O que é psicologia positiva e para que serve?

A psicologia positiva se concentra no bem-estar das pessoas. Isso é feito a partir de uma abordagem científica. O analisaremos a seguir
O que é psicologia positiva e para que serve?

Última atualização: 19 junho, 2022

“O tratamento não se trata apenas de consertar o que está quebrado, mas também de nutrir o melhor de nós.” Essa é uma das ideias centrais que Martin Seligman, uma das principais referências da psicologia positiva, busca transmitir.

Então, trata-se de acompanhar as pessoas para que elas reconheçam quais são suas qualidades e pontos fortes. Este é o trampolim que contribui para o seu bem-estar e para a melhor resolução das dificuldades.

O que é psicologia positiva?

Seligman é um dos criadores junto com Mihály Csíkszentmihályi. Para eles, a psicologia positiva é aquela que se concentra no desenvolvimento do potencial das pessoas, enfatizando suas forças e virtudes. Um de seus pressupostos fundamentais é que, ao focar nos recursos dos sujeitos, sua qualidade de vida pode ser melhorada.

A partir daí, a psicologia positiva se posiciona criticamente em relação ao modo como a psicologia em geral vinha trabalhando: com uma abordagem do déficit ou da falta, tornando-se um modelo ou sinônimo de psicopatologia, ao invés de reforçar o potencial do ser humano.

“Psicologia positiva é o estudo científico de experiências positivas, traços individuais positivos, instituições que facilitam seu desenvolvimento e programas que ajudam a melhorar a qualidade de vida dos indivíduos, enquanto previne ou reduz a incidência de psicopatologia”

~ Seligman ~

Para Seligman, a psicologia tradicional carrega consequências lógicas de uma psicologia do pós-guerra, orientada para reparar os danos causados. Por isso, a psicologia positiva se concentra em estratégias voltadas ao reconhecimento de pontos fortes e ao desenvolvimento de recursos, para acompanhar as pessoas no caminho para uma vida mais plena, com bem-estar e qualidade. É possível aprender a ser feliz.

A ênfase é colocada na gestão das emoções, em contato com aquelas experiências que nos motivam, que nos mostram um propósito. Assim como é importante curar essa ferida do passado, na psicologia positiva considera-se que o autoconhecimento, a autoestima, a resiliência e a introspecção são igualmente importantes.

Também é fundamental notar que a psicologia positiva é uma maneira de amarrar as pontas soltas de outras teorias. Conceitos como o apego de Bowlby, a teoria das necessidades de Maslow e a inteligência emocional de Goleman são algumas das ideias que focaram mais no que é bom e menos na psicopatologia.

A psicologia positiva conseguiu formar um corpo de ideias e conceitos científicos sobre felicidade e bem-estar.
Psicologia positiva do bem-estar.
Promover o positivo é promover as melhores características das pessoas.


Para que serve a psicologia positiva?

Alguns dos objetivos perseguidos a partir desta abordagem são os seguintes:

  • Identificar nossas metas e objetivos, orientando-nos para o que queremos.
  • Adotar uma atitude otimista e resiliente. Isso significa ser capaz de pensar que as coisas podem ir bem. Não significa ser ingênuo, mas assim como concedemos momentos de preocupação a certos pensamentos, também devemos gastar tempo imaginando cenários favoráveis e satisfatórios. Por sua vez, implica reconhecer a oportunidade apesar da crise e considerar as situações como fontes de aprendizado.
  • Lidar com o aqui e agora. A ansiedade orientada para o futuro e a depressão orientada para o passado nos desviam do tempo e do espaço em que podemos agir e ser protagonistas.

O modelo PERMA de psicologia positiva

O modelo proposto por Seligman inclui os seguintes componentes:

  • Emoções positivas (Positive emotions) : Refere-se ao contato com emoções positivas e agradáveis, como esperança, alegria e gratidão.
  • Compromisso (Engagement): é a conjunção entre o desejo e o fazer. É entrar em um estado que nos permite fluir no compromisso.
  • Relacionamentos (Relationships): concentra-se em estabelecer relacionamentos saudáveis, respeitosos e recíprocos.
  • Propósito (Meaning): é o fato de podermos dar sentido ao que fazemos.
  • Conquistas (Accomplishment): é a conquista de resultados que nos causam satisfação e nos motivam a seguir em frente. Isso gera uma retroalimentação positiva.
Modelo PERMA para psicologia positiva.
A felicidade que se busca como objetivo com o modelo PERMA é o desenvolvimento pessoal em direção ao bem-estar.

Psicologia positiva não é o mesmo que positividade tóxica

É importante notar que a psicologia positiva não promove a positividade tóxica como uma bandeira, aquela que toma a felicidade como um mandato acrítico. Pelo contrário, promove o trabalho com as emoções, com o seu reconhecimento e gestão.

As pessoas passam muito tempo pensando em como mudar seus pontos fracos, mas gastam pouco tempo pensando em como desenvolver seus pontos fortes. Este é um bom resumo do que a psicologia positiva promove.

A felicidade também está nas pequenas coisas do dia a dia. Por exemplo, fazer uma pausa e beber café ou passear com o cachorro. Nesse sentido, cada pessoa saberá identificar o que lhe faz bem, pois não existem receitas universais.

As emoções positivas são uma fonte de saúde e bem-estar. Daí a importância de se conectar com elas. Além do fato de existir pesquisas a esse respeito, hoje ninguém duvidaria do papel essencial das atitude e dos pensamentos positivos na recuperação de uma pessoa após um acidente ou doença.

Finalmente, vale a pena notar que a psicologia positiva não é uma mera declaração de intenções. Possui respaldo científico e estudos que atestam as bases de sua proposta.

Pode interessar a você...
Quais são as diferenças entre filosofia e psicologia?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quais são as diferenças entre filosofia e psicologia?

A filosofia e a psicologia têm abordado temas comuns. No entanto, são duas disciplinas diferentes. A seguir, vamos contar como elas diferem.



  • Contreras, Francoise, & Esguerra, Gustavo. (2006). Psicología positiva: una nueva perspectiva en psicología. Diversitas2(2), 311-319. Recuperado em 26 de maio de 2022, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1794-99982006000200011&lng=pt&tlng=es.
  • Lupano Perugini, María Laura, & Castro Solano, Alejandro. (2010). PSICOLOGÍA POSITIVA: ANÁLISIS DESDE SU SURGIMIENTO. Ciencias Psicológicas4(1), 43-56. Recuperado en 26 de mayo de 2022, de http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1688-42212010000100005&lng=es&tlng=es.