Manchas nas pálpebras: por que aparecem?

Nem todas as manchas nas pálpebras têm a mesma origem ou as mesmas características. Porém, cada uma delas tem um tratamento específico. Quer saber mais sobre isso? Continue lendo!
Manchas nas pálpebras: por que aparecem?

Última atualização: 27 Novembro, 2020

As manchas nas pálpebras podem ter diversas causas, desde patologias metabólicas até reações alérgicas. Existem certas diferenças entre elas, tanto no tamanho quanto na cor e na espessura. Além disso, o seu aparecimento está ligado a vários fatores.

Em geral, a sua presença está relacionada a alterações hormonais, uso de medicamentos, exposição excessiva aos raios ultravioleta, entre outros. Quais são as suas características? Que alternativas estão disponíveis para o seu tratamento?

Manchas nas pálpebras

Nem todas as manchas nas pálpebras estão relacionadas ao sono ou às olheiras. Algumas delas são manifestações de patologias que requerem um tratamento específico. A seguir, explicamos mais detalhes.

Xantelasmas

Os xantelasmas são pápulas e placas amareladas causadas pelo acúmulo localizado de depósitos de lipídios. É comum vê-los nas pálpebras, e podem indicar um distúrbio lipídico plasmático em aproximadamente 50% dos pacientes.

Portanto, esse problema deve ser avaliado para detectar as causas subjacentes da hiperlipidemia. De acordo com as descrições, é uma lesão benigna assintomática, pois não está relacionada a complicações cutâneas.

Porém, há quem prefira tratar essas manchas nas pálpebras por motivos estéticos. A técnica que mais se utiliza é a excisão cirúrgica devido aos seus resultados estéticos.

Mulher de olhos fechados
Os xantelasmas podem ser um sinal de um distúrbio lipídico plasmático. Eles são benignos, mas quem os tem prefere tratá-los.

Mudanças hormonais na gravidez

As variações hormonais que ocorrem durante a gravidez estão relacionadas a mudanças na pele. Em particular, geralmente causam uma condição conhecida como melasma, que provoca o surgimento de máculas hiperpigmentadas e manchas simetricamente distribuídas na face, pescoço ou, em alguns casos, nos membros superiores.

Os fatores de risco conhecidos incluem radiação ultravioleta (UV), variações hormonais, doenças da tireoide e uso de medicamentos anticoncepcionais. Em caso de aparecimento de manchas nas pálpebras devido a essa condição, as opções de tratamento são as seguintes:

  • Agentes tópicos de hipopigmentação.
  • Peelings químicos.
  • Terapia a laser.
  • Microdermoabrasão superficial.

Isso  pode interessar você: 3 remédios naturais para o melasma

Análogos de prostaglandina para glaucoma

Os análogos da prostaglandina usados ​​para tratar o glaucoma, como latanoprosta e bimatoprosta, podem deixar as pálpebras escuras após cerca de 3 a 6 meses de uso.

Uma publicação no American Journal of Dermatology conclui que, quando as pessoas param de usar a bimatoprosta, o escurecimento pode desaparecer completamente depois de um tempo.

Melanocitose dérmica

A melanocitose dérmica compreende uma série de lesões cutâneas que se caracterizam pela presença de manchas. Em particular, quem sofre dessa condição apresenta manchas cinza ou azul-acinzentadas nas pálpebras. Pode ser devido a causas adquiridas ou congênitas.

Relatórios do Journal of the American Academy of Dermatology afirmam que o seu surgimento está relacionado à exposição ao sol, alterações hormonais durante a gravidez e dermatite atópica crônica.

Vitiligo

O vitiligo é caracterizado pela destruição seletiva dos melanócitos. Como consequência disso, aparecem manchas de despigmentação da pele. Sobrancelhas, pálpebras e o vitiligo genital são dilemas terapêuticos, especialmente em crianças.

Há uma forte associação de distúrbios oculares em pacientes com vitiligo, de acordo com estudos do Journal of the Indian Medical Association. Nestes casos, o pimecrolimo pode ser uma opção apropriada para o seu tratamento.

Vitiligo nas pálpebras
O vitiligo é uma das causas das manchas nas pálpebras. Embora não haja uma cura definitiva, alguns tratamentos ajudam a melhorar a sua aparência.

Hiperpigmentação pós-inflamatória

O eczema crônico e a inflamação alérgica nos olhos podem causar hiperpigmentação e pálpebras escuras. Algumas pessoas podem desenvolvê-las esfregando e coçando a pele ao redor dessa área. Também pode ser o resultado do acúmulo de fluido devido a alergias.

Púrpura por amiloidose

A amiloidose é uma condição rara que ocorre quando uma proteína chamada “amiloide” fica concentrada nos órgãos. É uma doença que não tem cura; mesmo assim, existem tratamentos que ajudam a controlar os sintomas e a limitar a produção de amiloide.

O aparecimento de arroxeados sem traumas na face, especialmente nas pálpebras e no pescoço, deve suscitar suspeitas de amiloidose. É necessário consultar um médico para obter um diagnóstico adequado.

Manchas alaranjadas nas pálpebras

Manchas dessa cor na região palpebral são alterações que se localizam na parte interna das pálpebras superiores, diferentemente do xantelasma. Sua origem não é totalmente clara, mas acredita-se que sejam provocadas por depósitos de lipofuscina.

Trate as manchas nas pálpebras para melhorar a aparência do rosto

As manchas nas pálpebras são uma condição comum e geralmente não representam nada de grave. No entanto, é comum que aqueles que sofrem com elas busquem opções de tratamento, pois não gostam da sua aparência.

Felizmente, hoje em dia existem diversos cremes e procedimentos cosméticos que permitem minimizá-las para melhorar a aparência da pele. Vale a pena consultar um dermatologista para escolher a melhor opção de acordo com o seu caso.

Pode interessar a você...
8 dicas para conservar as pálpebras firmes
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
8 dicas para conservar as pálpebras firmes

Caso deseje conservar as pálpebras firmes, tente adotar alguns hábitos saudáveis em sua rotina de beleza. Descubra estas 8 dicas.



  • Hori Y, Kawashima M, Oohara K, Kukita A. Acquired, bilateral nevus of Ota-like macules. J Am Acad Dermatol. 1984;10(6):961-964. doi:10.1016/s0190-9622(84)80313-8
  • Sodhi PK, Verma L, Ratan SK. Increased periocular pigmentation with ocular hypotensive lipid use in African Americans. Am J Ophthalmol. 2004;137(4):783. doi:10.1016/j.ajo.2003.11.073
  • Ing EB, Buncic JR, Weiser BA, de Nanassy J, Boxall L. Periorbital hyperpigmentation and erythema dyschromicum perstans. Can J Ophthalmol. 1992;27(7):353-355.
  • Cho S, Lee SJ, Chung WS, Kang JM, Kim YK, Cho SB. Acquired bilateral nevus of Ota-like macules mimicking dark circles under the eyes. J Cosmet Laser Ther. 2010;12(3):143-144. doi:10.3109/14764172.2010.487912
  • Lee HY, Jin US, Minn KW, Park YO. Outcomes of surgical management of xanthelasma palpebrarum. Arch Plast Surg. 2013;40(4):380-386. doi:10.5999/aps.2013.40.4.380
  • Biswas G, Barbhuiya JN, Biswas MC, Islam MN, Dutta S. Clinical pattern of ocular manifestations in vitiligo. J Indian Med Assoc. 2003;101(8):478-480.
  • Assouly P, Cavelier-Balloy B, Dupré T. Orange palpebral spots. Dermatology. 2008;216(2):166-170. doi:10.1159/000111516