O que são eletrólitos?

29 Janeiro, 2020
Os eletrólitos são substâncias do corpo humano com capacidade de carga elétrica. Estes são elementos fundamentais para o funcionamento normal do organismo, que podem ser perdidos e substituídos.
 

Possivelmente, os atletas estejam mais familiarizados com a existência dos eletrólitos. A hidratação está intimamente ligada ao assunto, bem como à publicidade gerada em torno dessas substâncias.

Os eletrólitos são substâncias minerais encontradas no sangue e também em outros fluidos corporais, como o interior das células. Sua particularidade é a capacidade de transportar cargas elétricas. Ou seja, o eletrólito pode se dissolver na água e conduzir eletricidade.

Para o organismo, eles são fundamentais. Como veremos, um desequilíbrio em alguns deles pode ser letal. Essas substâncias estão ligadas ao fluxo de água no corpo, ao pH do sangue – sua acidez – e à atividade dos músculos.

Os principais eletrólitos do corpo humano são sódio, cloro, cálcio, fósforo, magnésio e potássio. Para cada um deles existem valores de concentração sanguínea entre os quais são considerados normais. Por exemplo:

  • Para o potássio, os valores normais variam de 3,5-5,3 mEq / l.
  • O sódio tem valores normais entre 136-145 mEq / l.
  • O cloro é considerado normal entre 97-107 mEq / l.

Causas do desequilíbrio eletrolítico

Esse balanço normal de eletrólitos dentro do corpo que oscila entre determinados valores pode ver-se alterado. Alterações hormonais, doenças de órgãos como rins ou fígado e até o uso de medicamentos os afetam. Entre as causas mais comuns de desequilíbrio de eletrólitos temos:

  • Desidratação: quando o corpo entra em um período de desidratação não apenas perde líquido, mas também essas substâncias elétricas. Os eletrólitos são eliminados durante picos febris ou gastroenterites com vômitos e diarreia.
 
  • Síndrome de má absorção: existem patologias que alteram o processo de absorção de nutrientes pelo intestino. Se isso acontecer, os eletrólitos que são ingeridos podem não ingressar no organismo.
  • Doenças endócrinas: a diabetes ou o hipotireoidismo são exemplos de problemas hormonais que perturbam o equilíbrio do ambiente interno do corpo.
  • Quimioterapia: pacientes com câncer submetidos a tratamentos quimioterápicos são muito suscetíveis ao desequilíbrio eletrolítico. As equipes de tratamento do câncer devem sempre estar atentas ao processo para repor o que é perdido por causa do tratamento.
  • Medicamentos: além da quimioterapia, existem outros medicamentos de uso relativamente comum que causam perda de substâncias minerais, como os diuréticos e alguns corticosteroides.
  • Doenças renais: o rim tem entre suas tarefas a regulação de substâncias que saem do corpo. Quando falha, pode se tornar um perdedor de sódio, potássio, cálcio, fósforo e magnésio.
    A hidratação é crucial para manter o equilíbrio eletrolítico do corpo

Descubra: 7 razões pelas quais você pode sofrer de gastroenterite

Os desequilíbrios mais comuns

Existem anormalidades eletrolíticas mais frequentes que outras. Algumas são momentâneas e tendem a se corrigir automaticamente, enquanto outras precisam de intervenção externa para retornar aos valores normais.

 

Embora a maioria desses desequilíbrios não seja urgentemente grave, há situações complicadas. As consequências a longo prazo podem ser graves.

Com o cálcio, por exemplo, podemos ter hipocalcemia (menor quantidade no sangue) ou hipercalcemia (maior quantidade no sangue). Para as mulheres a hipocalcemia é um fator que aumenta o risco de osteoporose quando entram na menopausa. Por outro lado, a hipercalcemia pode levar a cálculos renais.

O sódio, tanto em excesso como deficiente, altera o funcionamento neuronal. A hiponatremia, que é o baixo nível de sódio, e a hipernatremia, que são os altos valores de sódio no sangue, causam irritabilidade e confusão. Em casos extremos, há convulsões.

O potássio é, talvez, o eletrólito no qual mais urgências podem se desenvolver. Os miocardiócitos, que são as células do músculo cardíaco, exigem valores específicos de potássio para que os batimentos cardíacos sejam o que devem ser. A falta de potássio no sangue é um gatilho para arritmias, com o consequente risco que elas implicam.

Pacientes com baixos níveis de potássio podem apresentar arritmias cardíacas

Nos estados de excesso de potássio no sangue, embora não haja urgência, certamente, recomenda-se a consulta de especialistas para rastrear problemas renais. Uma insuficiência renal pode ter a hipercalemia como a primeira manifestação, ou seja, o aumento do potássio no sangue.

 

Continue descobrindo: 7 sintomas que você experimenta quando seus rins começam a falhar

Fontes de eletrólitos

Sem dúvida alguma, é importante saber onde conseguimos eletrólitos em nossa dieta. Não apenas para substituir em caso de perda, mas também para organizar uma nutrição variada com base nessas necessidades diárias.

Além dos líquidos preparados com eletrólitos para a hidratação esportiva, os temos nos seguintes alimentos:

  • Cálcio: é encontrado em muitos peixes, principalmente na sardinha, no espinafre e nas amêndoas.
  • Fósforo: também existe fósforo nas amêndoas, assim como nas nozes. Carnes magras e ovos são fontes confiáveis ​​desse eletrólito, assim como produtos lácteos, como o queijo e o iogurte.
  • Sódio: beterraba, aipo, azeitonas e tomate.
  • Magnésio: em vegetais de folhas verdes, peixe e nozes. Há muito magnésio no chocolate.
  • Potássio: finalmente, o potássio pode ser encontrado em boa quantidade em vegetais de folhas verdes e em muitas frutas, como bananas e frutas cítricas.
 
  • DuBose TD. Disorders of acid-base balance. In: Skorecki K, Chertow GM, Marsden PA, Taal MW, Yu ASL, eds. Brenner and Rector’s The Kidney. 10th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2016:chap 17.
  • Ayus, Juan Carlos, C. Caramelo, and A. Tejedor. “Agua, electrolitos y equilibrio ácido-base.” Med. Panamericana (2007).
  • del Rosal Rabes, T., et al. “Alimentación parenteral, líquidos y electrolitos.” Protocolos de Neonatología.[aut. libro] AEP. Protocolos Diagnóstico Terapeúticos de la AEP: Neonatología (2008): 101-110.