Alívio de enxaquecas com o yoga: funciona?

Graças a prática de determinadas posturas de yoga é possível liberar as tensões e o estresse causadores da enxaqueca e das dores de cabeça recorrentes.
Alívio de enxaquecas com o yoga: funciona?

Última atualização: 06 setembro, 2019

As enxaquecas são dores de cabeça que geralmente incluem náuseas e sensibilidade à luz. No geral, as pessoas que sofrem com enxaquecas as sentem com regularidade em um lado de sua cabeça. Não é uma simples dor de cabeça; é duradoura e muito difícil de aliviar. No entanto, os medicamentos não são a única opção: a prática do yoga pode ajudar no alívio de enxaquecas.

O que são as enxaquecas?

As enxaquecas são mais comuns em mulheres do que em homens. O primeiro episódio pode aparecer entre os 10 e os 45 anos de idade. Podem durar desde duas horas até três dias e são causadas por atividade cerebral anormal. Isso, por sua vez, pode ser consequência de muitos fatores, como por exemplo:

  • Mudanças nos padrões de sono
  • Cheiros, sons fortes e luzes brilhantes
  • Fumar
  • Má alimentação
  • Ingerir álcool
  • Mudanças hormonais
  • Alimentos como chocolate, produtos lácteos, amendoim
  • Estresse físico, mental e emocional
Fumar pode causar o aparecimento de fios brancos

Esta última causa pode ser combatida com a prática do yoga, já que é uma atividade que traz muitos benefícios, assim como ajuda a relaxar.

Lise Bourbeau, em seu livro “Obedeça seu corpo”, fala sobre a causa emocional da enxaqueca. Afirma que “no geral, manifesta-se naquele que não se concede o direito de ser o que quer. Aparecem na pessoa que se sente culpada por se atrever a questionar os que têm muita influência sobre ela”. 

Além disso, a autora recomenda pensar na pessoa que você queria ser caso todas as circunstâncias que te rodeassem fossem as ideais. No entanto, seja qual for a causa da enxaqueca, o que mais queremos é que a dor vá embora. Às vezes, nem sequer os medicamentos funcionam e somente desejamos ficar deitados na cama, o que não soluciona o problema.

A boa notícia é que há uma maneira de evitar chegar até esse extremo. Normalmente, a enxaqueca é precedida de muitos sintomas: enjoos, sonolência, rigidez muscular ou mudanças de humor. Caso você seja uma pessoa que sofra frequentemente com enxaquecas, saberá reconhecer estes sinais. É então que chega o momento de agir!

Alívio da enxaqueca inclusive antes mesmo de começar com a prática do yoga

É possível deter a enxaqueca antes de que ela comece. Como? Esse é o momento em que entra em jogo a prática do yoga. Em suma, fazer uma sessão com certas posturas te confirmará que o yoga alivia enxaquecas. Estes são os nomes de algumas das posições que você poderá começar a praticar para se despedir dessas incessantes dores de cabeça:

  • O menino (Balasana) com as mãos esticadas para frente
  • Cachorro de barriga para baixo (Adho Mukha Svanasana)
  • Postura das pernas esticadas (Prasarita Padottanasana)
  • Flexão de pé para frente (Uttanasana)
  • Cabeça sobre o joelho (Janusirsasana)
  • A pinça (Paschimottanasana)
  • Postura de Marichi (Marichyasana III)
  • Cachorro ascendente (Urdhva mukha svanasana)
  • A ponte (Setu Bandha Sarvangasana)
  • O cadáver (Savasana)

Por que a prática do yoga proporciona o alívio de enxaquecas?

Grupo fazendo yoga

A explicação científica pela qual a prática de yoga alivia enxaquecas se baseia na respiração profunda e no relaxamento que é praticado durante uma sessão. Em suma, esta regular a pressão arterial, o que alivia a dor. Por isso, a prática constante de yoga pode melhorar o rendimento cardiorrespiratório. Além disso, poderá ajudar com outras técnicas para combater a enxaqueca quando esta já tenha aparecido, como a 4-7-8 para conciliar o sono.

Além disso, foi demonstrado que 40 minutos de exercício, no mínimo três vezes por semana, previne as enxaquecas. E não podemos esquecer que fazer yoga se qualifica como um exercício. É importante a conexão com si mesmo durante todas as sessões de yoga, seja qual for o propósito de sua prática. Dessa maneira, é bom se concentrar em fazer corretamente as posturas e ao mesmo tempo aprender a dominar a mente.

É importante, ainda, ter a intenção consciente de se relaxar, soltar e deixar ir as emoções, lembranças e pensamentos negativos que produzem a tensão muscular. Lembre que as dores corporais são uma mensagem do corpo e é importante escutá-lo.

É melhor fazer yoga para o alívio de enxaquecas do que consumir medicamentos?

Mulher flexível praticando ioga para o alívio de enxaquecas

Existem pesquisas nas quais se demonstra que até 50% dos pacientes com enxaqueca crônica, nos Estados Unidos, apresentam este problema por causa do abuso dos medicamentos para a dor de cabeça. Além disso, está a dependência que certos químicos podem causar no organismo. Dessa maneira, este é um ponto a favor do yoga. Esta disciplina é uma atividade física e mental que não produz efeitos secundários.

Comentários finais

Por fim, a prática do yoga pode ajudar no alívio de enxaquecas. Além disso, ao praticá-lo, estará desfrutando de benefícios adicionais. Em resumo, o yoga fornece uma boa saúde física, mental e emocional. No entanto, queremos lembrar de procurar o médico para um adequado acompanhamento dessa condição física.

This might interest you...
Como lidar com as crises de enxaqueca?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Como lidar com as crises de enxaqueca?

A enxaqueca caracteriza-se por uma dor pulsante em um dos lados da cabeça. Veja como aliviar os incômodos das crises de enxaqueca de maneira natura...



  • Del Monaco, R. “Dolores de cabeza, síntomas y enfermedad: un abordaje social sobre la construcción clínica de la migraña.” Intersecciones en antropología 13.2 (2012): 501-511.
  • Del Monaco, R. “Autocuidado, adherencia e incertidumbre: tratamientos biomédicos y experiencias de pacientes en el dolor crónico de la migraña.” Salud colectiva 9 (2013): 65-78.
  • Pedra, M. “Eficacia de las terapias conductuales en el tratamiento de la migraña.” Revista de psicología general y aplicada: Revista de la Federación Española de Asociaciones de Psicología 45.2 (1992): 191-199.