Osteófitos: o que são, sintomas e tratamentos

Dores nas articulações podem ser indicativas da presença de osteófitos. A radiografia pode ajudar a identificá-los.
Osteófitos: o que são, sintomas e tratamentos

Última atualização: 23 maio, 2022

As doenças ósseas afetam milhões de pessoas em todo o mundo. Muitos são o resultado de degeneração e danos nas superfícies articulares, e são comuns em pacientes idosos. Você está interessado em aprender mais sobre osteófitos? Continue lendo.

Os osteófitos também são chamados de “esporões ósseos”. São protuberâncias ósseas que se formam nas bordas dos ossos, especialmente ao nível das articulações. Estudos os definem como hiperostose no local de ancoragem das fibras de Sharpey, sendo mais frequentes na coluna vertebral.

Essas protuberâncias ósseas são causadas por uma variedade de doenças diferentes, sendo a osteoartrite a principal causa. Os osteófitos podem ser identificados em estudos radiográficos, embora muitas vezes passem despercebidos por anos.

Sintomas comuns

A presença de osteófitos nos ossos é definida como osteofitose. Eles geram uma imagem radiográfica triangular em forma de gancho ou bico de papagaio nas extremidades ósseas, com uma trajetória primeiro horizontal e depois vertical. Esses crescimentos não causam sintomas ou sinais até um determinado momento.

Com o passar dos anos, os osteófitos tornam-se mais pronunciados e podem causar sintomas na coluna, quadris e joelhos. As manifestações mais comuns incluem o seguinte:

  • Formigamento e dormência nos braços e pernas.
  • Dor ao estender e flexionar as articulações.
  • Amplitude de movimento limitada.
  • Rigidez articular.

A presença de dor intensa que se assemelha a um choque elétrico durante o movimento pode indicar compressão da medula espinhal. Esses sintomas podem ser acompanhados por outras manifestações, como edema ósseo.

Radiografia mostrando osteófitos.
Estudos de imagem podem demonstrar a presença de osteófitos antes que apareçam sintomas evidentes.

Por que os osteófitos ocorrem?

Como já mencionamos, a causa mais comum de osteófitos é a osteoartrite. Esta é uma doença crônica e degenerativa da cartilagem articular que é acompanhada pela proliferação do osso subcondral. Nesse sentido, os inchaços são o resultado de uma tentativa do organismo de reparar a superfície óssea danificada.

Pesquisas confirmam que estímulos mecânicos em articulações lesadas são transcritos em estímulos bioquímicos mediados por fatores de crescimento, como TGFβ e BMP2, induzindo a formação de osteófitos. Em geral, as vértebras são as mais suscetíveis.

Da mesma forma, a espondilose deformante é outra das causas mais comuns de osteófitos. Além disso, esses crescimentos ósseos podem ser encontrados nas seguintes condições:

  • Hiperostose esquelética difusa idiopática.
  • Espondilite anquilosante.
  • Artropatia neuropática.
  • Síndrome de Reiter.
  • Artrite psoriásica.
  • Traumatismo.
  • Infecções.

Diferença entre um osteófito, um sindesmófito e uma hérnia de disco

Osteófitos e sindesmófitos são achados radiográficos que podem ser confundidos. No entanto, quando falamos de sindesmófitos nos referimos à ossificação das fibras externas dos discos intervertebrais.

São protuberâncias ósseas verticais finas ou grossas que se estendem de um corpo vertebral para outro. Podem ser uni ou bilaterais e são típicas da ossificação do tecido paravertebral na espondilite anquilosante e nas doenças inflamatórias intestinais.

Por outro lado, os sintomas compressivos dos osteófitos podem ser semelhantes aos das hérnias de disco. No entanto, na hérnia de disco, a compressão da medula espinhal é causada por uma protrusão do núcleo pulposo do disco intervertebral. Além disso, os sintomas costumam ser mais intensos e causam maior incapacidade.

Tratamento médico

Atualmente, os osteófitos não têm cura definitiva. No entanto, médicos especializados em reumatologia podem recomendar o uso de alguns medicamentos para aliviar os sintomas.

Em geral, analgésicos e anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) costumam ser indicados para reduzir a dor e o desconforto articular. É o caso do ibuprofeno, paracetamol, naproxeno e diclofenaco.

Na osteoartrite grave, os seguintes procedimentos podem ser necessários:

  • Injeções intra-articulares de corticosteróides.
  • Injeção de ácido hialurônico.
  • Substituição articular.
  • Realinhamento ósseo.

Da mesma forma, a fisioterapia é uma ferramenta fundamental para aumentar a flexibilidade e reduzir as dores articulares.

Fisioterapia para osteófitos.
A fisioterapia para dor associada à osteofitose é útil na maioria dos pacientes.

Leia também: 5 exercícios que você deve praticar se quiser cuidar dos ossos

Como evitar a formação de osteófitos?

Como discutimos no artigo, osteófitos são excrescências ósseas causadas pelo desgaste das articulações. Embora não haja cura, essas mudanças podem ser interrompidas por meio de pequenas mudanças no estilo de vida.

Para isso, é aconselhável melhorar a postura, fazer exercícios moderados de 2 a 3 vezes por semana, perder peso, manter uma alimentação saudável e evitar esportes de alto impacto.

Na maioria dos casos, esta condição é detectada em estágios avançados da doença, por isso é aconselhável ir a consultas regulares com reumatologistas ou traumatologistas, a partir dos 45 anos e na presença de dores na coluna. O diagnóstico e a abordagem precoces determinam uma melhor qualidade de vida.

Pode interessar a você...
As 7 doenças ósseas mais comuns
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As 7 doenças ósseas mais comuns

Entre as doenças ósseas mais comuns, destacam-se a osteoporose e a osteoartrite. Descubra outras de grande prevalência neste artigo.



  • Vallés A, Tejera B, Pérez R. Los «fitos» de la columna. Seminarios de la Fundación Española de Reumatología. 2010; 11(2): 43-48.
  • Domínguez Carrillo L, Domínguez Gasca L. Osteofitos de la primera articulación costocondral: respuesta protectora articular en deportistas de alto rendimiento. Acta méd. Grupo Ángeles. 2021;  19( 1 ): 130-131.
  • Oteo Álvaro A. Mecanismos etiopatogénicos de la artrosis. Rev. Soc. Esp. Dolor. 2021;  28(1): 11-17.
  • Sanhueza A, Prieto J, Weisz J, Leiter F, et al . Espondiloartritis anquilosante: Revisión de hallazgos imagenológicos en la columna. Rev. chil. radiol. 2016 ;  22( 4 ): 171-183.
  • Sánchez M, Becerra W. Osteoartritis (artrosis) de la articulación temporomandibular. Rev. Otorrinolaringol. Cir. Cabeza Cuello. 2020;  80( 4 ): 540-553.