Leite desnatado versus leite integral

A principal diferença entre os dois tipos de leite é que o leite desnatado contém uma menor proporção de gordura e, portanto, as calorias que contém são menores.
Leite desnatado versus leite integral

Última atualização: 23 Maio, 2021

Se você quiser saber o que as novas pesquisas dizem sobre a polêmica entre o leite desnatado e o leite integral, não perca este artigo que o ajudará a esclarecer suas dúvidas.

Uma das primeiras medidas no início de uma dieta para emagrecer é substituir o leite integral pelo desnatado para consumo diário, com o objetivo de reduzir o consumo de gorduras e emagrecer gradativamente.

Outras pessoas mudam o tipo de leite por uma questão de gosto, pois acham o leite integral forte e pesado. Seja qual for o motivo, é importante analisar os alimentos que fazem parte da dieta diária e saber se o leite desnatado é a melhor alternativa.

Leite desnatado versus leite integral?

A principal diferença entre os dois tipos de leite é que o leite desnatado contém uma porcentagem menor de gordura e, portanto, as calorias que contém são menores.

No entanto, quando a gordura é removida as vitaminas lipossolúveis A, D e E são descartadas. É importante ressaltar que alguns desses nutrientes, como a vitamina D, têm se mostrado essenciais para a prevenção de patologias complexas. Além disso, geralmente é difícil introduzi-lo no corpo por meio da dieta.

Qual é mais nutritivo?

Diferenças
De acordo com várias pesquisas, o consumo de leite integral não é mais prejudicial do que o leite desnatado.

Como já mencionamos, a principal diferença estará na porcentagem de gordura, que influenciará tanto nas calorias quanto no sabor.

Mas não é só isso; ao perder gordura, o leite desnatado também perde as vitaminas lipossolúveis características do leite, principalmente a vitamina A, e a vitamina D, ou o calciferol. Além disso, uma certa proporção minoritária de vitamina E ou tocoferol é perdida naturalmente no desnatado.

Soma-se a isso a redução da capacidade de absorção do cálcio que o sistema digestivo capta melhor acompanhado da gordura e das vitaminas do leite.

Atualmente, o leite desnatado que nos chega não apresenta essas diferenças em relação às vitaminas lipossolúveis e à quantidade de cálcio (outra coisa deve ser absorvida da mesma forma ou não) porque as vitaminas A, D e E são adicionadas artificialmente.

Não necessariamente se trata de vitaminas sintéticas, mas elas também não precisam vir da gordura extraída. Isto é, que inicialmente, ambos os leites são iguais nutricionalmente, embora um tenha menos calorias.

O que dizem os estudos?

Um estudo de 2017 publicado no The American Journal of Nutrition garante que a ingestão de queijo e iogurte com todos os seus ingredientes não só não afeta a obesidade, mas pode até ajudar a preveni-la, assim como a diabetes. Algo que, segundo o estudo, não é observado em consumidores de produtos desnatados.

Outro estudo liderado pelo Dr. Dariush Mozaffarian concluiu que beber leite integral pode prevenir a diabetes. Nesta pesquisa, o sangue de mais de 3.000 pessoas foi analisado ao longo de um período de 15 anos. Pessoas que consumiram leite integral tiveram 46% menos chance de ter essa doença.

Por outro lado, um pesquisador da Universidade de Harvard, Mohammad Yakoob, não encontrou em uma meta-análise de prontuários médicos nos Estados Unidos uma relação entre a ingestão de leite integral e obesidade ou diabetes. Pelo contrário, a revisão sugere que os consumidores de leite integral parecem mais protegidos. 

Mais estudos com o leite desnatado, desta vez em crianças

 

Criança bebendo leite
Crianças em idade pré-escolar costumam consumir os dois tipos de leite, embora não haja muitas evidências de que há preferência por qualquer um deles.

Um estudo publicado em 2016 analisou a dieta de 2.700 crianças com idades entre dois e seis anos. Seus resultados provaram que as crianças que beberam leite integral apresentaram menor massa corporal.

Dr. Dariush Mozaffarian afirma o seguinte:

“Acho que esses resultados indicam que precisamos de uma mudança na política recomendando apenas produtos lácteos com baixo teor de gordura. Não há evidências de que quem faz uma dieta com laticínios com baixo teor de gordura esteja em melhor situação do que quem faz uma dieta com leite integral”.

A importância do consumo de leite

Esperamos ter contribuído para você conhecer um pouco mais sobre os tipos de leite. Por enquanto, parece que a controvérsia do leite desnatado versus leite integral está recebendo uma nova luz. O que está claro é que promover a ingestão de laticínios é essencial para a saúde.

Esses alimentos contêm proteínas, micronutrientes e bactérias necessárias para garantir o bom funcionamento do organismo. Por isso, devem figurar no contexto de uma alimentação saudável.

Em todo caso, procure não exagerar para não aumentar excessivamente o valor calórico de sua dieta. Caso contrário, você pode sofrer um aumento indesejável na massa gorda.

Pode interessar a você...
Os 5 melhores leites vegetais
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os 5 melhores leites vegetais

Os ingredientes que esses leites vegetais contêm costumam ser uma ótima opção. São saudáveis, pois não trazem os efeitos negativos do leite de vaca...



  • Wang TJ. Vitamin D and Cardiovascular Disease. Annu Rev Med. 2016;67:261-72.
  • Tanja Kongerslev Thorning, Hanne Christine Bertram, Jean-Philippe Bonjour, Lisette de Groot, Didier Dupont, Emma Feeney, Richard Ipsen, Jean Michel Lecerf, Alan Mackie, Michelle C McKinley, Marie-Caroline Michalski, Didier Rémond, Ulf Risérus, Sabita S Soedamah-Muthu, Tine Tholstrup, Connie Weaver, Arne Astrup, Ian Givens, Whole dairy matrix or single nutrients in assessment of health effects: current evidence and knowledge gaps, The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 105, Issue 5, May 2017, Pages 1033–1045,
  • Mohammad Y Yakoob, Peilin Shi, Frank B Hu, Hannia Campos, Kathryn M Rexrode, E John Orav, Walter C Willett, Dariush Mozaffarian; Circulating biomarkers of dairy fat and risk of incident stroke in U.S. men and women in 2 large prospective cohorts, The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 100, Issue 6, 1 December 2014, Pages 1437–1447.