Alopecia androgenética: sintomas, causas e tratamento

31 de dezembro de 2019
A alopecia androgenética afeta homens e mulheres. Atualmente, não há cura disponível para esse problema, mas existem alguns tratamentos que ajudam a controlá-lo.

A alopecia é uma perda de cabelo anormal, que pode ser desencadeada por vários fatores, como afinamento dos cabelos e diminuição progressiva dos folículos. A alopecia androgenética, por outro lado, ocorre quando essas alterações são determinadas geneticamente e com a influência de alguns hormônios.

Embora seja chamado de alopecia androgenética, esse tipo de calvície afeta tanto homens como mulheres. Não é devido a uma doença ou outro distúrbio, mas é determinado principalmente por fatores hereditários.

É normal que todos os dias percamos cabelo, porque está sempre em constante renovação. Normalmente, 50 a 100 cabelos são eliminados diariamente. Entretanto, quando a perda excede esse número, fala-se de um processo de alopecia. Com o tempo, pode levar à calvície total.

O que é alopecia androgenética?

A alopecia androgenética afeta tanto homens como mulheres

A alopecia androgenética é a forma mais comum de calvície entre a população masculina. Entretanto, como indicamos anteriormente, também pode afetar as mulheres. Aliás, alguns primatas, como chimpanzés e orangotangos, também sofrem com esse tipo de calvície.

A alopecia androgenética também é conhecida como alopecia androgênica ou pela sigla AGA. Acredita-se que afeta cerca de 60% dos homens, ao longo da vida, e provavelmente 25% das mulheres.

Entretanto, o que a distingue de outras formas de alopecia é a sua causa. A perda de cabelo é determinada geneticamente e, nesse processo, os hormônios masculinos influenciam. Aproximadamente 80% dos homens têm algum grau dessa calvície, após os 70 anos.

Descubra: Minoxidil: tratamento contra alopecia e perda de cabelo

Causas da alopecia androgenética

A alopecia androgenética nos homens é originada por causas genéticas e hormonais. No entanto, também existem casos em que ocorre sem histórico familiar desse problema. Nos homens, a coroa e a área frontal superior são mais sensíveis à ação dos hormônios masculinos (andrógenos) nos folículos capilares.

Os andrógenos fazem com que os folículos capilares fiquem cada vez menores. Sem tratamento, eles eventualmente desaparecem. O mais comum é que os primeiros sintomas da calvície apareçam precocemente, entre as idades de 20 e 25, nos homens.

No caso da alopecia androgenética feminina, há também o fator genético e outros fatores concomitantes. Em alguns casos, o processo é semelhante ao dos homens. Se o aumento de andrógenos ocorrer antes da menopausa, é definido como precoce. Se ocorrer após a menopausa, é chamado de “tardio”.

Por outro lado, esse tipo de alopecia em mulheres pode estar associado a outros fatores, como deficiência de ferro e de vitaminas, distúrbios hormonais, anorexia nervosa, tumores ovarianos ou adrenais e outras doenças.

Sintomas

Calvície masculina

O sintoma típico da alopecia androgenética masculina é o aparecimento de pequenas áreas sem pelos, principalmente na testa e na coroa. A princípio, isso só é perceptível quando o cabelo está molhado ou a cabeça está sob luz intensa. Existem sete graus desse tipo de alopecia, mas nem todos os homens atingem o nível mais alto.

Nas mulheres, a área sem pelos é mais perceptível na região parietal, mais precisamente na risca que divide o cabelo ao meio. Esta linha aumenta pouco a pouco. Dependendo da escala obtida, essa alopecia tem três ou cinco graus de progresso. Se não for tratada, pode levar à calvície total.

Leia também: Vitamina para combater alopecia

Tratamentos contra alopecia androgenética

Atualmente, existem muitos tratamentos disponíveis para a alopecia androgenética. No entanto, nenhum deles resolve o problema para sempre e todos oferecem apenas resultados a longo prazo. Em muitos casos, é necessário manter o tratamento por toda a vida. O objetivo inicial é retardar o processo e aumentar a densidade capilar ou engrossar o cabelo.

Dependendo de cada caso, podem ser usados diferentes tipos de tratamento. Pode ser farmacológico, com dutasterida ou finasterida. Também se pode utilizar um tratamento tópico com micro-injeções de Minoxidil ou dutasterida. Além disso, às vezes é feito um tratamento com plasma rico em plaquetas, laser de baixa potência, microagulhamento ou análogos de prostaglandinas.

Às vezes, é recomendável fazer um transplante de cabelo, que consiste em uma cirurgia minimamente invasiva e com muito bons resultados. No caso das mulheres, os mesmos tratamentos são utilizados. Entretanto, o tratamento farmacológico mais indicado é o uso de antiandrogênicos prescritos pelo dermatologista.

  • Ho CH, Zito PM. Androgenetic Alopecia. [Updated 2019 May 18]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK430924/
  • Pindado-Ortega, C., Saceda-Corralo, D., Buendía-Castaño, D., Fernández-González, P., Moreno-Arrones, O. M., Fonda-Pascual, P., … & Vañó-Galván, S. (2018). Estudio transversal acerca de los hábitos de prescripción en alopecia androgénica de los dermatólogos en España en 2017. Actas Dermo-Sifiliográficas, 109(6), 536-542.
  • Cranwell W, Sinclair R. Male Androgenetic Alopecia. [Updated 2016 Feb 29]. In: Feingold KR, Anawalt B, Boyce A, et al., editors. Endotext [Internet]. South Dartmouth (MA): MDText.com, Inc.; 2000-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK278957/
  • Stevens J, Khetarpal S. Platelet-rich plasma for androgenetic alopecia: A review of the literature and proposed treatment protocol. Int J Womens Dermatol. 2018;5(1):46–51. Published 2018 Sep 21. doi:10.1016/j.ijwd.2018.08.004