Irregularidades na menstruação, quais as causas?

· 23 de novembro de 2018
A ausência de menstruação é conhecida como amenorreia e, na maioria dos casos, está relacionada a períodos de estresse ou com a uma má nutrição.

Sofrer irregularidades na menstruação é algo muito comum na vida das mulheres. Na maioria das vezes, passamos por períodos de estresse, os quais podem afetar a normalidade dos nossos ciclos: podendo adiantá-los ou atrasá-los.

Os fatores desencadeadores podem ser muitos e variados, cuidar bem da nossa nutrição e saúde são, sem dúvidas, medidas indispensáveis para o correto funcionamento do ciclo menstrual.

Por isso, hoje queremos dedicar este espaço para que você considere nossas recomendações, para que compreenda quais as causas de determinados sintomas e como solucioná-los com o apoio e aconselhamento do seu médico.

Por isso, lembre-se: diante de qualquer sintoma ou alteração que você perceber no seu corpo, não hesite em pedir a opinião de um especialista. Isso é essencial!

O que são as irregularidades na menstruação?

Com certeza, você já sofreu e se assustou algumas vezes porque a sua menstruação atrasou.

Você sabe que não está grávida, mas, no entanto, não sente as dores menstruais e os dias vão se passando sem que ela apareça.

Pode ser que você sofra de sangramentos imprevisíveis ou que, de repente, faça você sofrer mais do que o normal.

Os ciclos menstruais normais têm uma duração entre 21 e 35 dias até que o sangue apareça.

Durante os cinco ou seis primeiros anos, é normal que haja irregularidades na menstruação.

Porém, com o tempo, à medida que amadurecemos, o seu funcionamento costuma ser regular até os 40 ou 45 anos, quando, então, começa a etapa da nossa vida em que a menopausa vai aparecendo progressivamente.

Portanto, com base no que foi dito anteriormente, podemos afirmar que as irregularidades na menstruação são processos anormais que identificamos de imediato, seja pela dor, por não vir a menstruação, ou por vir duas vezes em apenas um mês.

É preciso analisar as causas uma a uma.

Atraso na menstruação

A primeira possibilidade que pode ser descartada é a de gravidez. A partir de então, pode-se supor que se trata de uma “amenorreia” quando já tiver passado três meses sem que a menstruação tenha vindo.

Porém, vocês podem ficar tranquilas, pois na maioria das vezes, isso está ligado a um período de estresse: quando estamos muito nervosas, quando atravessamos momentos de ansiedade e, inclusive, pela perda de algum ente querido, etc.

É normal que o nosso corpo também sofra com isso. Pode ainda ser causada por uma alimentação inadequada, por uma anorexia, por tomar certos medicamentos e, inclusive, em decorrência da obesidade.

Leia também: 7 dicas para prevenir a obesidade

Os distúrbios na tireoide ou algum outro problema hormonal, também podem ser determinantes para que a menstruação não venha.

O que pode ser feito?

Além de visitar um médico, se assim o desejar, você pode seguir algumas recomendações muito simples e naturais para regular o organismo:

  • Melhore a tua alimentação: evite gorduras, doces, aumente o consumo de líquidos, frutas e verduras.
  • O mamão: é muito indicado para normalizar a menstruação.
  • Chá de erva doce: é ideal para regular os ciclos; se você tomar duas xícaras ao dia por duas semanas, notará como pouco a pouco eles irão se normalizar.

Oligomenorreia

Quando falamos de oligomenorreia, estamos nos referindo a casos em que o período menstrual ocorre em intervalos de tempo bem maiores que o comum, como, por exemplo, uma vez a cada quatro meses ou, até mesmo, raramente.

Às vezes, trata-se simplesmente de uma peculiaridade da própria mulher, outras vezes, pode ser um sintoma da Síndrome do Ovário Policístico (SOP), muito comum em casos de amenorreia.

Falência ovariana prematura

Há ocasiões nas quais nem sequer chegamos aos 45 anos e a menstruação é interrompida. Deixamos de ovular. As mulheres com este problema podem deixar de ter menstruação ou tê-la muito eventualmente devido à falência prematura dos ovários.

Conheça: Remédios caseiros para a osteoporose

As consequências de deixar de menstruar tão cedo podem resultar no aparecimento da osteoporose, nesse caso, pode ser necessário fazer um tratamento complementar com hormônios.

Dismenorreia

São períodos muito dolorosos. As mulheres que sofrem com a dismenorreia, principalmente durante as suas menstruações, sentem-se incapazes diante desse mal, e ainda que não se trate de uma doença grave, é um grande incomodo para a vida cotidiana.

Remédios caseiros, como banhos quentes, ou o uso de plantas com propriedades analgésicas, podem nos ajudar nestes períodos.

Endometriose

Endometriose

Quando sofremos dores antes e depois da menstruação, durante longos períodos, com grande perda de sangue, talvez seja indício de endometriose.

Ela consiste basicamente no crescimento anormal dos tecidos no interior do útero da mulher, o que pode causar infertilidade. É uma doença grave e precisa ser tratada, por isso, é importante que você vá ao médico quando sentir algum sintoma.

Fibroma uterino

Sem dúvida alguma, são os tumores cancerígenos mais comuns que acometem mulheres em idade fértil. Os fatores que podem indicar a presença de fibroma uterino são vários: ciclos menstruais longos, sangramento no período entre os ciclos…

Em certos casos, os medicamentos podem deter o seu crescimento, e em outros será necessário uma intervenção cirúrgica.

É muito importante, portanto, ficar atento a qualquer sinal, qualquer irregularidade que notemos em nosso corpo, pois às vezes pode ser um indício de outras coisas, como: estresse, má alimentação ou alguma enfermidade que devemos tratar para o bem da nossa saúde.

É bom ficarmos atentas em relação às irregularidades na menstruação!

  • Meier, R. K. (2018). Polycystic Ovary Syndrome. Nursing Clinics of North America. https://doi.org/10.1016/j.cnur.2018.04.008
  • Giudice, L. C., & Kao, L. C. (2004). Endometriosis. In Lancet. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(04)17403-5
  • Master-Hunter, T., & Heiman, D. L. (2006). Amenorrhea: Evaluation and treatment. American Family Physician.