O que é um vício e o que o está causando?

Para entender o que é um vício é preciso compreender as causas desse comportamento. Neste artigo contaremos a definição dos vícios e suas causas possíveis.
O que é um vício e o que o está causando?

Última atualização: 06 maio, 2022

Vícios são dependências irracionais e patológicas que uma pessoa apresenta a substâncias ou comportamentos. Para entender o que é um vício, devemos saber que existem diferentes tipos deles. No entanto, todos compartilham o mesmo ciclo de desenvolvimento.

Existem várias razões que afetam o aparecimento dessas doenças. O ambiente é um dos principais fatores de risco nesses comportamentos; crianças que crescem em ambientes disfuncionais são mais propensas a ter vícios, por exemplo.

A saúde física e mental são afetadas pela dependência. Mas, além disso, as relações interpessoais são prejudicadas. Neste artigo detalharemos exatamente o que é um vício, revisaremos o que o está causando e faremos algumas considerações sobre o tratamento.

Como um vício é definido?

Qualquer hábito que envolva uma dependência intensa e prejudicial pode ser definido como um vício. Esses costumes se caracterizam por começar como algo inofensivo; no entanto, eles evoluem rapidamente, fazendo com que as pessoas percam o controle de suas ações.

Os sinais e sintomas variam de acordo com o tipo de dependência. Os viciados em substâncias apresentam sinais físicos mais óbvios, como olhos vermelhos. Já nos vícios comportamentais, fica evidente o abandono de atividades importantes para a vida do paciente.

Os vícios em substâncias são mais prejudiciais do que os vícios comportamentais, como regra geral. É lógico pensar que quando uma substância nociva é metabolizada pelo organismo, as complicações são maiores.

Dependência de uma droga.
Os vícios relacionados a substâncias têm efeitos prejudiciais no corpo, que geralmente são mais óbvios.

Fases e sinais dos vícios

Os sintomas dessas doenças são variados. Devemos saber que, embora ocorra o mesmo ciclo de desenvolvimento, nem todos os vícios se expressam da mesma forma.

No que diz respeito à evolução da dependência, todos os doentes passam pelas seguintes fases:

  • Início da paixão: é a fase em que as pessoas iniciam o comportamento de vício. Caracteriza-se por uma percepção distorcida da realidade. Em outras palavras, o paciente é incapaz de ver o perigo por trás de suas ações. A satisfação do consumo ou atividade são mais fortes que o autocontrole e a razão.
  • Lua de mel: nesta fase o vício ainda não foi estabelecido. É quando todas as sensações gratificantes do consumo ou atividade são experimentadas sem consequências.
  • Traição: é neste ponto que a realidade começa a se estabelecer. O paciente se sente traído porque precisa lidar com as complicações de seu novo hábito . Independentemente disso, o comportamento se intensifica. As pessoas fazem coisas que não faziam antes para manter o vício.
  • Ruína: os efeitos satisfatórios são cada vez menores, e os viciados adotam uma atitude teimosa para manter a dependência. Neste momento, o que mantém o vício é a necessidade de evitar a abstinência.
  • Aprisionamento: ao atingir este estágio os viciados ficam desesperados, por terem perdido o controle de si mesmos. Ocorre o abandono de responsabilidades causado pela impulsividade de continuar a satisfazer a dependência.

Os sinais mudam à medida em que as fases progridem. Durante os estágios iniciais, as pessoas demonstram um estado de maior confiança. A partir da fase da traição é quando ocorrem intensas mudanças de comportamento e alterações físicas.

O que provoca um vício?

As causas exatas para os vícios não podem ser estabelecidas. O motivo para isso é a existência de múltiplos fatores externos e internos envolvidos .

As pessoas são muitas vezes iniciadas nesse comportamento por pressão social. No entanto, não é descartada a existência de componentes biológicos e hereditários como predisposição.

Alguns estudos mostram que filhos de pais dependentes de substâncias nascem predispostos à dependência de drogas. De qualquer forma, não devemos nos esquecer dos gatilhos ambientais. Garantir um ambiente saudável para os jovens é o principal fator de proteção.

Quando procurar ajuda profissional?

As consequências de um vício afetam a qualidade de vida em termos gerais. Eles não apenas reduzem a saúde física e mental do paciente, como também prejudicam suas relações com amigos e familiares. Nesse sentido, as pessoas próximas ao viciado também são afetadas pela situação negativa.

O ideal é fazer uma abordagem precoce para que o vício não atinja um estágio avançado. Quando o diagnóstico é feito a tempo, os pacientes têm mais possibilidade de melhora. É importante por muitas razões que as pessoas próximas motivem o paciente a ir à terapia.

Se suspeitarmos que um membro da família ou amigo está exibindo comportamentos de dependência, devemos fornecer apoio para superar esse problema. Não será fácil fazer com que a pessoa afetada consulte um profissional.

A equipe multidisciplinar deve ser composta por psicólogos e psiquiatras. Os familiares também podem participar de consultas para aprender a gerenciar as próprias emoções. Desta forma, o apoio dos cuidadores é essencial para que os tratamentos sejam realizados de forma adequada.

Leia também: A negação no vício

Tratamento das dependências

O tratamento consiste em diferentes etapas, nas quais psicólogos e psiquiatras participam juntos. Quando se trata de um vício em substâncias, a desintoxicação vem em primeiro lugar. Por outro lado, a orientação comportamental do psicólogo é necessária em todos os casos.

O psiquiatra pode prescrever alguns medicamentos para aliviar a dependência de substâncias como tabaco, álcool e opioides. Da mesma forma, a terapia de ativação comportamental tem demonstrado bons resultados no tratamento da ansiedade e depressão neste tipo de caso.

Acompanhamento psicológico para vícios.
O apoio psicológico para os vícios é uma parte fundamental do processo de recuperação.

Quando o vício é curado?

Nos casos em que a abordagem é precoce, os pacientes têm uma boa projeção de melhora. Com o tratamento adequado, os viciados podem superar a dependência e recuperar o controle de suas vidas. Em qualquer caso, os vícios não são curados de forma definitiva.

Os pacientes que conseguem lidar com a dependência precisam evitar tentações para não recair. Em suma, é uma patologia crônica que pode ser controlada em estágios iniciais, mas que não desaparece completamente.

This might interest you...
5 dicas para deixar os vícios definitivamente
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
5 dicas para deixar os vícios definitivamente

Os vícios são hábitos ou comportamentos perigosos que geram uma dependência na pessoa. Confira neste artigo 5 dicas incríveis para combatê-los.



  • Bertone, O. H. (1995). Genética y adicciones, su relación (Doctoral dissertation, Universidad del Salvador).
  • Alonso-Fernández, F. (2003). Las nuevas adicciones. Tea Ediciones.
  • Tapia Conyer, R. (1994). Las adicciones: dimensión, impacto y perspectivas. In Las adicciones: dimension, impacto y perspectivas (pp. 327-327).
  • Becoña Iglesias, E., & Cortés Tomás, M. (2016). Manual de adicciones para psicólogos especialistas en psicología clínica en formación.