Nódulos de gordura nas costas: tudo que você precisa saber

29 Outubro, 2020
Os nódulos de gordura nas costas são comuns e causam preocupação entre as pessoas que sofrem com eles. É necessário diferenciá-los de outras patologias para aplicar o tratamento adequado.

A descoberta de nódulos de gordura nas costas causa preocupação na pessoa que os encontra. Às vezes, não se trata de apenas um, mas de um maior que é acompanhado por outros menores, e isso desperta ainda mais apreensão.

De qualquer forma, é importante estabelecer um diagnóstico diferencial do nódulo. Ou seja, embora possa parecer um pedaço de gordura, pode ser outra patologia, como um cisto sebáceo ou furúnculo.

Embora seja verdade que a gordura é a causa mais frequente desse sintoma, não custa nada agendar uma consulta médica para estabelecer o que realmente é. Às vezes, o exame clínico é suficiente para determinar a origem do nódulo, sem a necessidade de mais estudos.

Especificamente, um acúmulo de gordura na pele é chamado de lipoma. O nome se refere à sua formação, que consiste em adipócitos – células com lipídios.

Os lipomas não são malignos e geralmente são limitados a um tamanho que não afeta outras estruturas do corpo. No entanto, há casos de lipomas gigantes e lipomas internos que podem levar a complicações inesperadas, a ponto de interromper o funcionamento de outros órgãos.

Diagnóstico diferencial dos nódulos de gordura nas costas

Como antecipamos, a existência de um nódulo de gordura nas costas requer um diagnóstico diferencial. Temos que avaliar se estamos lidando com um lipoma ou outra lesão de pele com sintomas semelhantes. A seguir, detalharemos os três mais comuns.

Mulher com acne nas costas
Diante da presença de nódulos de gordura nas costas, é necessário obter um diagnóstico diferencial. Assim, o tipo de lesão poderá ser determinado.

1. Lipoma

Este é o nódulo de gordura clássico. Seu crescimento é lento, progressivo, e se torna evidente quando o paciente o descobre, às vezes por acidente. Não é doloroso e atinge um ponto de equilíbrio em que para de crescer – com as exceções que mencionamos. Se for pequeno, os médicos geralmente recomendam não fazer nada. Se for grande ou esteticamente incômodo, é removido com cirurgia local.

2. Furúnculo

O furúnculo é uma infecção do folículo piloso. Pode aparecer nas costas, principalmente na área inferior, onde há uma maior presença de pelos. Às vezes dói, e às vezes não. A dor costuma ser associada a uma infecção.

Se houver infecção, há presença de pus que faz pressão para sair; essa é uma diferença em relação ao lipoma, que não possui secreções. O tratamento de um furúnculo consiste no uso de antibióticos se houver infecção, drenagem se houver pus, e lavagens locais com antissépticos.

3. Cisto sebáceo

Esta lesão é muito semelhante aos lipomas em sua composição, pois possui gordura no interior. A diferença histológica é que possui um revestimento de cisto e algum líquido dentro. Quase nunca dói, mas pode infeccionar, como o furúnculo.

É móvel ao toque e até afunda um pouco com a pressão. Como um lipoma, o tratamento é baseado no tamanho e desconforto que causa; se for necessário fazer a remoção, uma cirurgia local é realizada.

Talvez você possa se interessar: Dicas para remover as espinhas da virilha

Sintomas e fatores de risco

O nódulo de gordura ou lipoma é comum nas costas, embora também possa aparecer nos membros superiores e no pescoçoÉ estranho observá-los nos membros inferiores.

Quando tocado, o lipoma apresenta uma certa mobilidade e suavidade. Diante da pressão, ele pode afundar minimamente, mas não é líquido como um cisto, por isso oferece alguma resistência à palpação. Geralmente é fácil para o médico identificá-lo, pois o toque é característico.

O tamanho dos nódulos de gordura não excede 4-5 centímetros na grande maioria dos casos. Se for maior, já falamos sobre um lipoma gigante, que vai demandar uma abordagem diferente, pois este penetra estruturas mais profundas e sua remoção não é tão fácil quanto nos outros casos.

A origem dos lipomas não é conhecida com exatidão. Supõe-se que exista algum tipo de fator genético, uma vez que pedaços de gordura aparecem repetidamente em grupos familiares com essa tendência. No entanto, não há estudos conclusivos a esse respeito.

Em relação à idade, o grupo mais afetado é o dos adultos, entre 30 e 60 anos. Também não há informações claras sobre por que ele é distribuído dessa maneira.

Lipoma no abdômen
Os lipomas podem ser grandes em alguns pacientes, afetando a funcionalidade de outros órgãos.

Continue lendo: Tudo que você precisa saber sobre a acantose pigmentar

Como identificar um nódulo de gordura nas costas?

Uma consulta médica deverá ser agendada ao detectar um nódulo de gordura nas costas, para que se possa fazer o diagnóstico diferencial. O médico poderá distinguir rapidamente se é um lipoma ou outro tipo de formação. Da mesma forma, ele indicará métodos de tratamento com base na gravidade.

Alguns sintomas adicionais alertam para a necessidade de se consultar mais rapidamente, como:

  • Aumento do tamanho do nódulo
  • Presença de pus que sai para o exterior
  • Endurecimento do suposto lipoma com perda de mobilidade e suavidade
  • Glândulas inchadas perto da região afetada

Preste atenção aos nódulos de gordura

Embora benignos, os lipomas requerem atenção. É melhor consultar um médico e obter um diagnóstico diferencial do que ficar em dúvida, principalmente se estes estiverem associados a sintomas que causam suspeita de infecção, compressão de estruturas próximas ou aumento de tamanho.

  • Laín, Alberto Lozano, and José Alberto Codina Silva. “Enucleación quirúrgica de quiste sebáceo en la región mandibular.” Revista Mexicana de Estomatología 4.1 (2017): 37.
  • Monsel, G., V. Pourcher, and E. Caumes. “Infección cutánea bacteriana.” EMC-Tratado de Medicina 22.2 (2018): 1-7.
  • Michal, Michael, et al. “Dysplastic Lipoma.” The American journal of surgical pathology 42.11 (2018): 1530-1540.
  • Lipoma, Endobronchial. “Endobronchial lipoma.” Singapore Med J 58.8 (2017): 510-511.
  • Shanks, John A., W. Paranchych, and J. Tuba. “Familial multiple lipomatosis.” Canadian Medical Association Journal 77.9 (1957): 881.