Leite desnatado versus leite integral

· 10 de junho de 2019
A principal diferença entre os dois tipos de leite é que o leite desnatado contém uma menor proporção de gordura e, portanto, as calorias que contém são menores.

Um dos primeiros passos tomados no início de uma dieta para perder peso é substituir o leite integral por um desnatado para o consumo diário com o objetivo de reduzir o consumo de gordura e, gradualmente, perder peso.

Outras pessoas mudam o tipo de leite por uma questão de gosto, pois descobrem que o leite integral é forte e pesado. Seja qual for o motivo, é importante avaliar se o leite desnatado é a melhor alternativa para tomá-lo regularmente.

Leite desnatado versus leite integral?

A principal diferença entre os dois tipos de leite é que o leite desnatado contém uma porcentagem menor de gordura e, portanto, as calorias que contém são menores.

No entanto, quando a gordura é removida as vitaminas lipossolúveis A, D e E são descartadas. Embora agora, quase todos os leites, semi ou totalmente desnatados, já venham enriquecidos com essas vitaminas.

Leia também: Melhore sua digestão e alivie a inflamação com esta vitamina de mamão e leite de amêndoas

Qual é mais nutritivo?

Queijos e leite

Como já mencionamos, a principal diferença estará na porcentagem de gordura, que influenciará tanto nas calorias quanto no sabor.

Mas não é só isso; ao perder gordura, o leite desnatado também perde as vitaminas lipossolúveis características do leite, especialmente a vitamina A, e a vitamina D, ou o calciferol. Além disso, uma certa proporção minoritária de vitamina E ou tocoferol é perdida naturalmente no desnatado.

Segundo o professor Sergio Casalmiglia, professor da Universidade de Barcelona, ​​a isso se soma uma redução na capacidade de absorção de cálcio, que nosso sistema digestivo capta melhor acompanhado de gordura e vitaminas do leite.

Atualmente, o leite desnatado que nos chega não apresenta essas diferenças em relação às vitaminas lipossolúveis e à quantidade de cálcio (outra coisa deve ser absorvida da mesma forma ou não) porque as vitaminas A, D e E são adicionadas artificialmente.

Não necessariamente se trata de vitaminas sintéticas, mas elas também não precisam vir da gordura extraída. Isto é, que inicialmente, ambos os leites são iguais nutricionalmente, embora um tenha menos calorias.

O que dizem os estudos?

Um estudo de 2017 publicado no American Journal of Nutrition garante que a ingestão de queijos e iogurtes com todos os seus ingredientes pode ajudar a prevenir a obesidade, assim como o diabetes. Algo que, segundo o estudo, não é observado nos consumidores de produtos desnatados.

Outro estudo liderado pelo Dr. Dariush Mozaffarian, concluiu que beber leite integral pode prevenir a diabetes. Nesta pesquisa, o sangue de mais de 3000 pessoas foi analisado durante um período de 15 anos. As pessoas que consumiram leite integral tiveram uma probabilidade 46% menor de ter essa doença.

Por outro lado, o pesquisador da Universidade de Harvard, Mohammad Yakoob, não encontrou em meta-análise de prontuários nos Estados Unidos a relação entre a ingestão de leite integral e a obesidade ou a diabetes. Pelo contrário, a revisão sugere que os consumidores de leite integral parecem mais protegidos.

Confira ademais: Fortaleça sua saúde óssea consumindo estes 8 alimentos ricos em cálcio

Mais estudos com o leite desnatado, desta vez em crianças

 

Menina tomando leite desnatado

Um estudo publicado em 2016 analisou a dieta de 2.700 crianças entre dois e seis anos de idade. Seus resultados provaram que as crianças que bebiam leite integral tinham uma massa corporal menor.

O Dr. Dariush Mozaffarian diz: “Eu acho que esses resultados indicam que precisamos de uma mudança na política que recomenda apenas o consumo de produtos lácteos com baixo teor de gordura. Não há evidências de que aqueles que consomem laticínios com baixo teor de gordura estejam em melhores condições do que aqueles que optam por leite integral“.

Finalmente, esperamos ter contribuído para conhecer um pouco mais sobre os tipos de leite. Por enquanto, parece que a controvérsia do leite desnatado versus o leite integral traz novas luzes.

  • Ludwig, D. S., & Willett, W. C. (2013, September). Three daily servings of reduced-fat milk: An evidence-based recommendation? JAMA Pediatrics. https://doi.org/10.1001/jamapediatrics.2013.2408
  • Shelley M Vanderhout, Catherine S Birken, Patricia C Parkin, Gerald Lebovic, Yang Chen, Deborah L O’Connor, Jonathon L Maguire, the TARGet Kids! Collaboration; Relation between milk-fat percentage, vitamin D, and BMI z score in early childhood, The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 104, Issue 6, 1 December 2016, Pages 1657–1664, https://doi.org/10.3945/ajcn.116.139675.
  • Mohammad Y Yakoob, Peilin Shi, Frank B Hu, Hannia Campos, Kathryn M Rexrode, E John Orav, Walter C Willett, Dariush Mozaffarian; Circulating biomarkers of dairy fat and risk of incident stroke in U.S. men and women in 2 large prospective cohorts, The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 100, Issue 6, 1 December 2014, Pages 1437–1447, https://doi.org/10.3945/ajcn.114.083097
  • Tanja Kongerslev Thorning, Hanne Christine Bertram, Jean-Philippe Bonjour, Lisette de Groot, Didier Dupont, Emma Feeney, Richard Ipsen, Jean Michel Lecerf, Alan Mackie, Michelle C McKinley, Marie-Caroline Michalski, Didier Rémond, Ulf Risérus, Sabita S Soedamah-Muthu, Tine Tholstrup, Connie Weaver, Arne Astrup, Ian Givens; Whole dairy matrix or single nutrients in assessment of health effects: current evidence and knowledge gaps, The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 105, Issue 5, 1 May 2017, Pages 1033–1045.