Gessos e talas: usos e cuidados

· 20 de abril de 2019
Não sabe a diferença entre quando te colocam um gesso ou uma tala? Desconhece os cuiados a serem seguidos? Hoje daremos resposta a todas estas questões.

Os gessos e talas servem para proteger as partes do corpo que tenham sofrido algum tipo de lesão. Isso permite acelerar o processo de cura, já que limita o movimento, e também ajuda a reduzir a dor. O material no qual costumam ser feitos é plástico, tecido, gesso ou fibra de vidro.

A diferença entre os gessos e as talas, ainda que sua prática seja a mesma, tem a ver com a inflamação da lesão. Se esta está presente, uma tala será a melhor das opções, pois permitirá um ajuste adequado e confortável para evitar problemas de circulação e um aumento da dor.

Quando a inflamação abranda, costuma-se substituir a tala pelo gesso. Este é mais duro e compacto, o que proporciona uma melhor proteção para a lesão, seja esta produzida por uma entorse ou a ruptura de um osso.

Cuidados dos gessos e talas

Ainda que os materiais costumem ser diferentes, e os gessos e talas serem utilizados segundo a circunstância, os cuidados são os mesmos para ambos. A seguir, descubra o que deve ser levado em consideração.

1. Mantê-los secos

Mulher com gessos e talas

A umidade propicia que apareçam infecções, entre outras complicações.

Mesmo que hoje em dia possamos encontrar gessos e talas impermeáveis, a grande maioria não é. Por isso, é bom tomar especial cuidado para não os molhar. O que fazer para tomar banho? Cobrir a zona com uma sacola de plástico ou uma capa recomendada pelo médico.

Caso o gesso ou a tala se molhem e a umidade chega até a camada interna, a que está em contato com a pele, não se secará com facilidade. Isso pode provocar brotoejas ou erupções, coceira na pele e, em casos extremos, até mesmo uma infecção.

2. Não tente se coçar

A coceira e a ardência, que às vezes surge com os gessos e talas, podem ser insuportáveis. Se alguma vez já sofreu com isso, certamente tentou pegar um lápis ou outro objeto pontudo que te permitisse coçar a pele. Isso é um erro, já que estes materiais podem ficar presos e provocar uma infecção.

Uma das formas de reduzir essa sensação de coceira é pegar um secador e aplicar ar frio dentro do gesso ou da tala. Ainda que a ardência não desapareça por completo, ao menos proporcionará certo alívio.

Não se esqueça de ler: Como aliviar a sensação de coceira na pele

3. Preste atenção nas fendas

Os gessos e talas, às vezes, racham e isso pode provocar alguns problemas. Por isso, também devemos vigiar se há alguma parte que tenha se deformado por um pequeno golpe ou se há alguma área que sentimos que está mais mole que o resto.

Um gesso ou uma tala que apresente estas características pode causar feridas e um aumento da inflamação e da dor. Observá-los todos os dias e prestar atenção a qualquer possível avermelhamento da pele é imprescindível para que a lesão não piore.

4. Altere o material o menos possível

Menino com tala

Não deve alterar o material para evitar complicações ou calcificações erradas.

É costume fazer desenhos ou pedir aos amigos que escrevam alguma dedicatória sobre o gesso. Ainda que isso não traga nenhum problema, o fato de arrancar ou retirar a parte de algodão que está em contato com a pele pode sim ser.

Isso pode provocar graves feridas. Tente não alterar o material. No entanto, pode escrever sobre o gesso sem problemas. O melhor é utilizar algum marca-texto permanente para sujar o menos possível o gesso ou a tala.

Aprenda também sobre o tema: Desenvolveram uma “bandagem viva” de células tronco para tratar as lesões de joelho

Sensações que não deve ignorar

Além de todos os cuidados que mencionamos anteriormente, há que estar atento a diversas sensações que nunca devem ser ignoradas, já que podem colocar em grave risco a saúde. Algumas delas são as seguintes:

  • Os dedos das mãos ou dos pés formigam porque ficam adormecidos.
  • Perde-se a sensibilidade nas extremidades.
  • A pele começa a ficar com uma coloração azul, branca ou roxa.
  • A pele que rodeia o gesso ou a tala está avermelhada.
  • A extremidade lesionada se inflama com a tala ou o gesso.

Todas estas situações requerem uma atenção imediata de um médico. Deixá-lo passar ou esperar para ver se a inflamação, o avermelhamento ou a sensibilidade desaparecem pode derivar em sérios problemas. Se, além de tudo isso, aparece a febre, um cheiro fora do comum ou dor que não reduz com os analgésicos recomendados pelo médico, procure assistência.

Os gessos e talas não costumam gerar nenhum problema. No entanto, é melhor prestar atenção nestes aspectos para pedir ajuda o quanto antes, caso apareçam.

  • Boyd, A. S., Benjamin, H. J., & Asplund, C. (2009, September 1). Splints and casts: Indications and methods. American Family Physician. American Academy of Family Physicians. https://doi.org/10.1097/01.inf.0000360958.34900.18
  • Boyd, A. S., Benjamin, H. J., & Asplund, C. (2009, January 1). Principles of casting and splinting. American Family Physician. https://doi.org/https://doi.org/
  • Rizzone, K., & Gregory, A. (2013). Using Casts, Splints, and Braces in the Emergency Department. Clinical Pediatric Emergency Medicine14(4), 340–348. https://doi.org/10.1016/j.cpem.2013.11.003