Ombro congelado: fatores de risco e tratamento

17 de outubro de 2019
O ombro congelado é uma situação clínica da articulação do ombro que causa dificuldade de mobilização e dor intensa. Neste artigo, mostraremos como é gerado e quais são os possíveis tratamentos.

O ombro congelado é uma situação patológica e traumatológica da articulação do ombro. Também é conhecido como “capsulite adesiva”, porque o mecanismo final de produção de sintomas é a inflamação da cápsula do ombro.

Para entender isso, temos que revisar como o ombro é constituído. É uma articulação onde o úmero, a clavícula e a escápula entram em contato como ossos, todos cercados por um tecido mole que forma a cápsula e os envolve. Essa cápsula é a que engrossa no ombro congelado.

Como veremos mais adiante, há pessoas com maior probabilidade de sofrer com esse problema do que outras. Tem sido associada principalmente à falta de mobilidade que leva ao espessamento da cápsula articular. Por isso, geralmente é diagnosticado em pacientes prostrados, por exemplo.

Sintomas e diagnóstico do ombro congelado

O ombro congelado se desenvolve lentamente. Os sintomas não aparecem da noite para o dia. É composto por três etapas que podem cobrir até quatro anos de duração no total. Em seguida, descrevemos o processo:

  • Bloqueio motor: é o primeiro estágio da patologia e é caracterizado por dor ao mover o ombro. Apesar de ainda haver mobilidade articular, o paciente já está ciente de que é limitada. Esse período pode durar de dois a nove meses.
  • Congelamento: Este segundo estágio também é conhecido como estágio de rigidez. Torna-se muito difícil mover o ombro, mesmo para as atividades diárias. Dura cerca de seis meses.
  • Descongelamento: é um processo de melhoria dos sintomas, seja pela evolução natural ou pela aplicação de tratamentos médicos. A recuperação total pode levar de seis meses a dois anos.

Para chegar ao diagnóstico, o médico deve basicamente realizar um exame clínico completo, pois os sintomas são claros. É comum que o profissional pegue o membro superior dolorido e tente movê-lo em direções diferentes.

Quando o médico mobiliza o ombro do paciente sem fazer força, ele está medindo a amplitude do movimento passivo. Por sua vez, ele solicitará que o paciente mova o braço de acordo com sua própria força para avaliar a amplitude do movimento ativo.

No ombro congelado, ambas as amplitudes de movimento – passivas e ativas – são limitadas e dolorosas.

Ombro congelado

Continue lendo: Alivie a dor nos ombros com esses remédios caseiros

Fatores de risco

O ombro congelado está associado a situações em que a mobilidade é reduzida. Por ficar muito tempo prostrado, por exemplo, você corre mais riscos. Também pode acontecer que não haja prostração completa, mas pouca mobilidade do membro superior devido a alguma causa traumática, e o efeito será o mesmo.

Como fatores de risco para baixa mobilidade, temos:

  • Idade: pessoas muito idosas que precisam de terceiros para se mobilizar.
  • Fraturas no braço ou antebraço: com a consequente colocação de gesso.
  • Acidente vascular cerebral (AVC): todo o período de recuperação do AVC é lento e com baixa mobilidade devido a sequelas.
  • Pós-cirúrgico: grandes cirurgias que requerem descanso prolongado.

Também devemos considerar como fator de risco um grupo de doenças que, sem causar prostração, foram encontradas como predisponentes do ombro congelado, incluindo:

  • Diabetes: estudos científicos descobriram que até 20% das pessoas diabéticas sofrem de ombro congelado em algum momento, embora a causa seja desconhecida.
  • Alterações da glândula tireoide: hipotireoidismo e hipertireoidismo.
  • Doença de Parkinson
Mulher com braço de gesso.

Leia mais: Fratura por estresse: onde ocorrem principalmente

Tratamento do ombro congelado

A maioria dos pacientes com ombro congelado pode melhorar com medicamentos anti-inflamatórios e alguma fisioterapia. Em geral, 90% das pessoas afetadas não precisam de cirurgia corretiva.

Os medicamentos podem incluir anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) ou corticosteroides. O AINE mais utilizado é o ibuprofeno. Quanto aos corticosteroides, a cortisona por injeção diretamente na articulação dolorida é preferida.

A fisioterapia desempenha um papel fundamental no tratamento. Existem certos exercícios e manobras específicas que são eficazes para ombro congelado. Além disso, eles geralmente são combinados com a aplicação de calor para conseguir o afrouxamento de estruturas rígidas.

Por fim, a opção cirúrgica é reservada para os pacientes que não responderam corretamente às opções sem sangue, como medicação e fisioterapia. Não é a maioria dos casos, como esclarecemos, mas existe a opção.

As manobras cirúrgicas são duas:

  • Manuseio: sob anestesia, o profissional médico mobiliza o ombro forçando-o, o que faz com que a cápsula rígida se quebre e a articulação seja liberada.
  • Artroscopia: o cirurgião corta algumas partes da cápsula que são rígidas através de pequenas incisões com materiais preparados para esse fim.

Para concluir

Por fim, como vimos, a doença do ombro congelado pode ser incapacitante e muito dolorosa. Portanto, se você tiver sintomas semelhantes com dificuldade em mobilizar o ombro e realizar as atividades da vida diária, é melhor consultar um médico para encontrar o diagnóstico correto.

  • Ando, A., Sugaya, H., Hagiwara, Y., Takahashi, N., Watanabe, T., Kanazawa, K. et al, Identification of prognostic factors for the nonoperative treatment of stiff shoulder. Int Orthop. 2013;37:859–864
  • Le HV, Lee SJ, Nazarian A, Rodriguez EK. Adhesive capsulitis of the shoulder: review of pathophysiology and current clinical treatments. Shoulder Elbow. 2017;9(2):75–84. doi:10.1177/1758573216676786
  • Mezian K, Chang KV. Frozen Shoulder. [Updated 2019 Feb 25]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482162/
  • Uppal HS, Evans JP, Smith C. Frozen shoulder: A systematic review of therapeutic options. World J Orthop. 2015;6(2):263–268. Published 2015 Mar 18. doi:10.5312/wjo.v6.i2.263
  • Ortiz-Lucas, M., S. Hijazo-Larrosa, and E. Estébanez-De Miguel. “Capsulitis adhesiva del hombro: una revisión sistemática.” Fisioterapia 32.5 (2010): 229-235.
  • Ramírez, Tlatoa, et al. “Actualización en Traumatología Deportiva: hombro congelado.” (2014).