Óleos essenciais para neuropatia diabética

31 Janeiro, 2020
Por suas propriedades analgésicas e calmantes os óleos essenciais parecem ter um efeito positivo no tratamento da neuropatia diabética. Descubra como usá-los.
 

Os óleos essenciais são conhecidos por suas propriedades terapêuticas há centenas de anos. E são reconhecidos por sua capacidade de melhorar o bem-estar físico e mental, especialmente diante de certas condições. Por isso não é estranho que possam ser usados ​​como um complemento para tratar a neuropatia diabética.

Essa condição é uma complicação grave caracterizada por dano progressivo aos nervos devido aos altos níveis de açúcar no sangue. Pode tornar-se assintomático, mas geralmente causa dormência, dor e outro desconforto nas extremidades. Além disso, em casos graves, compromete a saúde digestiva e cardíaca.

Como os óleos essenciais podem ajudar? Embora sejam necessárias mais evidências científicas para confirmar seus efeitos, alguns estudos sugerem que sua aplicação como parte do tratamento pode ajudar a minimizar alguns desses sintomas. Vamos ver os detalhes abaixo.

O que é neuropatia diabética?

A neuropatia aparece devido ao dano dos altos níveis de glicose nas células nervosas

Antes de entrar em detalhes sobre como os óleos essenciais ajudam a tratar a neuropatia em pessoas com diabetes é essencial esclarecer os conceitos básicos desse problema. Como já mencionamos, é uma complicação grave e frequente da diabetes tipo 1 e 2.

 

Ocorre devido aos altos níveis de glicose no sangue a longo prazo, principalmente quando não há o controle adequado. Como resultado, os nervos são danificados e as áreas afetadas começam a mostrar dor, dormência e muitos outros sintomas que tendem a piorar.

Mesmo quando a condição é grave e prolongada, os pacientes são vulneráveis ​​a lesões e infecções difíceis de tratar. Devido à má cicatrização que surge pela falta de controle da glicose, esses casos podem terminar em amputação.

Descubra também: 7 soluções à base de plantas para controlar a diabetes naturalmente

Tipos de neuropatia diabética

O termo neuropatia é usado para se referir a vários tipos de danos nos nervos. Por exemplo, no caso de pacientes com diabetes, quatro tipos principais de neuropatia podem ser distinguidos. São eles:

  • Neuropatia periférica: é a forma mais comum. Afeta principalmente os pés e as pernas, mas também pode comprometer os braços e as mãos.
  • Neuropatia autonômica: afeta o sistema nervoso autônomo. Por isso, leva a problemas de digestão, doenças cardiovasculares e disfunções sexuais.
  • Mononeuropatia: também chamada neuropatia focal. Ocorre quando há dano a um nervo específico ou a um grupo de nervos, o que causa fraqueza na área afetada. Geralmente afeta a mão, cabeça, tronco e pernas.
  • Neuropatia proximal: é uma forma rara de neuropatia. Geralmente afeta os quadris, nádegas e coxas, causando dor repentina e fraqueza muscular.

Causas da neuropatia diabética

 
Pé diabético

Pacientes com diabetes são suscetíveis a algum tipo de neuropatia devido aos altos níveis de açúcar no sangue. O risco é maior quando o problema não é controlado por um longo período de tempo. Outros fatores que afetam seu desenvolvimento são:

  • Danos aos vasos sanguíneos devido aos níveis elevados de colesterol
  • Lesões mecânicas, como as causadas pela síndrome do túnel do carpo
  • Maus hábitos, como tabagismo e bebidas alcoólicas
  • Deficiência de vitamina B12

Sintomas da neuropatia diabética

Os sintomas de neuropatia variam em cada paciente, de acordo com os nervos afetados. No entanto, na grande parte dos casos a primeira área afetada são os pés. Nestes, você pode perceber desconforto, como agulhadas e dor. Outras manifestações clínicas incluem:

  • Sensibilidade ao toque
  • Falta de coordenação ao caminhar
  • Sensação de dormência ou dor nas mãos ou pés
  • Ardor nos pés, principalmente à noite.
  • Fraqueza muscular
  • Inchaço
  • Náusea, indigestão ou vômito
  • Diarreia ou constipação
  • Tonturas e transpiração excessiva
  • Esvaziamento incompleto da bexiga, secura vaginal e disfunção erétil
  • Problemas de visão, como visão dupla
 
  • Aumento da frequência cardíaca

Como os óleos essenciais ajudam a tratar a neuropatia diabética?

