivos

A pessoa que sofre de pressão alta é geralmente medicada com diferentes drogas de efeitos diversos. Entre os mecanismos de ação desses medicamentos está a perda de líquido através do aumento da urina e vasodilatação. Ambos os processos podem baixar demais a pressão sanguínea e causar perda de consciência ou desmaio.

Acidente vascular cerebral pode provocar perda da consciência

Perda da consciência, por que pode acontecer?

A dor de cabeça pode ser o sintoma inicial antes da perda de consciência

Continue lendo: 8 alimentos que podem ajudar a prevenir o AVC ou derrame cerebral

Causas cardíacas da perda da consciência

Arritmias

As arritmias são doenças nas quais o coração bate de forma irregular e anormal. Mediante dessas batidas irregulares, pode haver uma situação em que não chegue sangue suficiente ao cérebro por um momento, curto ou prolongado. Aí ocorre a síncope ou perda de consciência.

Problemas aórticos

A artéria aorta é a principal artéria do organismo, encarregada de distribuir o sangue do coração para o resto do corpo humano. Se esta artéria tiver algum problema, pode diminuir o fluxo sanguíneo para o organismo.

Como o cérebro está acima do nível do coração, e requer uma boa pressão sanguínea para irrigá-lo. Doenças como a dissecção aórtica ou os aneurismas da aorta geralmente têm como primeiro sintoma a perda de consciência.

Miopatias cardíacas

Se o coração alterou o músculo que o forma, estamos falando de cardiomiopatia. Uma situação comum é que a área do ventrículo esquerdo seja aumentada, que é encarregada de bombear o sangue para a aorta para distribuí-lo. Nesses casos, pode acontecer o mesmo mecanismo que descrevemos ao falar sobre problemas aórticos.

Valvopatias

Probelmas de coração e desmaio

As cavidades internas do coração se comunicam entre si através de válvulas que permitem que o sangue circule em uma direção, sem refluxo. Às vezes, essas válvulas são insuficientes ou estão mais fechadas do que deveriam. Por não fazerem seu trabalho, a quantidade de sangue que finalmente alcançará o cérebro é afetada.

Não deixe de saber sobre: 8 sinais de doenças cardíacas que não devemos ignorar

O que fazer quando há perda da consciência?

Como vimos, devido às variadas causas de perda de consciência que podemos testemunhar, é sempre necessário estar atento. Pode ser um desmaio banal, sem grandes repercussões, ou ser um aviso de doença cardíaca.

Em caso de dúvida, o importante é consultar um profissional médico para realizar os exames complementares necessários. Geralmente, a consulta ocorre algum tempo depois de sofrer o quadro clínico, quando o paciente já se recuperou.

No entanto, se a perda de consciência for repentina, sem explicação imediata e sem recuperação da pessoa ao desmaiar, um serviço de emergência deve ser chamado. Pois pode se tratar de um acidente vascular cerebral ou insuficiência cardíaca.

 

  • Herrera, Diego, et al. “SÍNCOPE/LIPOTIMIA.” Manual médico SALUDESA 1.1 (2016).
  • Guías de Práctica Clínica sobre el manejo (diagnóstico y tratamiento) del síncope. Actualización 2004 *. Versión resumida. (2005) Revista Española de Cardiología, 58 (2), 175-193. https://doi.org/10.1157/13071892.
  • Arribas, F., Barón-Esquivias, G., Coll Vinent, B., Rodríguez Entem, F., Martínez Alday, J., Ángel, MB, Núria, RG, Jiménez Candil, J., Ruiz Granell, R., José Miguel, O., José Luis, M., Peinado, R., Moya, Á., Díez Villanueva, P., Bonanad, C., García Pardo, H., Toquero, J., Atienza, F., Beiras , X., … Viana Tejedor, A. (2018). Comentarios a la guía ESC 2018 sobre el diagnóstico y el tratamiento del síncope. Revista Española de Cardiología, 71 (10), 787–793. https://doi.org/10.1016/j.recesp.2018.06.018.
  • Araya-Gómez, Vivien. (2001) Síncope neurocardiogénico. Acta Médica Costarricense , 43 (1), 11-19. Recuperado el 19 de junio de 2020, de http://www.scielo.sa.cr/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0001-60022001000100004&lng=en&tlng=es.
  • José Luis Zamorano, Juan Mayordomo, Arturo Evangelista, José Alberto San Román, Camino Bañuelos, Manuel Gil Aguado (2000). Guías de práctica clínica de la Sociedad Española de Cardiología en enfermedades de la aorta. Sociedad Española de Cardiología. https://www.revespcardiol.org/es-guias-practica-clinica-sociedad-espanola-articulo-X0300893200095085.
  • Cáceres Toledo, María, La O Lozano, Yarlins, González Espinosa, Luis, & Olivera Leal, Irma R. (2005). Estudio oftalmológico de la migraña con aura visual. Revista Cubana de Oftalmología18(1) Recuperado en 19 de junio de 2020, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21762005000100007&lng=es&tlng=es.
  • Terwindt, G., Ophoff, R., Haan, J., Frants, R. y Ferrari, M. (1996). Migraña hemipléjica familiar: una comparación clínica de familias unidas y no unidas al cromosoma 19. Cefalalgia, 16 (3), 153-155. https://doi.org/10.1046/j.1468-2982.1996.1603153.x.