O que são valvulopatias?

O termo "valvulopatia" refere-se a várias doenças que afetam as válvulas do coração. Continue lendo para descobrir suas causas, sintomas, riscos e tratamentos.
O que são valvulopatias?

Última atualização: 24 abril, 2022

O termo valvulopatia é usado para se referir a uma classe de condições que afetam especificamente as válvulas do coração. A função destas é abrir ou fechar a passagem do sangue durante o ciclo cardíaco. No entanto, elas podem falhar.

A valvulopatia tem 2 tipos básicos. Quando as válvulas não se abrem corretamente, é chamada de estenose. E se o problema for no momento de fechar, falamos de insuficiência.

A causa mais comum da valvulopatia é a degeneração. Embora também existam outras razões que vão desde fatores congênitos até reações a medicamentos e certos tratamentos.

O que são as valvulopatias?

O coração é dividido em 4 câmaras: as superiores são chamadas de átrios (esquerdo e direito) e as inferiores são chamadas de ventrículos (também existem o esquerdo e o direito). Por sua vez, na saída de cada câmara existem válvulas.

Estas válvulas são as seguintes:

  • Tricúspide: permite a passagem do sangue do átrio direito para o ventrículo direito.
  • Pulmonar: regula o fluxo do ventrículo direito para os pulmões.
  • Mitral: localiza-se entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo.
  • Aórtica: como o próprio nome sugere, controla o fluxo de sangue para a aorta.

A função das válvulas é ajudar a manter um fluxo de sangue contínuo e unidirecional. No entanto, por várias razões, elas podem falhar. Assim, a alteração patológica de uma ou mais válvulas cardíacas é chamada de valvulopatia ou doença valvar.

Segundo estudos, a prevalência da doença valvar pode variar de acordo com o tipo e a idade. Estima-se que cerca de 5% das pessoas com mais de 70 anos tenham estenose aórtica, por exemplo.

As insuficiências tricúspide ou aórtica são as menos comuns. Sua prevalência é de 0,8% e 0,5%, respectivamente; enquanto 1,6% da população mundial sofre de insuficiência mitral.

Também pode te interessar: As partes do coração e suas funções

Sintomas das valvulopatias

Devido às valvulopatias, o coração pode estar funcionando mal. Isso faz com que ele se hipertrofie e afete o ritmo regular de batimentos, manifestando diferentes sintomas:

  • Angina de peito.
  • Palpitações.
  • Dificuldade para respirar.
  • Fadiga ou fraqueza.
  • Tonturas e síncope.
  • Acúmulo de líquido no abdome e nos pés.
  • Sopro cardíaco.

A maioria das pessoas com valvulopatia não percebe sintomas até que o fluxo sanguíneo esteja significativamente reduzido.

Diferentes tipos de valvulopatia

Existem vários tipos de doença valvar. Na estenose valvar, à medida que as válvulas endurecem, ocorre o estreitamento. O tamanho da abertura é reduzido e o fluxo sanguíneo é restrito.

No prolapso da válvula, as valvas (abas) se deslocam ou se deformam, causando um mau fechamento. Como resultado, o sangue pode retroceder em seu caminho.

E na regurgitação, quando a válvula não fecha corretamente, o sangue que flui para trás interrompe o fluxo. Assim, o coração precisa exercer mais pressão, perdendo eficiência no bombeamento.

Coração com doença valvar.
As quatro câmaras do coração são coordenadas para bombear o sangue. Uma falha nas válvulas afeta o circuito circulatório.

Causas e fatores associados

Existem diferentes causas possíveis e fatores associados às valvulopatias. Uma delas é o sexo. De acordo com as pesquisas, as mulheres são mais propensas à estenose mitral reumática.

Outro fator importante é a idade. À medida em que envelhecemos, as válvulas tendem a engrossar e se tornar mais rígidas. Isso aumenta a pressão arterial.

Além disso, a doença valvar pode ser congênita ou adquirida. Às vezes, é causada por outra condição, por exemplo:

  • Histórico pessoal de patologias cardíacas.
  • Certas infecções (por exemplo, por estreptococos).
  • Pressão arterial alta.
  • Colesterol alto.
  • Diabetes.
  • Radioterapia no tórax.
  • Febre reumática na infância.
  • Cardiomiopatia.
  • Síndrome de Marfan.
  • Tumor no coração.
  • Consumo de drogas serotoninérgicas e anorexígenas.

Diagnóstico das valvulopatias

O diagnóstico de valvulopatia começa com uma anamnese. O médico também observa os sintomas durante um exame físico geral. Como tal, ausculta o coração com o estetoscópio para verificar se existe um sopro cardíaco e os pulmões para um acúmulo de líquido, e afere a pressão arterial.

Vários exames também podem ser feitos para reconhecer uma valvulopatia. Eles incluem eletrocardiogramas, ecocardiogramas, angiografias, radiografias do tórax, ressonâncias magnéticas do coração e tomografias.

Tratamento da valvulopatia

O tratamento da valvulopatia depende dos sintomas e da gravidade da doença. Até a idade e a saúde geral da pessoa desempenham um papel importante.

Medicamentos

Embora os medicamentos não curem a doença valvar, muitas vezes são prescritos remédios para reduzir sintomas como inchaço, pressão alta e batimentos cardíacos irregulares.

