Nifedipina: usos e precauções

A nifedipina deve ser usada com cautela quando administrada sozinha para o tratamento de angina instável. Além disso, este medicamento tem uma ação antiplaquetária, e por isso pode aumentar o tempo de sangramento. Saiba mais neste artigo.

Última atualização: 30 Janeiro, 2021

A nifedipina é um medicamento usado para tratar diferentes problemas cardiovasculares devido ao efeito vasodilatador e hipotensivo que apresenta.

Também é conhecida pelo nome de nifedipino. Pertence à família das di-hidropiridinas, um grupo de medicamentos que se juntam aos receptores de cálcio, bloqueando-os.

Como resultado dessa interação, a nifedipina consegue desencadear um efeito vasodilatador e hipotensivo que é bastante poderoso e útil para o tratamento, principalmente de casos de angina e de pressão alta.

O que é a angina?

A angina, uma das principais doenças para as quais a nifedipina é indicada, é uma condição que causa dor no peito devido a uma diminuição considerável do fluxo sanguíneo para o coração.

Ou seja, as artérias que levam sangue ao coração ficam bloqueadas e, portanto, este órgão não recebe sangue suficiente. Isso causa uma série de sintomas.

Pacientes descrevem a angina como uma espécie de compressão, pressão ou dor no peito, como se tivessem colocado um peso nesta região do corpo.

Existem diferentes tipos de angina. Entre as mais comuns, podemos encontrar:

  • Angina estável: geralmente aparece durante o exercício físico. Nesta situação, o coração precisa de mais sangue, mas o músculo tem mais dificuldade em obter sangue suficiente se as artérias estiverem bloqueadas ou estreitadas.
  • Angina instável: esta patologia não melhora em repouso e não se alivia com tratamentos padrão. Ocorre quando um coágulo sanguíneo se forma e entope completa ou parcialmente as artérias que levam sangue ao coração, ou algum vaso sanguíneo do coração. É uma doença perigosa que requer intervenção médica imediata.

Há uma série de fatores de risco que aumentam a possibilidade de desenvolver esta doença e que, portanto, devem ser evitados na medida do possível. Entre eles, encontramos:

  • Hipercolesterolemia.
  • Sedentarismo e estresse.
  • Idade avançada.
  • Fatores genéticos.

Descubra também: As doenças cardíacas não afetam apenas o coração

Como a nifedipina age no corpo?

A nifedipina, como vimos, tem efeitos hipotensivos e vasodilatadores. Para desencadear esses tipos de efeitos, ela antagoniza receptores de cálcio encontrados no coração e nas paredes dos vasos sanguíneos.

Especificamente, bloqueia canais de cálcio que dependem da tensão para ativação. Acima de tudo, afeta os vasos responsáveis pela circulação periférica. Dessa forma, consegue relaxar a musculatura vascular lisa e desencadeia a vasodilatação da artéria periférica e coronária.

Quanto à vasodilatação periférica, a nifedipina consegue reduzir a resistência de pós-carga, o que significa que facilita a expulsão do sangue do coração para o resto do corpo.

Além disso, também provoca vasodilatação coronária, aumentando o fluxo sanguíneo coronário e a oxigenação do coração. Dessa forma, justifica-se a eficácia deste medicamento para o tratamento da angina.

Leia também: O impacto do ômega 3 para pressão alta: tratamento e efeitos colaterais

Precauções da nifedipina e reações adversas

Este medicamento deve ser usado com cautela quando administrado sozinho para o tratamento de angina instável. Além disso, a nifedipina tem uma ação antiplaquetária, por isso pode aumentar o tempo de sangramento. A cautela também deve ser exercida porque pode piorar o quadro clínico da cardiomiopatia obstrutiva.

Finalmente, no que diz respeito às precauções, ainda não foram realizados estudos suficientes sobre a secreção deste medicamento pelo leite materno. Por essa razão, embora pareça que apenas pequenas quantidades de nifedipina passam para o leite materno, recomenda-se usar este medicamento com cautela em mulheres que estão amamentando.

Quanto às reações adversas, como todos os medicamentos comercializados, a nifedipina pode desencadear uma série de efeitos colaterais a serem levados em conta ao iniciar o tratamento com esta droga.

Entre as reações adversas mais comuns relatadas em estudos, podemos citar as seguintes:

  • Tonturas, dores de cabeça ou edema periférico.
  • Hipotensão ou insuficiência cardíaca.
  • Alterações digestivas.
  • Ansiedade.

Conclusão

A nifedipina é um medicamento indicado principalmente para o tratamento da angina e para o tratamento da hipertensão. No entanto, também possui outras indicações.

Converse com seu médico ou farmacêutico a respeito de quaisquer perguntas que você tenha sobre este medicamento e siga sempre as recomendações de uso. Os profissionais ficarão felizes em ajudar!

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 exercícios para pacientes com hipertensão

A atividade física é importante para o tratamento e prevenção da hipertensão. A seguir, conheça alguns exercícios para pacientes com hipertensão.



  • Oigman, W., & Fritsch, M. T. (1998). Antagonistas de canais de cálcio. HiperAtivo.
  • Rincón, R., Moreno, M., Orozco, C., & Hernández, A. (2013). NIFEDIPINA, INCIDENCIA DE HIPERTENSIÓN PULMONAR HIPÓXICA Y ENGROSAMIENTO MUSCULAR DE ARTERIOLAS EN POLLOS DE ENGORDE. Revista U.D.C.A Actualidad & Divulgación Científica.
  • Frishman, W. H., Garofalo, J. L., Rothschild, A., Rothschild, M., Greenberg, S. M., & Soberman, J. (1992). A nifedipina de liberaçäo gastrointestinal no tratamento da hipertensäo arterial TT – The nifedipine gastrointestinal therapeutic system in the treatment of hypertension. Arq Bras Med.