O que é a mordida aberta e como corrigi-la?

A mordida aberta é um problema frequente de má oclusão. Neste artigo, contamos do que se trata e as alternativas para a sua solução, tanto em crianças quanto em adultos.
O que é a mordida aberta e como corrigi-la?

Última atualização: 21 Abril, 2021

A mordida aberta é uma má oclusão dentária muito frequente. Além do aspecto estético que a caracteriza, pode alterar a saúde bucal e a qualidade de vida de quem sofre com ela.

É fácil de diagnosticar e tem solução. A seguir, contamos o que é essa condição da boca e quais são os métodos que existem para corrigi-la.

O que é a mordida aberta?

A mordida aberta é um tipo de má oclusão que ocorre quando as peças dentárias superiores não conseguem entrar em contato com as suas contrapartes inferiores. Por conta disso, fica um espaço visível entre as duas arcadas.

Geralmente é observada com maior frequência na região anterior da boca, quando não há contato dos caninos e incisivos superiores com os inferiores. No entanto, pode ocorrer em qualquer setor da cavidade oral, até mesmo nos molares.

Como já mencionamos, o principal sintoma dessa condição é o espaço visível entre os dentes superiores e inferiores. Isso gera um incômodo estético na pessoa, principalmente se acontecer no setor anterior, pois percebe-se um sorriso irregular.

Além do problema físico, pode causar outras alterações na saúde. Aqui mencionamos algumas:

  • Dificuldade na fala: o paciente com mordida aberta não consegue pronunciar alguns fonemas corretamente devido à falta de posicionamento adequado da língua.
  • Problemas de mastigação e alimentação: como não há contato entre os dentes superiores e inferiores, a mastigação fica prejudicada.
  • Tendência à respiração bucal: por não ser possível fechar a boca completamente e devido ao desenvolvimento insuficiente dos maxilares, é comum o paciente precisar ou se acostumar a respirar pela boca. Isso agrava ainda mais o quadro.
  • Alterações na articulação temporomandibular (ATM): esta articulação que conecta a mandíbula com o crânio é afetada pela má oclusão. Isso geralmente ocasiona ruídos na mandíbula. Além disso, também pode gerar dor de cabeça, dor no pescoço e no rosto.
  • Complicações psicológicas: pelos problemas mencionados e por apresentarem um sorriso diferente, as pessoas com mordida aberta costumam apresentar problemas de autoestima, piorando a sua qualidade de vida.
Uso de ortodontia para corrigir a mordida aberta
Uma alternativa à mordida aberta é o uso de aparelho ortodôntico, que um profissional deverá prescrever.

Tipos de mordida aberta

Pode-se classificar a mordida aberta de acordo com a sua natureza e também de acordo com a sua localização. De acordo com a sua natureza, podemos diferenciar entre mordidas abertas esqueléticas e dentárias. O primeiro é um problema ósseo de origem hereditária ou genética que geralmente afeta ambos os maxilares.

A mordida aberta dentária, como o nome indica, envolve somente o desalinhamento dos dentes e é causada por hábitos prejudiciais repetitivos durante a infância.

De acordo com a sua localização, podemos distinguir os seguintes tipos de mordidas abertas:

  • Anterior: os dentes do setor frontal (incisivos centrais, incisivos laterais e às vezes também os caninos) não se tocam ao fechar a boca. É o mais comum.
  • Posterior: na oclusão, são os elementos posteriores que não podem entrar em contato uns com os outros. Isso pode acontecer em um ou nos dois lados. É raro e está associado à ausência ou erupção incompleta de um molar.
  • Lateral: ocorre quando a falta de contato entre os dentes superiores e inferiores ocorre em apenas um dos lados da arcada. Portanto, pode ser direito ou esquerdo.
  • Completa: a mordida aberta anterior e posterior são combinadas, e o contato ocorre apenas entre os últimos molares.

Causas

Atualmente, considera-se a mordida aberta uma doença multicausal influenciada por fatores genéticos, hereditários e funcionais. É isso que altera os dentes e os ossos e determina a maneira como a pessoa morde.

Na maioria das vezes, a mordida aberta ocorre no setor anterior e é uma consequência de hábitos repetitivos na infância. Nessa idade, em que há formação dos ossos da face, qualquer estimulação excessiva e contínua pode levar à má formação e ao mau posicionamento dos dentes.

Esses comportamentos repetitivos incluem o uso excessivo e prolongado da chupeta, chupar o dedo, sugar ou morder objetos, respirar pela boca, deglutição atípica, empurrar a língua contra os dentes ao falar, ao engolir ou em repouso.

Como já dissemos, embora sejam menos frequentes, há também mordidas abertas esqueléticas de origem hereditária e genética. Existem famílias com o rosto comprido, com excessivo desenvolvimento vertical da face. O nosso código genético contém as informações para a formação dos ossos da face no futuro. Uma alteração neste nível pode influenciar a forma dos tecidos ósseos que usamos para morder.

Em muitos casos, a mordida aberta resulta da combinação de vários desses fatores. É comum que o paciente apresente predisposição genética e a situação se agrave pela presença de hábitos adquiridos que permitem o desenvolvimento da má oclusão.

Tratamento da mordida aberta

Existem casos específicos de mordidas abertas que desaparecem de maneira espontânea quando as peças dentárias temporárias caem. Outros, no entanto, persistem até a idade adulta, principalmente quando os hábitos predisponentes duram até depois da erupção dos dentes permanentes.

O que você deve saber é que existem diferentes alternativas para solucionar essa alteração e o tratamento pode ser feito em qualquer idade. Começar cedo melhora o prognóstico e evita que o problema continue.