O tratamento inclui as seguintes opções:

  • Diuréticos: para reduzir o acúmulo de líquido no corpo.
  • Anticoagulantes: para prevenir a formação de coágulos e reduzir o risco de ataques cardíacos.
  • Antiarrítmicos.
  • Inibidores da ECA: para relaxar os vasos sanguíneos, melhorar a circulação e fazer o coração funcionar de forma mais eficiente.

Cirurgias

Intervenções cirúrgicas podem ser realizadas para reparar ou substituir as válvulas afetadas. No primeiro caso, pontes são colocados onde há buracos ou rasgos; ou as valvas são separadas, se for o caso.

Na estenose, a valvoplastia com balão é realizada. Ela envolve a inserção de um cateter fino com um balão na ponta através de um vaso sanguíneo até a válvula afetada. O balão é então inflado para alargar a abertura.

Em contraste, a anuloplastia é uma técnica para reparar o anel de tecido fibroso na base da válvula quando ela está aumentada. Para isso, é feita uma sutura ao redor deste anel para que a abertura fique mais estreita, ou um dispositivo é colocado do lado de fora para fechar a válvula.

Por outro lado, quando a válvula não pode ser reparada, é feita uma substituição da mesma; uma peça mecânica pode ser implantada em seu lugar. Algumas são feitas de metais (como titânio) ou outros materiais (carbono, cerâmica, plástico).

Também pode ser usada uma válvula biológica, fabricada a partir do coração de um animal (porco ou vaca) ou de tecido humano doado. As biológicas não são tão duráveis, mas os usuários de peças mecânicas devem tomar anticoagulantes pelo resto de suas vidas.

Estilo de vida

Tanto para controlar os sintomas quanto para diminuir o risco de desenvolver outras doenças cardíacas, é importante controlar as variáveis relacionadas à pressão arterial, colesterol e glicemia.

Portanto, fazer ajustes para levar um estilo de vida saudável é considerado fundamental. Isso significa o seguinte:

  • Evitar o consumo de álcool e tabaco.
  • Praticar exercícios físicos de forma moderada regularmente.
  • Manter um peso saudável.
  • Adotar uma dieta rica em fibras e ômega 3.
  • Moderar a quantidade de sal.
  • Gerenciar o estresse.
Escovação dentária na valvulopatia.
O cuidado com a saúde bucal é necessário em pacientes com doença valvar, pois as bactérias da boca podem atingir as válvulas.

Riscos e complicações

Mesmo após intervenções cirúrgicas, as valvulopatias trazem possíveis complicações. Por exemplo, coágulos podem se formar nas válvulas de substituição, o que pode provocar um derrame.

Além disso, válvulas danificadas ou mesmo substituídas podem ser infectadas. Portanto, as pessoas que passaram por esse tipo de procedimento precisam tomar antibióticos para prevenir a endocardite infecciosa.

Vivendo com valvulopatia

Mesmo com doença valvar cardíaca, muitas pessoas vivem vidas plenas. Obviamente será sempre necessário manter uma vigilância constante, fazendo check-ups médicos regulares.

Outro aspecto importante a ter em mente é estar em dia com as vacinas. Quando há problemas cardíacos crônicos, o corpo fica mais suscetível a doenças, e infecções respiratórias podem levar a complicações graves.

Por outro lado, existem alternativas para manter a saúde e o bom humor. Existem instituições que oferecem programas de reabilitação cardíaca. Há também grupos de apoio onde outros pacientes com valvulopatia se reúnem para trocar experiências e compartilhar informações.

This might interest you...
As doenças cardíacas não só afetam ao coração
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As doenças cardíacas não só afetam ao coração

Não podemos esquecer que as doenças cardíacas podem afetar todo o sistema cardiovascular e, eventualmente, causar complicações até mesmo fatais



  • Albiñana Pérez M, Cea Pereira L, Bilbao Salcedo J, Rodríguez Penín I. Posible síndrome serotoninérgico relacionado con la administración de venlafaxina y tramadol. Farmacia Hospitalaria. 2012; 36(6): 548-549.
  • Calvo R Angor pectoris y estenosis aórtica. Significación y determinantes hemodinámicos y angiográficos. Sevilla, España: Universidad de Sevilla, 2001.
  • Fernández-Hidalgo N, Tornos Mas P. Epidemiología de la endocarditis infecciosa en España en los últimos 20 años. Revista Española de Cardiología. 2013; 66(9): 728-733.
  • García López M, Moreno Galdós L, Gavira Gómez J. Valvulopatías: concepto. Etiopatogenia. Clasificación. Medicine. 2009;10(41):2749-2754.
  • Gómez-Doblas J. Valvulopatías en la mujer: diferencias de sexo en España. Revista Española de Cardiología Suplementos. 2008; 8(4): 42-48.
  • Herrera Flores C, Zatarain-Nicolás E, Bermejo J, Fernández-Avilés. Cardio-oncología y cardiotoxicidad. Medicine – Programa de Formación Médica Continuada Acreditado. 2021; 13(41): 2390-2398.
  • Iung B, Bouleti C. Valvulopatías mitrales. EMC – Tratado de Medicina. 2017; 21(3): 1-12.
  • Lax J, Stutzbach P (coords.). Consenso de valvulopatías. Revista Argentina de Cardiología. 2015; 83(2 sup): 2-104.
  • Sáenz J, Martín A, Velasco A, Martín D. Valvulopatías en ancianos y situaciones especiales. Medicine 2005; 9(41): 2721-2728.
  • Zarco P. Panorama de la valvulopatía mitroaórtica. Monocardio. 2000; 4(2): 230-234.