Pais permissivos: vantagens e desvantagens

Os pais permissivos apostam na liberdade e estão próximos nas quedas para erguer e encorajar seus filhos a continuarem aprendendo com a vida. Saiba o que é bom e o que não é desejável nesse estilo de criação.
Pais permissivos: vantagens e desvantagens

Última atualização: 01 novembro, 2021

Cada pessoa deve decidir como quer lidar com a parentalidade. Entre os estilos de criação a escolher, temos os pais permissivos, os autoritários e os democráticos. A tarefa dos pais é muito complexa. É verdade que todos vão ganhando experiência, mas há muitas dúvidas que surgem no dia a dia.

No assunto que trataremos neste artigo, as regras e controles não são óbvios ou soberanos. Vejamos as características fundamentais dos pais permissivos, as vantagens e desvantagens desse estilo de criação.

O que caracteriza os pais permissivos?

Em essência, os pais permissivos permitem que seus filhos explorem seus próprios limites. Trata-se de um ritmo doméstico muito dinâmico e agitado, sem horários fixos, que um olhar externo poderia classificar como bagunçado.

É um risco que esses pais correm por desconsiderar a segurança de limites concretos e preferir a aventura de sistemas abertos e aleatórios. Eles são pais que dão rédea solta e confiam em seus filhos a partir da ideia um tanto filosófica de que a vida é imprevisível.

Os pais que optam pela permissividade buscam apoiar, compreender, incentivar, acompanhar e, acima de tudo, não prejudicar. Eles entendem que é bom a criança correr, pular e fazer o que a instiga, movendo-se com velocidade vertiginosa de um assunto para outro. Eles pensam que acompanhá-las e limitá-las não apenas é sufocante, mas contraproducente.

Uma característica dos pais que analisamos é que eles não são novatos, o que se manifesta em dois aspectos. Um, eles não têm a angústia de certas dúvidas básicas sobre o cuidado das crianças. Dois, eles têm menos tempo para criar e mais necessidade de compensação financeira.

Crianças correndo
As crianças vivem de forma vertiginosa, mudando de uma ação para outra. Isso é algo que os pais permissivos entendem e aceitam.

Características do estilo de criação permissivo

Na casa dos pais permissivos, há uma atmosfera de liberdade em que os limites e fronteiras são flexíveis. Os padrões de ação e comportamento são inconstantes e mutáveis.

A autorregulação será o mecanismo que os pais ativarão para construir relações harmoniosas. Claro, sempre haverá a dúvida: os pequenos estão maduros o suficiente para receber uma educação relaxada?

Com pais permissivos, os filhos agem e interagem à vontade até que a dinâmica natural os leve a confrontos. É quando a palavra, o conselho e a orientação aparecem como mediadores.

É nesse esquema de relacionamento que falamos de um estilo parental permissivo-democrático, em que acordos e consensos dão o tom. Em uma casa desse tipo, as cláusulas de convivência familiar são pré-determinadas. O seu cumprimento ou desprezo será questionado pelos pais.

É importante notar que os pais que estão em desacordo com as regras não o fazem por distanciamento dos filhos ou desinteresse. Eles partem do fato de que a confiança e a responsabilidade são formadas e aprendidas no exercício da vida.

Da mesma forma que não gostam de regras, recusam punições como formas de correção. A alteração viria da reflexão e da conscientização. Diante dos erros, os pais permissivos geralmente costumam estar dispostos a ajudar e enfrentar as dificuldades.

Vantagens de ter pais permissivos

A liberdade é uma escola que ensina a abrir caminhos, a desfazer amarras. Nesta área existe aventura, risco e incerteza; elementos que emergem na base de uma educação pautada no amplo respeito à pessoa e às suas potencialidades.

Autonomia

Os pais permissivos defendem as decisões dos seus filhos, ao mesmo tempo em que aguçam o seu julgamento. Eles os deixam fazer e resolver. Mesmo sendo próximos, eles se recusam a interferir, a menos que a criança peça ajuda.

Segurança

A segurança é o que se busca com o rigor que o desapego supõe. O fato de as crianças aprenderem a enfrentar o mar aberto é um tesouro para os pais que as treinaram e prepararam para vê-las zarpar.

Criatividade

A criação materializa e torna visível a liberdade. Os pais permissivos entendem que dar aos filhos um uso pessoal do tempo os deixa livres para encontrar sua própria linguagem. Não se trata de cultivar a dissolução ou deriva, mas de ter um material dócil aos impulsos, sonhos e desejos.

Desvantagens de ter pais permissivos

A criação sem amarras se chocaria com um entorno mais rígido. Sem uma preparação adequada, as crianças não teriam os mecanismos para lidar com situações desconhecidas.

O mundo lá fora não é como em casa

Um risco está à espera dos filhos que crescem com pais permissivos: a sociedade tem regras. Em alguns lugares, elas são extremamente rígidas. Essa discordância causaria não conformidade com vários graus de perigo.

Um menino ou uma menina que não sentiu a pressão das regras em casa pode se rebelar na rua. Pode esperar ou pretender que o mundo aceite os seus caprichos. A realidade pode ser muito dura.

Problemas na escola

Um lugar onde o normativo é típico da sua constituição é a escola. Filhos de pais permissivos podem achar a escola chata, severa e estranha em comparação com a forma como aprenderam a entender as coisas.

Cabe aos pais criar espaços de transição e transmitir que cada instituição tem suas próprias regras. Portanto, uma coisa é o lar e a outra é a sociedade.

Um ingrediente aumenta essa dificuldade: no tempo que passam livres diante das telas, recebem um estímulo que, em termos de ritmo, intensidade nas cores, formas e movimentos, difere da natureza da aprendizagem escolar.

Crianças com pais permissivos sofrem na escola.
A escola pode ser um espaço difícil para filhos de pais permissivos, pois as regras são diferentes.

Insegurança e baixa autoestima

Caso os pais não assimilem e transmitam as diferenças entre o interior de casa e o exterior, a baixa autoestima é uma possibilidade. Uma leitura inadequada dos cenários fará com que as crianças vivenciem fortes tensões que levarão a um sentimento de insegurança.

Os pais permissivos não são negligentes

A permissividade deve ser preocupante quando chega perto do abandono, do desprezo, se ocorre por falta de tempo ou irresponsabilidade, e se a paternidade é delegada a terceiros. Nesses casos, as crianças podem não ter estabilidade e uma figura de autoridade definida.

Portanto, é necessário destacar que a paternidade permissiva não inclui o desapego. Pelo contrário, exige disciplina nos adultos para evitar ser relaxado ou autoritário de acordo com as mudanças de humor.

Finalmente, entre o preto e o branco há muitos tons. É assim que o lar permissivo deve tender para uma educação democrática em vez da liberdade sem restrições.

As crianças não devem crescer com seus próprios recursos. Eles precisam ter coragem para enfrentar o inesperado e ter os pais e os mais velhos por perto para dar um passo juntos e seguir em frente.

Pode interessar a você...

Burnout parental: o que é e como superá-lo?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Burnout parental: o que é e como superá-lo?

O burnout parental é um estado psicológico que surge quando não temos os recursos para combater o estresse gerado pela criação dos filhos.