O que é o pensamento sistêmico?

O pensamento sistêmico nos permite abordar a realidade de uma forma interacional, dinâmica e complexa. Quer saber mais sobre isso?
O que é o pensamento sistêmico?

Última atualização: 05 Setembro, 2021

Existem diferentes maneiras de interpretar as informações. Enquanto alguns isolam um dado e procuram pensar sobre suas características individuais, há aqueles que tentam tirar alguma conclusão geral sobre ele. Por outro lado, aqueles que são governados pelo pensamento sistêmico tentarão encontrar as conexões entre esses dados e outros, com base na ideia de que eles fazem parte de um conjunto maior.

Então, o que exatamente é esse tipo de pensamento? Por que é usado na terapia familiar e de casais? A seguir, esclarecemos essas questões e contamos quais são as suas vantagens. Continue lendo!

O que é o pensamento sistêmico?

O pensamento sistêmico é um tipo de pensamento que está interessado nas inter-relações entre os componentes de um conjunto, o que é chamado de “sistema”. Ele considera que o todo é mais do que a soma das partes, por isso seu interesse está focado no todo.

Esta abordagem teórica se baseia em várias disciplinas e teorias, como biologia, engenharia, teoria da comunicação, entre outras. Um de seus precursores é Ludwig Von Bertalanffy, biólogo que criou a Teoria Geral dos Sistemas.

Mais tarde, na escola de Palo Alto, o antropólogo Bateson, junto com outros colaboradores, estudou a dinâmica das famílias com um membro com esquizofrenia e criou a chamada “teoria do duplo vínculo”

Este pensamento também recebe contribuições da engenharia e da cibernética, ao considerar fluxos de informação e processos de comunicação segundo os axiomas de Watzlawick. Portanto, a teoria sistêmica é considerada uma metateoria. Desse modo, deu-se o início da Psicologia Sistêmica, que continuou a evoluir.

O que é o pensamento sistêmico?
O pensamento sistêmico entende a realidade como um sistema de objetos interconectados.

Principais características

Alguns dos princípios ou características do pensamento sistêmico estão relacionados ao seguinte:
  • As pessoas fazem parte de diferentes sistemas, que influenciam sua forma de ser e se comportar.
  • Os sistemas funcionam de forma complexa e dinâmica, perseguem objetivos e são organizados por hierarquias. Eles também tendem a um equilíbrio dinâmico.
  • Esses sistemas podem ser fechados ou abertos, dependendo da sua permeabilidade para a troca de informações entre o interior e o exterior.
  • O pensamento sistêmico está interessado nas conexões, relacionamentos e padrões que são estabelecidos entre os sistemas em si e entre seus elementos. Portanto, sua abordagem não é do estilo estímulo-resposta, nem linear, mas complexa e inter-relacional.
  • Ao abordar um problema, entende que não apenas o sistema imediato deve ser levado em consideração, mas as influências podem vir ou estar presentes em sistemas mais distantes ou maiores.
  • É caracterizada pela multicausalidade e circularidade nas explicações das causas que originam ou sustentam um problema. A visão nunca é linear porque considera que todos os elementos do sistema se afetam a partir de uma ação.
  • Ele tem uma visão construtivista da realidade, ou seja, nada é dado.

Quais são as suas vantagens?

O pensamento sistêmico oferece inúmeras vantagens, mas uma das mais importantes diz respeito à sua visão geral ou total, que permite uma leitura a partir da complexidade.

Além disso, com base nas informações de diferentes fontes (ou sistemas), você pode acessar uma multiplicidade de pontos de vista. Isso possibilita um melhor entendimento de uma situação ou fenômeno para orientar a tomada de decisão.

Nesse sentido, a realidade é uma rede de relações. Logo, a abordagem sistêmica tem muito a contribuir e dizer sobre ela, uma vez que não a “isola” e nem se concentra em um único aspecto. A nível organizacional, por exemplo, facilita a visão estratégica e global.

Exemplos de pensamento sistêmico

Conforme mencionado, o pensamento sistêmico é usado em diferentes áreas. Se pensarmos no ambiente clínico, uma abordagem tipicamente sistêmica tem a ver com “o paciente designado”. Este é o portador do sintoma e é ele que “condensa” ou expressa uma situação muito maior do que ele.

Por exemplo, em uma família, quando uma das crianças começa a apresentar uma alergia e doenças físicas, a partir do pensamento sistêmico, ela se perguntará o que mais aquele sintoma significa. Ou seja, o que é que vem expressar. Em alguns casos, uma possível resposta tem a ver com a separação dos pais.

Agora, se considerarmos o pensamento sistêmico no campo organizacional, diante das reclamações recorrentes na área de vendas, a solução não será apenas perguntar o que está acontecendo naquela área, ou fazer ajustes nela.

A partir disso, haverá uma preocupação em identificar todos os demais atores envolvidos, as relações entre eles e como mantêm ou dificultam a situação. Assim, o desempenho de uma organização depende de todos os elementos que a compõem.

Exemplos de pensamento sistêmico
O pensamento sistêmico permite que você considere vários pontos de vista.

O pensamento sistêmico aborda a complexidade

O pensamento sistêmico não nega a particularidade das pessoas. Em absoluto. Sua orientação é ver a pessoa “em relação a”, ou seja, como parte de um ambiente que a influencia. Faz isso sempre respeitando a singularidade das partes e do todo.

Por fim, uma das suas maiores contribuições é a complexidade com que nos permite pensar sobre o comportamento dos componentes do sistema; não existe uma resposta única, não existe um caminho único. Isso facilita a compreensão do problema, o desdobramento de alternativas e a criatividade na busca por soluções.

Pode interessar a você...
Aprenda a eliminar os pensamentos negativos
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Aprenda a eliminar os pensamentos negativos

Neste artigo falaremos sobre como aprender a eliminar os pensamentos negativos. Se eles fazem parte da sua vida, não perca essas dicas!



  • Gallón L. (2019) Systemic Thinking. In: Leal Filho W., Azul A., Brandli L., Özuyar P., Wall T. (eds) Quality Education. Encyclopedia of the UN Sustainable Development Goals. Springer, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-319-69902-8_58-1
  • Ceberio, M. (2016). Terapia sistémica latinoamericana: ¿es solamente una ilusión? Interacciones, 2 (2), 99-108
  • Koopmans, M. From Double Bind to N-Bind: Toward a New Theory of Schizophrenia and Family Interaction. Nonlinear Dynamics Psychol Life Sci 5, 289–323 (2001). https://doi.org/10.1023/A:1009518729645
  • McNab D, McKay J, Shorrock S, Luty S, Bowie P. Development and application of ‘systems thinking’ principles for quality improvement. BMJ Open Qual. 2020;9(1):e000714. doi:10.1136/bmjoq-2019-000714
  • Silva Murillo, Roxana (2009). CARACTERÍSTICAS DE LOS SISTEMAS EN LAS ORGANIZACIONES. PERSPECTIVAS, (23),149-163.[fecha de Consulta 15 de Agosto de 2021]. ISSN: 1994-3733. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=425942159009