Vitiligo

O vitiligo é considerado uma doença benigna que, no entanto, gera um importante efeito psicológico e social naqueles que a sofrem

O Vitiligo é uma doença crônica que resulta em uma pigmentação anormal da pele. Como resultado disso se formam manchas brancas de diferentes tamanhos e formas de distribuição. Geralmente, elas são mais visíveis em áreas mais pigmentadas ou expostas à fricção, como rosto, axilas, lábios, órgãos genitais, mãos, etc.

A doença afeta entre 1% e 2% da população. Ela geralmente ataca pessoas com idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos, ou aquelas com mais de 50. No entanto pode ocorrer em qualquer fase da vida. Existe uma maior prevalência em mulheres do que em homens.

O vitiligo não é contagioso. Sua evolução é imprevisível, embora geralmente tenda a progredir. Apenas um número muito baixo de pessoas afetadas gera uma repigmentação espontânea. As poucas ocasiões em que isso acontece, quase sempre correspondem a crianças.

A origem do vitiligo

Até agora a ciência não conhece a causa do vitiligo. É especulado que poderia ser uma doença autoimune, mas ainda não há provas suficientes. Algumas relações também foram encontradas com o fator genético, uma vez que um de cada cinco afetados,  tem antecedentes de familiares que a padecem.

A hipótese mais aceita é que a perda de pigmentação ocorre porque os melanócitos desenvolvem processos de autodestruição. Sabe-se que existem também outros fatores associados, como queimaduras solares e estresse emocional.

O grau de perda de pigmentação varia de um paciente para outro. Às vezes começa rapidamente e depois para de repente. É desconhecida a causa. Na maioria dos casos há uma evolução cíclica: os períodos ativos da doença alternam com outros períodos de estabilidade.

Sintomas do vitiligo

A principal manifestação do vitiligo são manchas brancas na pele. Estas aparecem principalmente nas áreas mais expostas ao sol. Conforme mencionado acima, eles também aparecem nas membranas mucosas e áreas de atrito.

Mulher com vitiligo

A quantidade de manchas e sua extensão geralmente aumenta com o tempo. No entanto isso é completamente imprevisível e apresenta grandes variações entre uma pessoa e outra. O que é certo, é que a doença é mais visível naqueles com pele escura. Pacientes com pele mais clara só veem as manchas quando apresentam a epiderme avermelhada.

Embora o couro cabeludo não seja afetado pelo vitiligo, é usual que os afetados ganhem cabelos brancos precocemente. Em qualquer caso, esta doença é classificada como benigna, uma vez que não gera danos sérios ao organismo. A principal afetação é a estética e psicológica.

Tipos de vitiligo

Existem dois tipos de vitiligo: não segmentar ou tipo A, e segmentar, ou tipo B. O tipo A é o mais frequente e no qual, na maioria das vezes, é observado um fator genético. É classificado em quatro subtipos, de acordo com a distribuição do processo de despigmentação:

Rosto com vitiligo

  • Localizado: as manchas são escassas e estão localizadas em uma área específica
  • Está localizado nos dedos e nos orifícios do rosto
  • Aparece apenas nos pés e nas mãos
  • Generalizado: a distribuição dos pontos é aleatória e cobre a maior parte do corpo. É a forma mais comum de vitiligo

Por sua parte, o vitiligo tipo B é mais incomum. Geralmente aparece em idade precoce, em crianças ou jovens. Este quase sempre começa com uma rápida propagação de manchas, mas depois tem uma parada, na maioria das vezes após um ano.

Diagnóstico e expectativas

O mais comum é que o médico realize um exame físico e uma entrevista clínica para fazer o diagnóstico. Isso inclui uma inspeção detalhada das manchas para verificar se elas correspondem à doença. Do mesmo modo, são feitas perguntas sobre a história familiar e o estado geral do paciente.

Se houver alguma dúvida ou suspeita de que os sintomas podem corresponder a outra patologia, o médico acabará por encomendar outros exames, como os seguintes:

  • Biópsia cutânea.
  • Lâmpada de wood.
  • Análise de sangue.
  • Exame do olho.

Atualmente estão em andamento várias pesquisas sobre o vitiligo. Eles estão basicamente focados em três frentes. O primeiro é determinar a incidência do estresse e dos traumatismos sobre a doença. O segundo é estabelecer a influência da genética sobre o aparecimento do vitiligo.

Desenvolvem-se experimentos com ratos de laboratório para desenvolver novos tratamentos.

Categorias: Curiosidades Tags:
Recomendados para você