O colesterol dos frutos do mar

Os ácidos graxos ômega 3 são capazes de modular positivamente o perfil lipídico e reduzir o risco cardiovascular. Saiba mais sobre o colesterol dos frutos do mar a seguir.

Última atualização: 10 Janeiro, 2021

Como outros produtos de origem animal, os frutos do mar contêm colesterol em sua composição. No entanto, este não é um fato preocupante.

Até alguns anos atrás, a ingestão desse nutriente na dieta era limitada, pois acreditava-se que essa contribuição poderia modificar os valores séricos da lipoproteína LDL. No entanto, foi demonstrado que esse não é o caso.

Por esse motivo, as diretrizes alimentares atuais são muito mais permissivas quando se trata de consumir alimentos gordurosos. Apesar de incentivarem o consumo de gorduras polinsaturadas, com efeitos benéficos sobre o perfil lipídico, não são tão restritivas com os lipídios saturados ou com alimentos ricos em colesterol.

O colesterol e as doenças cardiovasculares

Atualmente, duvida-se da influência do colesterol total sobre o risco cardiovascular. De fato, as chances de desenvolvimento de placas de ateroma se vinculam à oxidação de uma pequena fração do colesterol LDL, conforme declarado em um artigo publicado na revista Current Medicinal Chemistry.

Por esse motivo, os padrões alimentares atuais se concentram em evitar esse processo oxidativo. Para isso, concentram-se no consumo de vegetais ricos em fitonutrientes com potencial antioxidante.

No entanto, a modulação do perfil lipídico pode ser benéfica na redução dos marcadores associados à saúde metabólica. Ainda assim, isso não significa que seja preciso eliminar a ingestão de colesterol, mas moderar o consumo de certos grupos alimentares.

Você também pode estar interessado: 5 alimentos que ajudam a combater as gorduras saturadas

Evitar as gorduras trans para modular o colesterol

Ao procurar aumentar o colesterol HDL, ao qual são atribuídas propriedades cardioprotetoras, é essencial controlar a ingestão de lipídios do tipo trans na dieta. Assim, é necessário reduzir a ingestão de produtos processados, fritos e empanados.

O fato de submeter os óleos vegetais a altas temperaturas promove a gênese desses tipos de compostos inflamatórios, prejudiciais à saúde. Sua ingestão regular não está associada apenas a uma piora do perfil lipídico, mas a um risco aumentado de desenvolver doenças complexas. Isto é afirmado em um artigo publicado na revista Cardiology.

Alimentos que melhoram o perfil lipídico

Da mesma maneira que certos produtos podem piorar a saúde cardiovascular e o perfil lipídico, existem outros alimentos capazes de melhorar os dois parâmetros.

Um exemplo deles são os ácidos graxos ômega 3, responsáveis ​​pela redução da inflamação sistêmica. Esses tipos de nutrientes são encontrados principalmente nos peixes oleosos e nas oleaginosas. Recomenda-se que sua ingestão seja regular para manter um bom estado de saúde. 

Além disso, como comentamos anteriormente, o consumo regular de alimentos ricos em antioxidantes é essencial. Essas substâncias são responsáveis ​​por impedir a oxidação da lipoproteína LDL, que pode ter um impacto positivo na saúde. Especialmente os frutos vermelhos e silvestres, como os mirtilos, são muito ricos neste tipo de nutrientes.

Para saber mais: O que são os ácidos graxos ômega 3, ômega 6 e ômega 9?

O colesterol na dieta e os frutos do mar

O colesterol dietético não é tão preocupante quando se busca uma redução no risco cardiovascular, nem se o objetivo é modular o perfil lipídico. Por esse motivo, o colesterol dos frutos do mar e dos os ovos são permitidos no âmbito de uma dieta saudável.

Se houver propensão a desenvolver patologias relacionadas ao ácido úrico, é necessário ter cuidado com os frutos do mar.

Em condições normais, os frutos do mar são classificados como saudáveis e como fontes de proteína de alta qualidade. Esse recurso os torna necessários para pessoas sedentárias e atletas.

Dieta saudável para melhorar o perfil lipídico

Embora seja verdade que a importância do colesterol ainda é duvidosa no estabelecimento do risco de doença cardiovascular, é necessário melhorar o perfil lipídico o máximo possível. Para isso, é necessário garantir a ingestão de alimentos ricos em antioxidantes, bem como de produtos com caráter anti-inflamatório.

É uma boa opção reduzir ou restringir a ingestão de produtos processados. Os alimentos frescos e naturais devem ser os protagonistas indiscutíveis da dieta. Os frutos do mar, juntamente com outros produtos do reino animal, podem fazer parte da dieta regular pois são classificados como saudáveis. Assim, o colesterol dos frutos do mar não modifica negativamente o risco cardiovascular.

Pode interessar a você...
Mejor con SaludLeerlo en Mejor con Salud
O que são os ácidos graxos ômega 3, ômega 6 e ômega 9?

Você já ouviu falar dos ácidos graxos ômega 3, 6 e 9? Neste artigo, vamos falar sobre cada um deles e explicar quais são os seus benefícios.



  • John Kattoor A., Kanuri SH., Mehta JL., Role of ox LDL LOX1 in atherogenesis. Curr Med Chem, 2019. 26 (9): 1693-1700.
  • Wilczek MM., Olszewski R., Krupienicz A., Trans fatty acids and cardiovascular disease: urgent need for legislation. Cardiology, 2017. 138 (4): 254-258.
  • Cachofeiro, V. (2009). Alteraciones del colesterol y enfermedad cardiovascular. Lopez Farré A., Macaya Miguel C. et al Libro de la salud cardiovascular. 1ª ed. Bilbao: Fundación BBVA, 131-139.