O que é um perinatologista, especialista em medicina materno-fetal?

01 Janeiro, 2020
Quando confrontada com uma gravidez de alto risco, para proteger o bem-estar da mãe e do bebê, o ideal é que o perinatologista assuma o controle do pré-natal.

Com os avanços da ciência, surgem novas especializações, como a perinatologia, uma especialidade em medicina materna-fetal. O perinatologista é responsável pela avaliação e tratamento de gestações de alto risco e alterações fetais.

Desde a 28ª semana de gestação até a primeira semana de vida, o perinatologista pode ser recomendado pelo obstetra em casos de qualquer tipo de complicação. Isso dependerá de diferentes fatores, como idade da mãe, condições de saúde e diagnóstico do bebê.

Dados da Organização Mundial de Saúde indicam que as mortes prematuras de bebês foram reduzidas em 45% ao longo dos últimos 25 anos. E a perinatologia é, em parte, responsável por essas boas notícias.

Quando uma gravidez é considerada de alto risco?

Mulher grávida cansada

É considerada uma gravidez de alto risco quando a mulher tem menos de 18 anos ou mais de 40. Além disso, se ela:

  • Teve ou terá uma gravidez múltipla.
  • Sofre de alguma doença sexualmente transmissível.
  • Sofre de diabetes, antes da gravidez ou gestacional.
  • Teve abortos espontâneos ou parto prematuro no passado.
  • Tem pressão alta, antes da gravidez ou como resultado da gravidez.
  • Recebeu um diagnóstico pré-natal que indica que o bebê tem um defeito de nascença ou problemas de crescimento.

O que um perinatologista faz?

Em caso de gravidez de alto risco, o perinatologista fará um monitoramento continuamente. Entre outros aspectos, ele deve prestar atenção ao seguinte:

  • Prestar atenção médica após o parto em caso de complicações como sangramento excessivo, pressão alta, diabetes ou convulsões.
  • Realizar testes e procedimentos para descobrir alterações no feto.
  • Também nos casos em que os defeitos fetais são tratáveis, o perinatologista avalia as possibilidades de aplicar certas medidas corretivas.
  • Dará recomendações para o cuidado das mulheres e do feto durante o parto.
  • Ajudará no parto do bebê.

Alguns procedimentos podem ser muito invasivos e arriscados, como intervenções diretas dentro do útero, que hoje estão se tornando mais frequentes.

Procedimentos diagnósticos pré-natais

Mulher grávida consultando um perinatologista

O monitoramento fetal e a ultrassonografia são testes muito importantes para o bebê e a mãe, pois não trazem consequências negativas. Há outros testes que envolvem riscos consideráveis, portanto, é preciso que eles sejam realmente necessários.

1. Ultrassonografia

É um procedimento no qual são usadas ondas sonoras de alta energia que criam ecos e formam imagens do feto. A partir dessas imagens, é possível detectar alterações na formação do bebê.

2. Monitoramento fetal

Ele permite obter informações sobre a frequência cardíaca do feto e o estado do útero através da colocação de eletrodos na parede abdominal da mulher.

Além disso, há também o monitoramento intraparto, que mede a frequência cardíaca fetal em associação com as contrações do trabalho de parto.

3. Amniocentese

Este teste envolve a remoção de uma pequena quantidade de líquido amniótico por meio de uma punção com uma agulha fina que é inserida através da parede abdominal e do útero. A agulha é guiada por um ultrassom.

O líquido amniótico que envolve o feto contém células e produtos químicos fetais. Sua análise permite estudar possíveis distúrbios fetais.

4. Cordocentese

Perinatologista fazendo tratamento em grávida

É uma técnica invasiva através da qual o sangue é obtido a partir do cordão umbilical do feto. Isso é feito através de uma punção e o objetivo é determinar se existe alguma infecção ou doença genética.

Este teste deve ser realizado entre as semanas 17 e 18. Geralmente, é feito para confirmar os resultados da amniocentese. Também pode ser feito quando uma amostra de líquido amniótico insuficiente foi obtida ou o resultado for duvidoso.

5. Fetoscopia

A fetoscopia é a tecnologia capaz de resolver malformações, realizar biópsias ou cirurgias menores em um feto, mesmo no útero.

O fetoscópio, um fino instrumento de iluminação por fibra óptica, visualiza diretamente o feto, a placenta e o cordão umbilical. Assim, é possível especificar os procedimentos a serem seguidos, dependendo do diagnóstico realizado.

Procedimentos terapêuticos pré-natais

Os procedimentos terapêuticos pré-natais estão se tornando mais frequentes. Em geral, são muito invasivos, pois permitem corrigir algumas anomalias no bebê antes dele nascer. O objetivo desses procedimentos é reverter os danos ocorridos durante a gravidez.

O perinatologista, levando em consideração a ultrassonografia e a fetoscopia, pode corrigir defeitos simples do tubo neural ou tratar de forma transitória problemas como a hidronefrose e hidrocefalia.

Este especialista também pode realizar uma cordocentese para fins terapêuticos no tratamento da anemia, imunodeficiência congênita, insuficiência cardíaca e arritmias, entre outros problemas.

A abordagem mais avançada para tratar doenças pulmonares, obstrução urinária ou cardiopatia congênita é a abordagem direta do feto, seja com o útero fechado ou aberto.

Considerações finais

Perinatologista fazendo tratamento em grávida

É comum que gestações de alto risco exijam mais consultas médicas e ultrassonografias do que gestações de baixo risco. Evite ficar alarmada se o seu obstetra lhe disser para se consultar com um perinatologista.

Algumas mulheres mantêm consultas regulares com seu obstetra-ginecologista e consultam o perinatologista apenas para consultas muito específicas. Para outras, o perinatologista será o médico responsável durante toda a gestação.

Nota final

Quando o perinatologista lhe disser que é necessário realizar algum procedimento, peça que ele explique detalhadamente o que vai fazer, por que deve ser feito e quais riscos isso acarreta para você e seu bebê. Pergunte tudo o que você acha que é necessário.

O importante é deixar seu bebê saudável sem que o procedimento implique em qualquer risco para você.

  • Choose an obstetrician: American Pregnancy Association. (2015, August)
    americanpregnancy.org/planning/choosing-an-obstetrician/
  • Gynecology and obstetrics: maternal fetal medicine (high-risk pregnancies). (n.d.)
    hopkinsmedicine.org/gynecology_obstetrics/specialty_areas/maternal_fetal_medicine/services/maternal_fetal_medicine_high_risk_pregnancies/
  • What is a maternal-fetal medicine specialist. (n.d.)
    smfm.org/members/what-is-a-mfm
  • Fetal non-stress test (NST). (2015, July)
    americanpregnancy.org/prenatal-testing/non-stress-test/