6 passos para curar feridas emocionais da infância

Encontrar culpados só nos fará perder energia. É essencial nos permitirmos ficar com raiva e aprender a nos perdoar. Ao curar as nossas feridas, poderemos atravessar o mundo sem nos esconder.
6 passos para curar feridas emocionais da infância

Última atualização: 19 Outubro, 2021

As experiências dolorosas que vivemos deixam feridas emocionais que precisamos tentar curar. Geralmente, é difícil enfrentarmos problemas emocionais como separações, traições, humilhações, abandonos ou injustiças.

A verdade é que muitos de nós ainda não fecharam essas feridas emocionais. Elas ainda nos machucam e tentamos mascará-las com a maquiagem da vida.

Não percebemos que as estamos apenas ignorando e que, quanto mais esperarmos, piores elas se tornarão. Isso é muito mais complicado quando ainda não percebemos que estamos feridos.

O desconhecimento das feridas emocionais, aliado ao medo de reviver a nossa dor, não nos permite sermos nós mesmos, o que nos obriga a desempenhar um papel que não nos corresponde.

Certamente, se você está lendo isso, vai querer se conhecer e se aprimorar a cada dia. Portanto, com este artigo, queremos ajudá-lo a saber qual é o processo que você deve seguir se quiser iniciar o processo de enfrentamento que lhe permitirá curar as suas feridas emocionais.

Conselhos para curar feridas emocionais da infância

Aqui estão 6 estágios que precisamos vivenciar para curar as nossas feridas emocionais:

1. Aceite as suas feridas emocionais como parte de você

Não cubra os olhos, a ferida existe. Você pode admitir ou não, mas garanto que fazer isso é a única coisa que o ajudará a seguir em frente. Aceitar uma ferida é olhar para ela, observá-la com atenção e saber que ter situações para resolver faz parte da experiência humana.

Você pode pensar que vendar o sofrimento é a melhor coisa a fazer. No entanto, a verdade é que isso faz você negar que não está bem, o que torna a ferida mais complicada com o tempo.

Você deve aceitar e compreender que não somos melhores ou piores porque algo nos machuca. Ter construído sua armadura é um ato heróico, um ato de amor-próprio que tem muito mérito, mas que já cumpriu sua função. Ela já o protegeu do ambiente que causou a lesão, então é hora de deixar ir e seguir em frente.

Aceitar nossas feridas é muito benéfico assim que assumimos o aprendizado de que precisávamos. Do contrário, você criará vários problemas de longo prazo, como depressão, ansiedade e várias inseguranças. Isso é sugerido por este estudo realizado pela Universidade Central do Chile e pela Universidad Católica del Norte.

Aceite as feridas emocionais como parte de você

2. Aceite que você se machuca ao sucumbir ao medo e à reprovação

Se focalizarmos nossa atenção na dor e na busca pelo culpado ou responsável, estaremos perdendo energia. Conservar nossa energia emocional é essencial para curar a nossa ferida. Tente se perdoar e perdoar os outros; esta é a única maneira de virar a página e abrir seu coração.

Você deve entender que a vontade e a decisão de superar nossas feridas é o primeiro passo para a autocompreensão e o autocuidado. Você não desenvolverá essas qualidades apenas por si mesmo, mas também em relação aos outros, o que resultará em um maior bem-estar emocional.

Você não pode esperar que os outros atendam às suas expectativas e o puxem para fora do buraco toda vez que você cair. É injusto sobrecarregar alguém com essa responsabilidade, que só corresponde a nós.

Na verdade, é esse tipo de comportamento que leva ao fim de grande parte dos nossos relacionamentos. Isso, por sua vez, gera um grande desconforto emocional.

3. Dê a si mesmo permissão para ficar com raiva das pessoas que alimentaram a sua ferida

Quanto mais eles nos prejudicam e quanto mais profundas são as nossas feridas, mais normal e humano será culpar e sentir raiva de quem nos feriu. Dê a si mesmo permissão para ficar com raiva deles e se perdoar.

Se você se obrigar a não fazer isso, acabará suprimindo essa dor e a transformará em ódio e ressentimento. Esses sentimentos são extremamente prejudiciais para a saúde.

Viver impondo armadilhas emocionais a si mesmo é se punir e criar uma vida cheia de dor e insatisfação. Novamente, isso fará com que você mascare o seu verdadeiro Eu interior e não seja capaz de abrir o seu coração.

4. Depois da aceitação e do perdão, vem a transformação

Todas as nossas experiências nos ensinam algo. É provável que seja difícil para você aceitar isso, porque nosso ego é um especialista em criar aquela barreira protetora que esconde nossos problemas.

A verdade é que nosso ego tende a complicar nossas vidas. No entanto, são nossos pensamentos e comportamentos que simplificam isso para nós. Cada mudança requer um grande esforço. É preciso olhar para a frente e encarar que não estamos sendo nós mesmos e que algo deve mudar.

5. Observe o mundo com e sem feridas

Reserve um tempo para observar como você se apegou à sua ferida durante todos esses anos. Ela estava lá e, mesmo sem saber como, dirigia todos os seus movimentos. Livre-se das suas máscaras, não se julgue e não se critique. Coloque todo o seu ser ao tentar curar profundamente a sua ferida.

É possível trocar a máscara no mesmo dia ou usar a mesma por meses ou anos. O ideal é que você seja capaz de dizer a si mesmo: “Tudo bem, coloquei esta máscara e o motivo era este. É hora de tirá-la.” Então, você saberá que está no caminho certo e que, pelo resto da viagem, seu guia será a inércia que permitirá que você se sinta bem sem se esconder.

Veja o mundo a partir de outra perspectiva

Recomendamos que você leia: Dicas para aumentar a autoestima dos seus filhos

6. Conte com o seu círculo social

É provável que você pense que pode com tudo e que já saiu de buracos piores. No entanto, não há razão para desistir do conforto de um coração que escuta com paciência.

O apoio que os outros nos dão pode ser crucial na hora de superar vários obstáculos. A Clínica Mayo também estabelece uma série de recomendações caso seja você quem deve apoiar alguém que está passando por esses tipos de situações.

Não desista dos abraços e do mundo. Eles também fazem parte de você, e juntos vocês podem reconstruir uma nova casa para viver sem sofrimento.

Lembre-se de que o apoio de um psicólogo pode ser necessário para realizar esse processo com sucesso.

Pode interessar a você...
5 feridas emocionais da infância que persistem quando somos adultos
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
5 feridas emocionais da infância que persistem quando somos adultos

É bastante comum, infelizmente, termos feridas emocionais desde a infância, que são as que nos bloqueiam e as que provocam vertigem ou temor.



  • Pennebaker, J. W. (1997). Opening Up: The Healing Power of Eemotional Expression. New York: Guilford.
  • Schmidt, S. (2004). Mindfulness and Healing Intention: Concepts, Practice, and Research Evaluation. The Journal of Alternative and Complementary Medicine. https://doi.org/10.1089/1075553042245917