A obesidade infantil, um grande problema

5 de abril de 2020
A obesidade na infância está relacionada a vários problemas de saúde subsequentes, como o colesterol alto.

Atualmente, a obesidade infantil é um dos mais graves problemas de saúde pública. É um fenômeno que está ocorrendo em todo o mundo e que aumenta sua incidência gradualmente.

Trata-se de uma patologia associada a países como os Estados Unidos. No entanto, também afeta países menores e de baixa renda. Infelizmente, estima-se que cerca de 42 milhões de crianças menores de 5 anos sofram de obesidade infantil. 

A obesidade é uma doença que não se limita ao sentido estético, mas tem sérias repercussões na saúde da pessoa. Por exemplo, as crianças que a desenvolvem têm uma tendência maior a sofrer de patologias como diabetes ou outras doenças cardiovasculares ao longo da vida.

Na sociedade em que vivemos, parece difícil para nossos filhos manter um estilo de vida saudável e uma alimentação adequada. No entanto, devemos nos esforçar para eliminar esse problema. Neste artigo, falaremos tudo que você precisa saber sobre a obesidade infantil.

O que é a obesidade infantil?

Menino mordendo um hambúrguer

A obesidade na infância é o distúrbio mais comum relacionado à nutrição nesta fase da vida. Consiste no acúmulo excessivo de gordura no corpo, o que coloca em risco a saúde da criança.

É uma doença na qual vários fatores estão envolvidos; ela não depende apenas da nutrição. De fato, genética e a atividade física também são dois determinantes principais. 

No entanto, é claro que a dieta mantida pela criança é um dos grandes culpados por essa patologia. Atualmente, abusamos de alimentos hipercalóricos, com grandes quantidades de gorduras saturadas.

Em resumo, a obesidade infantil é uma combinação de dieta completamente desequilibrada, estilo de vida sedentário e genética, entre outros fatores. É importante saber que, como dissemos, esta doença está relacionada a inúmeros problemas de saúde, como a diabetes.

Como saber se uma criança está obesa?

O diagnóstico de obesidade infantil não é estabelecido pela aparência; é calculado usando um parâmetro chamado ‘índice de massa corporal’ ou IMC. O IMC relaciona o peso à altura e é calculado dividindo o peso (em quilogramas) pelo tamanho (em metros) ao quadrado.

Há uma série de tabelas e referências que permitem comparar o IMC com os níveis padrão para saber, em um caso específico, se é um caso de obesidade infantil ou não. No entanto, em crianças, é mais preciso usar curvas de percentis para fazer a comparação.

Você pode se interessar: 6 alimentos que combatem a gordura no fígado

Quais são os fatores de risco para a obesidade infantil?

Como já mencionamos, a obesidade infantil não depende apenas da dieta da criança. Na verdade, vários fatores estão envolvidos, como:

  • Genética: inúmeros estudos relacionam o excesso de peso dos pais com o das crianças, afirmando que, no caso de um dos pais ser obeso, a criança tem um risco quase três vezes maior de se tornar obesa. No entanto, é difícil diferenciar se isso ocorre por causa do estilo de vida compartilhado ou por causa da genética.
  • Peso ao nascer: os cientistas associam o fato de um bebê nascer com mais de 4 kg com a obesidade na infância ou na idade adulta.
  • Curiosamente, a amamentação do bebê durante o primeiro ano de vida parece estar associada a um menor risco de obesidade infantil.
  • O local de nascimento, uma vez que uma criança que vive em um ambiente rural parece manter um estilo de vida mais ativo, enquanto aqueles que se desenvolvem na cidade têm uma maior tendência ao estilo de vida sedentário.

Essa patologia está relacionada a outros fatores, como sono e nível econômico da família. No entanto, devemos deixar claro que o fundamental para enfrentar esse problema é focar no estilo de vida da criança .

Obesidade infantil

Leia também: O gene da obesidade de acordo com a ciência

O que podemos fazer para evitar a obesidade infantil?

A obesidade infantil é uma doença que pode determinar o resto da vida da criança. Isso ocorre porque, além da autoestima e dos problemas estéticos, implica um aumento significativo do risco de problemas cardiovasculares e metabólicos.

Portanto, é essencial agir e procurar maneiras de estabelecer uma dieta adequada para as crianças. Se você não souber como fazê-lo, é melhor consultar um médico ou um nutricionista.

Além disso, o ideal é que a criança permaneça ativa. Introduzir o esporte na rotina diária da criança deve ser um dos primeiros passos. De fato, isso também ajudará a criança a melhorar suas habilidades e a convivência social.

  • Yeste, D., & Carrascosa, A. (2012). El manejo de la obesidad en la infancia y adolescencia: de la dieta a la cirugía. Anales de Pediatría, 77(2), 71–74. https://doi.org/10.1016/j.anpedi.2012.03.010
  • Obesidad infantil. (2011). OECD. https://doi.org/10.1787/health_glance-2011-en
  • Zayas Torriente, G. M., Chiong Molina, D., Díaz, Y., Torriente Fernández, A., & Herrera Argüelles, X. (1946). Revista cubana de pediatría: La obesidad infantil. Revista Cubana de Pediatría (Vol. 74). Centro Nacional de Informacion de Ciencias Medicas. Retrieved from http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0034-75312002000300007