O mofo em casa causa problemas de saúde?

A umidade dentro das casas pode causar o surgimento de mofo em vários espaços. Isso, além de causar danos às estruturas, pode ser um gatilho para problemas de saúde.
O mofo em casa causa problemas de saúde?

Última atualização: 25 Abril, 2021

A presença de mofo em casa causa problemas que vão além de danos às estruturas. Embora o seu cheiro particular e as manchas que provoca nas paredes e tetos sejam os mais perceptíveis, com o tempo também ocasiona o aparecimento de alguns problemas de saúde.

De acordo com informações publicadas pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças, a exposição a ambientes úmidos e mofados causa sintomas respiratórios e reações alérgicas em algumas pessoas. Além disso, pode ser o gatilho para crises em pacientes com asma.

O que é o mofo?

O mofo é uma forma de fungo que tende a crescer dentro e fora de casa. Muitas vezes aparece em áreas de alta umidade, como em tetos ou paredes onde há vazamentos de água, janelas, canos ou qualquer lugar que tenha contato frequente com líquidos.

Da mesma forma, tem facilidade para se proliferar em elementos de papelão, produtos de madeira, drywall, tapetes e pinturas. Por produzir esporos, o mofo se espalha facilmente flutuando no ar. Então, se o ambiente for úmido e quente, ele prospera e cresce.

De acordo com um artigo publicado na revista Environmental Health Perspectives, estima-se que haja cerca de 500 espécies de fungos que afetam a saúde humana. No entanto, os mais comuns dentro de casa são Cladosporium, Penicillium e Aspergillus.

Controle do mofo
Verificar se há áreas úmidas em sua casa é essencial para combater o mofo.

Tipos de mofo

Até o momento, não se sabe exatamente quantos tipos de fungos existem no mundo. Enquanto alguns sugerem que podem ser 100.000, outros afirmam que a quantidade pode ser superior a 300.000. Em todo caso, como já discutimos, cerca de 500 foram identificados como potencialmente prejudiciais às pessoas. Destes, os mais conhecidos são os seguintes:

  • Alternaria: corresponde a um gênero de fungo ascomiceto. Tendem a se desenvolver em lugares úmidos da casa, como chuveiros ou sob pias com vazamentos.
  • Aspergillus: este mofo pode crescer dentro de casa, onde há poeira, em alimentos ou materiais de construção. Embora geralmente seja um agente alergênico, às vezes torna-se tóxico e causa problemas respiratórios e inflamação.
  • Cladosporium: é um fungo que cresce tanto em áreas frias quanto quentes. Geralmente cresce em tecidos e superfícies de madeira. Está relacionado com alergias.
  • Penicillium: tem superfície azul ou verde com textura aveludada. Geralmente cresce em edifícios ou casas danificadas pela água. Também em tapetes, papéis de parede e colchões. A presença deste mofo em casa aumenta o risco de doenças respiratórias.
  • Acremonium: Este fungo pode ser cor de rosa, cinza, laranja ou branco. Geralmente cresce em áreas como condensação de umidificadores, bandejas de drenagem e selantes de janela. É uma das espécies mais perigosas, pois está associada a doenças da medula óssea e do sistema imunológico.

Como o mofo aparece em casa?

Os esporos de fungos estão presentes em ambientes internos e externos; no entanto, eles não são visíveis a olho nu. Em qualquer caso, entram em casa pelas janelas, portas abertas, aberturas ou sistemas de ar condicionado e aquecimento.

Também se aderem a objetos como as nossas roupas e sapatos, e desta maneira, nós os carregamos para dentro de casa. Eles podem até “grudar” no pelo de animais de estimação. Se a casa tiver as condições de umidade adequadas para ele, o mofo crescerá; caso contrário, ele não causará problemas.

O mofo em casa traz problemas de saúde?

Em geral, a presença de mofo em casa não é um problema, a menos que seus esporos entrem em contato com espaços úmidos e comecem a crescer. Nesse caso, existem vários riscos para a saúde, especialmente se houver pessoas em casa com doenças respiratórias ou imunológicas.

Possíveis alergias

O crescimento de fungos em casa pode piorar os sintomas de quem sofre de alergia. Especificamente, eles desencadeiam sintomas como congestão nasal, coceira no nariz e na garganta, espirros, lacrimejamento e excesso de muco.

Além disso, como mostra um estudo publicado na revista Allergy, parece que a exposição precoce a fungos e à umidade aumenta o risco de asma e rinite.

Maior risco de doenças respiratórias

Além das alergias, também podemos associar os fungos a outras doenças respiratórias. Uma pesquisa divulgada pela Environmental Health determinou que a umidade e o mofo residencial aumentam significativamente o risco de infecções respiratórias, como por exemplo a bronquite. Além disso, também podem ocasionar os seguintes transtornos de saúde:

  • Pneumonite por hipersensibilidade.
  • Alveolite alérgica.
  • Rinossinusite crônica.
  • Sinusite.
  • Problemas do trato respiratório inferior em crianças previamente saudáveis.