O tratamento de escolha dependerá da complexidade da má oclusão e da idade do paciente. O dentista responsável fará estudos complementares para chegar ao diagnóstico correto da mordida aberta e, assim, escolher a melhor opção para cada caso particular.

Como já mencionamos, essa condição costuma ser influenciada por múltiplos fatores que devem ser considerados no início do tratamento. Ignorar problemas funcionais ou hábitos instalados e não resolvê-los pode levar ao fracasso terapêutico.

O ortodontista deve trabalhar de forma interdisciplinar com o fonoaudiólogo. Juntos, eles vão colaborar para a erradicação de hábitos nocivos e vão melhorar a fonação e o correto posicionamento da língua na pronúncia.

Ortopedia ou ortodontia interceptiva em crianças

Como já mencionamos, quanto mais cedo o problema for tratado, mais fácil será resolvê-lo. Com o uso de aparelhos ortodônticos na infância, pode-se orientar o crescimento ósseo adequado.

Com frequência se utiliza aparelhos removíveis ou expansores fixos. Ao realizar um tratamento nesta fase, é fundamental trabalhar com a criança para que ela abandone o hábito que está causando a má oclusão.

Ortodontia em adolescentes e adultos

Nessa idade, os ossos já completaram o seu desenvolvimento, e portanto são menos moldáveis. Aqui o objetivo principal é modificar a posição das peças dentárias. Portanto, as alternativas para essas idades são os brackets ou os alinhadores transparentes.

Os brackets, ou aparelho ortodôntico, são os aparelhos tradicionais que permitem a correção dentária de maneira rápida. O paciente pode escolher entre metálico, de safira ou lingual. Entretanto, possuem a desvantagem de ser muito visíveis, e isso pode gerar um problema estético.

Os alinhadores transparentes são placas programadas por computador que são trocadas regularmente. A vantagem é que são mais discretos do ponto de vista estético.

Em alguns casos, pode ser necessário combinar o tratamento ortodôntico com as exodontias (extração de um elemento dentário) para harmonizar a mordida.

Cirurgia ortognática combinada com ortodontia

No caso de adultos com mordida aberta esquelética grave, pode-se optar pela cirurgia maxilofacial, que remove o excesso de osso do maxilar superior ou da mandíbula.

Antes e depois da cirurgia, o tratamento é complementado com a ortodontia e costuma durar vários anos, mas o procedimento transforma de maneira positiva o rosto do paciente. Entretanto, este procedimento radical só é escolhido nos casos em que a ortodontia não consegue alcançar resultados suficientes.

Os tratamentos odontológicos devem ser precoces
Nas crianças, o dentista também atua para eliminar os hábitos associados à mordida aberta.

Como prevenir a mordida aberta?

Existem causas da mordida aberta que não conseguiremos controlar, como fatores hereditários e genéticos ou a ausência de qualquer elemento dentário. No entanto, os hábitos adquiridos na infância serão aqueles em que você terá que se concentrar para evitar essa má oclusão.

Os pais devem estar cientes desses costumes. Se a criança chupar o polegar, morder objetos, usar chupeta por muito tempo, respirar pela boca ou empurrar os dentes com a língua, uma consulta oportuna com o ortodontista será muito útil.

As consultas odontológicas precoces e frequentes também ajudam a prevenir essa alteração. O profissional avaliará o desenvolvimento e a oclusão da criança.

Se for necessário, ele fará o encaminhamento correspondente ao ortodontista,  porque o diagnóstico precoce simplifica os tratamentos, tornando-os mais agradáveis, rápidos e baratos.

A mordida aberta tem solução

Agora você sabe que a mordida aberta é bastante comum. Além do seu impacto estético, pode afetar de várias maneiras a qualidade de vida de quem sofre com ela.

Dependendo da idade e da gravidade, existem várias alternativas de tratamento para corrigi-la. Sendo assim, lembre-se de que quanto mais cedo você iniciar a solução, mais fácil e menos dolorosa ela será. Consulte o seu dentista de confiança para substituir a mordida aberta por um sorriso feliz.

Pode interessar a você...
O uso de chupetas e mamadeiras é prejudicial?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O uso de chupetas e mamadeiras é prejudicial?

O uso de chupetas e mamadeiras é muito frequente. Há mães e pais que optam por usar ambos, mas será que são prejudiciais? Confira.



  • García, César A. “Mordida abierta anterior Revisión de la literatura.” Estomatología 12.2 (2004): 4-20.
  • Panchana Rubio, Ana Estefanía. Factores de riesgo de mordida abierta en niños de 8 a 10 años. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2019.
  • Espinoza Agudo, Helen Elizabeth. Relación entre hábitos deformantes y desarrollo de mordida abierta anterior en pacientes pediátricos. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2020.
  • Muñoz, I. Chung Leng, et al. “Relación entre la mordida abierta anterior y el habito de succión digital: revisión sistemática.” Odontología pediátrica 26.2 (2018): 144-154.
  • Ngan, Peter, and H. W. Fields. “Open bite: a review of etiology and management.” Pediatric dentistry 19.2 (1997): 91.
  • Peláez, Alina Noelia, and Silvia Matilde Mazza. “Necesidad de tratamiento ortodóncico según severidad de maloclusión en pacientes adultos.” Odontoestomatología 17.26 (2015): 12-23.
  • Pedrazzi, M. E. “Treating the open bite.” Journal of General Orthodontics 8.1 (1997): 5-16.
  • Malca Borja, Leslie Natalia. “Características funcionales orofaciales en pacientes jóvenes con mordida abierta interior.”
  • Astegiano, Carolina, et al. “Ortopedia funcional: Alternativa de tratamiento para la mordida abierta anterior.” IV Jornadas de Actualización en Prácticas Odontológicas Integradas PPS-SEPOI (La Plata, 7 de julio de 2020). 2020.