Óleos essenciais para neuropatia

Os óleos essenciais são usados na medicina natural como aliados para aliviar vários sintomas e problemas de saúde. Seu uso, especialmente em aromaterapia, pode acelerar o período de recuperação de certas condições. E também podem ajudar a aliviar:

  • Cortes, arranhões e infecções
  • Desequilíbrios hormonais
  • Estados de estresse, tensão e ansiedade
  • Problemas de sono

Assim, por exemplo, nesse caso específico os óleos essenciais podem ser um bom complemento para o tratamento de neuropatia em pessoas com diabetes. De fato, seus benefícios incluem alívio da dor e melhor digestão. Como funcionam?

Óleos essenciais para a neuropatia diabética

Os óleos essenciais de hortelã, camomila romana e lavanda podem ser benéficos para o tratamento da neuropatia em pessoas com diabetes. Embora sejam necessárias mais pesquisas para avaliar seus efeitos, riscos e benefícios, há aqueles que encontraram algum alívio neste tratamento.

  • Hortelã: possui um leve efeito analgésico que ajuda a reduzir a dor. Além disso, atua como relaxante muscular e favorece o alívio de problemas digestivos.
 
  • Camomila romana: um estudo realizado em 2014 concluiu que esta planta pode ajudar no tratamento de distúrbios inflamatórios. Até ajuda a combater o estresse oxidativo.
  • Lavanda: conhecida por sua ação relaxante e analgésica, a lavanda é outro óleo essencial para tratar a neuropatia em pessoas com diabetes. Suas propriedades melhoram a qualidade do sono, relaxam os músculos e reduzem a dor.

Não deixe de ler: Dieta para pré-diabetes: alimentos permitidos e proibidos

Como utilizar esses óleos?

Em primeiro lugar, a administração de óleos essenciais pode ser feita de várias maneiras. Por exemplo, para alívio da dor, geralmente é usado topicamente, sempre diluído em um óleo portador, como coco ou azeite. Isso evita que o óleo essencial puro cause irritação na pele.

Outra maneira de usá-los é diluir uma pequena quantidade na água do banho. Isso permite tirar proveito de suas propriedades aromáticas e, por sua vez, dos componentes que são absorvidos pela pele. Certamente, ambas as soluções podem minimizar alguns dos sintomas associados aos danos nos nervos.

Riscos e advertências

Sem dúvida alguma, a eficácia do uso de óleos essenciais no tratamento da neuropatia em pessoas com diabetes pode variar. Portanto, como são necessárias mais evidências para provar sua ação, é provável que não funcione da mesma forma em todos os pacientes. No entanto, é essencial garantir o uso de óleos essenciais 100% puros.

No mercado, são vendidos alguns óleos de baixa qualidade que não oferecem os mesmos benefícios. Também é essencial garantir a qualidade dos óleos portadores. Para evitar reações alérgicas, o ideal é fazer um pequeno teste do produto em uma pequena área da pele.

 

Finalmente, se você notar surtos, inchaço ou manchas vermelhas interrompa o uso. Em caso de gravidez, você deve consultar o médico antes de usá-los. Finalmente, deve-se lembrar que não devem ser ingeridos por qualquer motivo.

 

  • Yagihashi, S., & Mizukami, H. (2017). Diabetic neuropathy. In Diabetes and Aging-related Complications. https://doi.org/10.1007/978-981-10-4376-5_3
  • Callaghan, B. C., Cheng, H. T., Stables, C. L., Smith, A. L., & Feldman, E. L. (2012). Diabetic neuropathy: Clinical manifestations and current treatments. The Lancet Neurology. https://doi.org/10.1016/S1474-4422(12)70065-0
  • Zhao, J., Khan, S. I., Wang, M., Vasquez, Y., Yang, M. H., Avula, B., … Khan, I. A. (2014). Octulosonic acid derivatives from Roman chamomile (Chamaemelum nobile) with activities against inflammation and metabolic disorder. Journal of Natural Products. https://doi.org/10.1021/np400780n
  • Davies, S. J., Harding, L. M., & Baranowski, A. P. (2002). A novel treatment of postherpetic neuralgia using peppermint oil. Clinical Journal of Pain. https://doi.org/10.1097/00002508-200205000-00011
  • Cavanagh, H. M. A., & Wilkinson, J. M. (2002). Biological activities of lavender essential oil. Phytotherapy Research. https://doi.org/10.1002/ptr.1103
  • Hajhashemi, V., Ghannadi, A., & Sharif, B. (2003). Anti-inflammatory and analgesic properties of the leaf extracts and essential oil of Lavandula angustifolia Mill. Journal of Ethnopharmacology. https://doi.org/10.1016/S0378-8741(03)00234-4