Aspergilose

O contato com o fungo Aspergillus pode causar uma doença grave conhecida como aspergilose. Isso pode ocasionar uma infecção grave que se espalha até mesmo para outras partes do corpo. Apresenta sintomas como tosse crônica, tosse com sangramento, febre, respiração ofegante e perda de peso. Além disso, também causa as seguintes manifestações clínicas:

  • Dor nos ossos.
  • Dor no peito.
  • Calafrios.
  • Diminuição do volume urinário.
  • Dores de cabeça.
  • Insuficiência respiratória.
  • Dificuldades visuais.
  • Lesões na pele.
Médico avaliando respiração
A aspergilose é uma doença pulmonar grave causada por certos fungos. Requer tratamento médico imediato.

Como prevenir problemas de saúde causados pelo mofo em casa?

Certamente, existem várias medidas para evitar que o mofo em casa desencadeie problemas de saúde. Uma das mais importantes é manter os espaços ventilados, limpos e sem umidade. A este respeito, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) sugere buscar um nível de umidade abaixo de 60%.

Outras recomendações são as seguintes:

  • Resolva problemas de vazamentos de água imediatamente.
  • Instale um desumidificador para reduzir a umidade em ambientes internos.
  • Abra as janelas para permitir que o ar circule.
  • Instale um extrator para absorver a umidade durante o cozimento.
  • Evite secar roupas dentro de casa.
  • Esvazie e ventile os armários, principalmente se eles forem usados ​​com pouca frequência.
  • Limpe regularmente todas as superfícies que são suscetíveis a mofo (paredes, tetos, móveis).
  • Escolha produtos antimofo para desinfetar banheiros e espaços úmidos.
  • Chame um profissional para solucionar problemas estruturais que favoreçam a presença de mofo.

Consultar um médico é importante

A exposição ao mofo nem sempre causa problemas de saúde. Mesmo assim, é recomendável evitar a sua presença em casa. Por outro lado, é aconselhável consultar um médico em caso de sintomas de alergias ou doenças respiratórias. Não se deve ignorar que elas podem causar complicações graves.

Embora o mofo nem sempre seja a causa, este é um fator que tende a piorar os sintomas. Sendo assim, você deve seguir as recomendações do profissional e resolver o mais rápido possível os problemas de umidade.

Pode interessar a você...
Como eliminar as manchas de mofo da roupa?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Como eliminar as manchas de mofo da roupa?

Para eliminar as manchas de mofo da roupa nem sempre é necessário recorrer a detergentes ou "tira manchas" caros que estão disponíveis no mercado.



  • Basic Facts about Mold and Dampness. (August 11, 2020). Centers for Disease Control and Prevention.
    Available in https://www.cdc.gov/mold/faqs.htm
  • Weinhold B. A spreading concern: inhalational health effects of mold. Environ Health Perspect. 2007;115(6):A300-A305. doi:10.1289/ehp.115-a300
  • Meena M, Gupta SK, Swapnil P, Zehra A, Dubey MK, Upadhyay RS. Alternaria Toxins: Potential Virulence Factors and Genes Related to Pathogenesis. Front Microbiol. 2017;8:1451. Published 2017 Aug 8. doi:10.3389/fmicb.2017.01451
  • Bandres MV, Modi P, Sharma S. Aspergillus Fumigatus. [Updated 2020 Aug 10]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482464/
  • Bensch K, Braun U, Groenewald JZ, Crous PW. The genus Cladosporium. Stud Mycol. 2012;72(1):1-401. doi:10.3114/sim0003
  • Egbuta MA, Mwanza M, Babalola OO. Health Risks Associated with Exposure to Filamentous Fungi. Int J Environ Res Public Health. 2017;14(7):719. Published 2017 Jul 4. doi:10.3390/ijerph14070719
  • Schell WA, Perfect JR. Fatal, disseminated Acremonium strictum infection in a neutropenic host. J Clin Microbiol. 1996;34(5):1333-1336. doi:10.1128/JCM.34.5.1333-1336.1996
  • Mendell MJ, Mirer AG, Cheung K, et al. Health effects associated with dampness and mould. In: WHO Guidelines for Indoor Air Quality: Dampness and Mould. Geneva: World Health Organization; 2009. 4. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK143940/
  • Thacher JD, Gruzieva O, Pershagen G, et al. Mold and dampness exposure and allergic outcomes from birth to adolescence: data from the BAMSE cohort. Allergy. 2017;72(6):967-974. doi:10.1111/all.13102
  • Sharma BB. Molds and the lungs. Lung India. 2010;27(4):194-195. doi:10.4103/0970-2113.71937
  • Fisk WJ, Eliseeva EA, Mendell MJ. Association of residential dampness and mold with respiratory tract infections and bronchitis: a meta-analysis. Environ Health. 2010;9:72. Published 2010 Nov 15. doi:10.1186/1476-069X-9-72