Método KiVa contra o bullying e a intimidação escolar

A chave para acabar com o bullying é aumentar a conscientização e mobilizar os colegas de escola para tomar partido. É isso que propõe o método KiVa, um programa eficaz contra o bullying.
Método KiVa contra o bullying e a intimidação escolar

Última atualização: 25 Setembro, 2021

O bullying é um dos maiores problemas sociais do nosso tempo. Crianças e adolescentes são agredidos, isolados e humilhados dentro e fora da sala de aula por seus pares, sem que as instituições de ensino consigam oferecer soluções adequadas. O método KiVa surge como uma proposta inovadora e eficaz para acabar com isso.

De acordo com relatórios recentes, 9 em cada 10 crianças que sofrem bullying acabam desenvolvendo sérios problemas emocionais, como ansiedade, depressão e baixa autoestima. Eles podem durar anos, visto que as consequências do bullying se enraízam na personalidade da criança em formação. O método KiVa visa envolver toda a comunidade educacional para prevenir e agir precocemente.

O que é o método KiVa?

O método KiVa é um projeto encomendado pelo Ministério da Educação da Finlândia e desenvolvido por um grupo de especialistas em relações infantis da Universidade de Turku. Foi criado em 2006 com o objetivo claro de acabar com o bullying entre os alunos.

As suas principais linhas de ação focam tanto na prevenção do bullying quanto na intervenção nos casos declarados. Sua maior particularidade? Não se concentra na vítima ou no agressor; coloca o foco da atenção no grupo de pares.

Se toda a comunidade educacional estiver envolvida, mas principalmente os colegas de classe, é possível mudar a dinâmica. Quando os alunos se alinham e se posicionam em defesa da vítima, o agressor deixa de receber a validação do grupo, deixa de obter apoio ou benefícios e cessa as suas atividades.

Em que consiste?

O método KiVa é um protocolo organizado que aborda todas as fases do processo. Assim como o objetivo principal é a prevenção, também contempla medidas a serem implementadas em caso de ocorrência de bullying.

Bullying em uma escola
Quando o agressor não recebe a validação do grupo de pares, ele pode cessar seu comportamento.

Prevenção

É comum que muitos dos alunos reajam rindo das agressões a um colega, e que outra porcentagem importante se cale por medo de represálias e pressão do grupo. O método KiVa visa informar, sensibilizar e mobilizar os alunos para tomarem partido.

Para isso, foi criado um programa estruturado que é executado em diferentes fases. Quando as crianças têm entre 7 e 9 anos, quando têm entre 10 e 12 anos e, finalmente, entre os 13 e 15 anos.

O protocolo consiste em 20 aulas ministradas durante o ano letivo nas quais as crianças aprendem sobre os diferentes tipos de bullying, as suas consequências e a influência que elas próprias podem ter para preveni-lo ou impedi-lo. Por meio de palestras, discussões, conclusão de tarefas ou jogos de simulação, os alunos exploram áreas importantes, como empatia, habilidades sociais e trabalho em equipe.

Além disso, os professores recebem materiais para trabalhar e instruções para agir em casos de bullying. Da mesma forma, as famílias são orientadas a saber como identificar se seus filhos estão envolvidos na prática de bullying.

Intervenção

Algumas das medidas mais importantes a serem aplicadas para agir em casos de bullying são as seguintes:

  • Uma caixa de correio virtual é estabelecida para que os alunos possam relatar anonimamente situações de bullying.
  • Suspeitando de um caso, vários professores monitoram e investigam a situação e intervêm conversando com o agressor e a vítima.
  • Quando uma situação de bullying é detectada, vários colegas do ambiente da vítima (especialmente os alunos que têm um bom status na classe) são incentivados a oferecer ativamente seu apoio à criança.

Quais são os resultados apresentados pelo método KiVa?

Desde o seu início, o método KiVa foi testado em uma infinidade de estudos e um grande ensaio nacional randomizado, oferecendo resultados magníficos e encorajadores. A maior pesquisa foi realizada na Finlândia, abrangendo 234 escolas do país e incluindo 30.000 alunos entre 7 e 15 anos.

Os resultados mostraram que o bullying desapareceu em 79% das escolas. Além disso, sua incidência geral e o número de vítimas foram reduzidos no restante.

Além disso, o método parece oferecer outros efeitos benéficos. Verificou-se que a sua implementação aumenta a motivação dos alunos, melhora a convivência entre eles e aumenta seu bem-estar emocional. Além disso, essas crianças nutridas por valores provavelmente se tornarão membros valiosos de uma sociedade mais justa.

Crianças unidas
O método KiVa provou melhorar o bem-estar das crianças, favorecendo dinâmicas de grupo saudáveis.

O que você precisa considerar?

O método KiVa é o programa anti-bullying mais estudado do mundo. Já faz parte de mais de 90% das escolas da Finlândia e já foi exportado para vários países, como França, Bélgica, Suécia e Estados Unidos, apresentando ótimos resultados. No entanto, esse protocolo ainda não atingiu todas as escolas do planeta.

Para implantá-lo em um centro educacional, é fundamental que o país faça parte da rede KiVa. Para aplicar o método, é necessário oferecer materiais e treinamento específicos aos professores.

Apesar do acima exposto, é provável que o método KiVa continue a se expandir para mais escolas, regiões e países, pois tem se mostrado uma alternativa eficaz e relativamente simples de implementar. Se este projeto nos ensina alguma coisa, é que acabar com o bullying é uma questão que preocupa a todos.

Pode interessar a você...
Como os pais devem agir diante do bullying
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Como os pais devem agir diante do bullying

O que podemos fazer como pais se nossos filhos sofrem intimidação? Neste artigo nós lhes dizemos como os pais devem agir diante do bullying



  • Ballesteros, B., Pérez, S., Díaz, D., & Toledano, E. (2018). III Estudio sobre acoso escolar y ciberbullying según los afectados. Informe del teléfono ANAR. Fundación ANAR ; Fundación Mutua Madrileña. Recuperado de https://www.anar.org/wp-content/uploads/2018/09/III-Estudio-sobre-acoso-escolar-y-ciberbullying-seg%C3%BAn-los-afectados.pdf
  • Salmivalli, C., Poskiparta, E., Ahtola, A., & Haataja, A. (2013). The implementation and effectiveness of the KiVa antibullying program in Finland. European Psychologist.
  • Juvonen, J., & Galvan, A. (2008). Peer influence in involuntary social groups: Lessons from research on bullying. In Understanding peer influence in children and adolescents (pp. 225–244). New York, NY: Guilford Press.