Nesting, os benefícios de não fazer nada

4 de abril de 2020
O nesting é uma prática que, estranhamente, consiste em não fazer nada e relaxar dentro de casa. Embora não seja conveniente para alguns, pode ser bastante benéfica para outros.

Aprenda sobre o nesting, os benefícios de não fazer nada, porque a sua tranquilidade nunca esteve tão perto. “Estar entediado” e ficar em casa não precisa ser uma coisa ruim. Pelo contrário, agora é conhecido como nesting e é uma tendência promissora.

Ele vem do termo inglês nest, que se traduz como “ninho”, e cada vez mais pessoas estão se voltando para essa prática simples como uma forma de terapia e autoconhecimento.

O nesting inclui tarefas diárias e agradáveis, como tomar um banho de espuma, ler um livro, dormir até a hora desejada, pintar uma mandala ou praticar jardinagem.

Essas atividades são todas caseiras e estão ao alcance de todos, sem a necessidade de sair do ninho para realizar nenhuma delas.

O que é o nesting?

Mulher tomando bebida quente
Nem sempre é ruim fazer uma pausa no ritmo da vida que costumamos levar. Não fazer nada ou participar de atividades agradáveis ​​pode nos libertar do estresse e da ansiedade.

Leia também: O que é a logoterapia?

O nesting é uma maneira de responder à frenética passagem de horas da vida cotidiana. Assim como o hygge, o nesting também começou a ser praticado nos países nórdicos, e já se espalhou para um número surpreendente de lugares.

A razão pela qual cada vez mais pessoas decidem restringir suas ocupações e se unir a esses estilos de vida é porque eles realmente contribuem para o bem-estar, reduzindo a ansiedade e o estresse.

Além disso, o nesting é uma opção bastante barata que, além de permitir que você aproveite seu lar, trabalha para fortalecer os laços com a família.

Vale a pena dedicar um momento e refletir sobre as longas horas de trabalho e a obrigação de sobrecarregar os finais de semana com planos, que parecem mais obrigatórios do que espontâneos, relegando cada vez mais o tempo para descansar.

A obrigação de socializar

Algo semelhante geralmente acontece com as crianças da casa que, ao deixar a escola sobrecarregadas, também devem concluir todos os cursos ou atividades extraescolares que os seus pais prepararam para elas.

Da mesma forma, existe um tipo de tendência que exige compartilhar o tempo livre com outros casais, familiares ou amigos, visitar restaurantes ou passear. É claro que isso não é ruim, mas dedicamos cada vez menos tempo ao descanso.

O mesmo ocorre com telefones celulares e a necessidade de responder mensagens, verificar e-mails e participar das redes sociais. Tudo isso se traduz em uma carga esmagadora de estímulos, que não melhora se for acompanhada por um estilo de vida desesperador.

Às vezes o corpo fica doente porque precisa descansar. Nada de ruim acontecerá se ficarmos em casa, no sofá, com um cobertor, uma bebida quente e um pouco de espaço para nós mesmos.

Assim, o refúgio da casa se torna o mais seguro para se conectar com o nosso mundo interior, nos recuperar da exaustão e desfrutar da nossa própria companhia.

Você pode se interessar: Minha rotina não me permite descansar o suficiente, o que devo fazer?

Quando o nesting não é recomendado?

Mulher sozinha em casa
Em situações de luto e depressão, não é aconselhável praticar o nesting. Em vez disso, é melhor fazer terapia.

É importante esclarecer que o nesting não é recomendado em todos os casos, principalmente na presença de certas condições clínicas. O nesting não é recomendado para aqueles que sofrem de ansiedade, luto ou depressão.

Nos casos descritos, as pessoas apresentam sintomas de isolamento, e isso não está relacionado à capacidade de decidir ficar em casa para desfrutar de um momento sozinho. Nas situações descritas, é aconselhável ir a um terapeuta e seguir as instruções fornecidas por ele.

O nesting deve ser uma prática gratificante. Aqueles que não têm uma vida profissional muito ativa podem ficar em casa por “obrigação”, e o nesting não é isso.

Como praticar o nesting?

Algumas das regras que esta tendência segue são as seguintes:

  • Faça o que quiser (leia, pinte, assista a um filme, troque o fertilizante das plantas, brinque com o animal de estimação, entre outros).
  • Evite os planos entediantes.
  • Faça coisas que te ajudem a relaxar.
  • Viva sem pressa.
  • Não se imponha nenhuma tarefa apenas por obrigação.
  • Não tem problema se você tiver uma boa companhia.
  • Seja consciente e aplique o mindfulness, isto é, mantenha a mente no presente.
  • É aconselhável manter a casa em ordem; caso contrário, a pessoa pode se sentir desconfortável no seu “pequeno refúgio”.

Além dessas recomendações, sugere-se que a luz natural atinja todos os espaços da casa. A atmosfera e a decoração são importantes para encontrar a calma. Algumas pessoas optam por colocar plantas naturais em certos espaços.

A simplicidade também é valiosa. Não adianta ter uma casa cheia de objetos se eles representarem um fardo. O ambiente doméstico deve refletir a calma.

Se você deseja dar forma a esse espaço, é recomendável, pouco a pouco, reduzir o número de objetos desnecessários e adaptar cada canto para preenchê-lo com tranquilidade. Assim, a pessoa também estará trabalhando no seu novo estilo de vida.

  • Picón, J. (2010). Guia del descanso saludable. Colegío Profesional de Fisioterapeutas.
  • Salinas., D. (2012). Estrés. In Prevención y afrontamiento del estrés laboral.
  • Sandín, B. (2003). El estrés: un análisis basado en el papel de los factores sociales. Revista Internacional de Psicología Clínica y de La Salud = International Journal of Clinical and Health Psychology.
  • Suhail Velazquez Cortes. (2009). Hábitos y estilos de vida saludable. Programa Institucional Actividades De Educacion Para Una Vida Saludables.
  • Universidad de Las Palmas de Gran Canaria. (2015). Necesidad de descanso y sueño. Enfermeria Comunitaria.