O que são as medidas de segurança alimentar?

Você já ouviu falar sobre a segurança alimentar? A esta disciplina, cabe garantir a qualidade dos alimentos no que diz respeito à presença de microrganismos. Saiba mais a seguir.
O que são as medidas de segurança alimentar?

Última atualização: 03 Maio, 2021

As medidas de segurança alimentar garantem a qualidade dos alimentos no que diz respeito à presença de microrganismos, já que o seu crescimento pode prejudicar a saúde humana. Este é um dos principais perigos do consumo de muitos alimentos.

Esses microrganismos podem se reproduzir, gerar toxinas e colonizar o trato digestivo, levando a processos diarreicos que comprometem a saúde. Para evitar essa situação, é necessário tomar medidas quanto ao manuseio dos alimentos.

O que mais você deve saber sobre isso? Descubra a seguir.

Medidas de segurança alimentar e a importância dos processos de conservação

O momento mais crítico no manuseio dos alimentos é a sua preservação. Se a cadeia de frio for interrompida ou os processos adequados não forem aplicados, há risco de reprodução microbiana.

Um exemplo claro é o caso da maionese de ovo no verão. Nesse período, as altas temperaturas favorecem o crescimento do microrganismo da salmonela, que pode causar processos de diarreia e vômito, segundo um estudo publicado no The British Veterinary Journal.

Outro exemplo é o caso dos recipientes para molho de tomate. Esses produtos são um excelente terreno fértil para a reprodução do clostridium botulinum. A consequência da ingestão desse microrganismo é a paralisia progressiva dos sistemas muscular e orgânico do organismo, podendo até levar à morte.

Riscos da maionese
A maionese de ovo é um dos alimentos com alto risco de contaminação, principalmente em épocas como o verão.

Esterilização: parte fundamental das medidas de segurança alimentar

Os processos térmicos são grandes aliados da segurança alimentar em geral. Esses procedimentos garantem a destruição de microrganismos patogênicos para o armazenamento subsequente dos alimentos.

Quase todos se baseiam em submeter os alimentos a altas temperaturas por um determinado período. Logo depois, os alimentos são embalados nas condições mais assépticas possíveis para evitar a contaminação cruzada.

Alimentos submetidos a tratamentos térmicos são aqueles que apresentam as melhores condições de conservação. Geralmente são mantidos em temperatura ambiente por um longo período de tempo sem risco. Porém, uma vez abertos, tornam-se produtos perecíveis; portanto, devemos mantê-los na geladeira.

Cuidado com a contaminação cruzada

Outro perigo relacionado à segurança alimentar é a contaminação cruzada. Esta é causada, principalmente, ​​pela partilha de utensílios de cozinha ou recipientes que não foram devidamente desinfetados.

É importante lembrar que os elementos que utilizamos no manuseio de alimentos perecíveis, crus ou de risco não devem ser reaproveitados com outros alimentos antes de serem lavados.

A contaminação cruzada também é comum quando se armazenam diferentes preparações no mesmo recipiente. Portanto, não devemos misturar alimentos cozidos e crus. O melhor é mantê-los separados.

Cuidado com a contaminação cruzada ao cozinhar
O manuseio cuidadoso dos alimentos é importante para evitar casos de contaminação cruzada. É fundamental dar atenção à higiene e ao armazenamento de alimentos.

Como identificar as intoxicações?

Como regra geral, a intoxicação alimentar costuma causar problemas gastrointestinais. Diarreia, náuseas e vômitos são os sintomas mais frequentes. No entanto, em algumas situações, os sintomas podem variar ou piorar, como é o caso da intoxicação por clostridium botulinum. Esse microrganismo pode estar presente em alimentos processados ​​mal conservados e, segundo pesquisas publicadas no International Journal of Food Microbiology, é capaz de causar distúrbios gastrointestinais e até nervosos.

É importante consultar um profissional de saúde quando surgirem os primeiros sintomas e se houver suspeita de uma possível intoxicação. Nesse tipo de situação, o principal é prevenir a desidratação e amenizar os seus efeitos. Nos casos mais agudos, pode ser necessário administrar soro intravenoso, especialmente se o paciente não tolerar líquidos por via oral.

Não se pode confundir a intoxicação alimentar com um processo alérgico. Por isso, é importante consultar um profissional de saúde. Se for o segundo caso, será necessária a administração de medicamentos.

As medidas de segurança alimentar protegem a saúde

A segurança alimentar é a disciplina responsável por preservar a saúde e prevenir as intoxicações pela ingestão de microrganismos em alimentos.

Todos os anos há casos de mortes decorrentes do consumo de produtos em mau estado; portanto, é necessário ter muito cuidado no manuseio e na conservação dos alimentos.

Não interromper a cadeia de frio, esterilizar corretamente as embalagens e evitar a contaminação cruzada são os pilares fundamentais para uma boa higiene alimentar.

Além disso, em caso de suspeita de ingestão de algum alimento em mau estado ou contaminado, é importante procurar rapidamente um profissional de saúde para que tome as medidas preventivas.

Combater a desidratação e aliviar os sintomas tornará esse processo mais suportável e evitará complicações graves que podem comprometer a saúde da pessoa intoxicada.

É imprescindível respeitar os prazos de validade e de consumo preferencial dos alimentos, bem como seguir as indicações de armazenamento do fabricante após a abertura das embalagens.

Pode interessar a você...
Quão importante é a data de validade dos alimentos?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Quão importante é a data de validade dos alimentos?

Às vezes não damos a importância que devemos às datas de vencimento dos alimentos, mas o certo é que esse é um dado muito importante.



  • Thorns CJ., Salmonella fimbriae: novel antigens in the detection and control of salmonella infections. Br Vet J, 1995.
  • Hosptial XF., Hierro E., Stringer S., Fernández M., A study on the toxigenesis by clostridium botulinum in nitrate and nitrite reduced dry fermented sausages. Int J Food Microbio, 2016. 218: 66-70.