O que comer depois de sofrer um ataque cardíaco?

21 de junho de 2019
Uma dieta saudável, atividade física regular e abandonar o cigarro são medidas necessárias para evitar situações que ponham em risco a sua saúde. Os seguintes alimentos são os que você deveria incluir na sua alimentação logo depois de sofrer um infarto ou para preveni-lo.

Muito se fala sobre o tipo de alimentação que devemos escolher para manter-nos saudáveis. Mas há uma orientação específica que indica o que comer depois de um ataque cardíaco ou para prevenir que aconteça novamente. Neste artigo daremos alguns conselhos sobre como deveria ser a sua alimentação.

Depois de um infarto, o paciente deve respeitar as restrições estabelecidas por seu médico para recuperar-se e manter um estado saudável.

Ataque cardíaco e hábitos saudáveis

De acordo com as estatísticas da Organização Mundial da Saúde, em 2012, as mortes relacionadas com doenças cardiovasculares foram de mais de 17 milhões de pessoas. Revelam também que 80% dos infartos de miocárdio ou de acidente vascular cerebral (AVC) podem ser prevenidos.

Uma dieta saudável, atividade física regular e o abandono de hábitos tóxicos são necessários para evitar episódios que arrisquem a sua vida. Os seguintes alimentos são os que você deveria incluir em sua alimentação depois de um ataque cardíaco ou para prevenir esse problema no futuro.

O que comer depois de um ataque cardíaco?

O que comer depois de um ataque cardíaco para que não se repita

Depois de um infarto de miocárdio os fatores de risco devem ser muito controlados. Entre eles encontramos o colesterol, a glicose e a pressão arterial.

Os pacientes que sofreram um infarto devem manter os níveis de colesterol e de glicose no sangue baixos. Além disso, a pressão arterial deve ser controlada também. Isso é possível com a medicação adequada, com exercício físico e com a dieta.

A alimentação mais saudável para os doentes cardíacos é a dieta mediterrânea. Porque ela é rica em verduras, frutas, cereais integrais e peixe, além de algumas porções de carne magra preparada na grelha. Tudo isso preparado com azeite de oliva extra virgem e com pouco sal. Aliás, este tempero pode ser substituído por ervas aromáticas e especiarias.

Os laticínios, como o leite e o iogurte, devem ser consumidos para uma dieta equilibrada, mas em sua versão desnatada.

Preocupado com o seu coração? Então não deixe de ler: Os 6 melhores esportes para prevenir infartos

O que comer depois de sofrer um ataque cardíaco

Frutas e verduras

De acordo com a Fundação Espanhola do Coração, uma dieta rica em frutas e verduras eleva a concentração de potássio e de magnésio. Isso protege o coração contra transtornos do ritmo cardíaco. Além disso, reduz a concentração de sódio relacionado com a pressão arterial.

Azeite de oliva extra virgem

O azeite de oliva protege o coração

Este é um exemplo de alimento saudável para o coração e é a base da dieta mediterrânea.

O azeite de oliva brinda importantes benefícios para a saúde. Quatro colheres de azeite de oliva por dia, acompanhadas de uma dieta mediterrânea saudável e equilibrada diminuem as possibilidades de um ataque cardíaco ou de uma apoplexia.

Frutos secos

Os frutos secos são uma fonte excepcional de nutrientes saudáveis e possuem uma grande quantidade de gorduras monoinsaturadas. As nozes, por exemplo, também são ricas em ômega 3, uma gordura poli-insaturada diretamente vinculada à saúde do coração.

Possui também L-arginina, um aminoácido que favorece a produção de óxido nítrico que ajuda a regular a pressão arterial. Outra de suas substâncias são os fitosteróis. São compostos vegetais que ajudam a reduzir o colesterol bloqueando a sua absorção no intestino.

Chás

Todos os tipos de chá possuem catequina, um elemento que ajuda a manter a pressão arterial equilibrada. Aliás, inibe a síntese do colesterol e previne coágulos de sangue. Além disso, possui quercetina que melhora as funções dos vasos sanguíneos.

Peixe azul

Comer peixe azul ajuda a manter o coração saudável

Assim como o azeite de oliva, o peixe é rico em gorduras saudáveis e protegerão nosso coração.

Depois de um infarto, nossa dieta deveria excluir as gorduras saturadas. entretanto, em nenhum caso podemos nos esquecer das insaturadas. Estas podem ser encontradas nos peixes gordurosos como, por exemplo, o salmão, a cavala ou a truta.

Cereais integrais e legumes

De acordo com um artigo da Associação Espanhola do Coração, o salvado, que é a casca que protege a semente do cereal, ajuda a desacelerar a absorção dos açúcares e diminui o colesterol no sangue.

Por outro lado, os legumes são uma excepcional fonte de proteínas de origem vegetal, portanto, uma ótima escolha por seu conteúdo de fibras e minerais.

Leia também: Infarto feminino: 7 sintomas que costumam passar despercebidos

Quais alimentos não são aconselháveis depois de um ataque cardíaco?

Qualquer alimento que inclua em sua receita colesterol ou gorduras trans deve ser eliminado da dieta depois de um infarto do miocárdio.

Depois de um infarto, o paciente deve seguir uma dieta saudável para seu coração. Por isso, deve evitar alimentos que contenham gorduras saturadas, trans e colesterol. Entre eles: os laticínios integrais, a manteiga, carnes gordurosas e os açúcares.

Também não são aconselháveis os embutidos, tanto por seu conteúdo de gorduras prejudiciais, como pela grande quantidade de sódio, pastelaria industrial (rica em gorduras trans) e alimentos pré-cozidos.

Por último, não se esqueça de que é muito importante realizar atividade física moderada. Entretanto, sempre seguindo a orientação do seu médico. Depois de um infarto, a atividade física é uma grande aliada para melhorar a saúde de nosso coração.

  • Lorenzatti, A., Guzman, L. A., & Cuneo, C. A. (1999). Nuevos factores de riesgo cardiovascular. Rev Fed Arg Cardiol, 28(539-544).
  • Socarrás Suárez, M. M., & Bolet Astoviza, M. (2010). Alimentación saludable y nutrición en las enfermedades cardiovasculares. Revista Cubana de Investigaciones Biomédicas, 29(3), 353-363.
  • Aldaz Jiménez, A. (2008). Cambios en la capacidad física que experimentan los pacientes con enfermedades cardiovasculares al realizar rehabilitación cardíaca: enero 2007.