Infecção vaginal fúngica: causas e abordagem

11 Janeiro, 2020
Para acelerar o alívio de uma infecção vaginal por fungos podemos usar alguns remédios naturais com propriedades antifúngicas. Pela sua composição, estes ajudam a deter o crescimento da Candida albicans.
 

Uma infecção vaginal fúngica é uma condição comum que geralmente se desenvolve a partir do crescimento do fungo candida albicans. Esse micro-organismo habita naturalmente a vagina, mas pode se multiplicar diante de certos fatores.

Como resultado ocorrem sintomas desconfortáveis, como inflamação, coceira e alterações no fluxo. Além disso, às vezes produz um odor incômodo e desconforto ​​no momento das relações sexuais. Quais são as suas causas? Você pode combatê-la com remédios naturais?

Nesta oportunidade, queremos dedicar este espaço para resolver essas questões. Da mesma forma, revisaremos detalhadamente seus principais sintomas e algumas recomendações para sua prevenção.

Tome nota!

Causas da infecção vaginal fúngica

A Candida albicans faz parte da microflora vaginal normal.

Uma grande variedade de micro-organismos habita naturalmente na vagina. O fungo Candida albicans é um deles. Em um estado normal, as bactérias conhecidas como Lactobacillus ajudam a manter o seu crescimento sob controle a fim de evitar desconfortos.

No entanto, quando sofrem um desequilíbrio, a levedura cresce excessivamente e causa uma infecção. Isso, por sua vez, pode ser a consequência de fatores como:

 
  • Consumo prolongado de antibióticos
  • Gravidez e alterações hormonais
  • Sistema imunológico enfraquecido
  • Diabetes não controlada
  • Maus hábitos alimentares
  • Estresse e insônia

Quando a infecção vaginal fúngica é recorrente ou não desaparece com o tratamento usual, sua causa pode ser diferente do crescimento do fungo Candida. Nestes casos, é essencial solicitar exames médicos e laboratoriais.

Descubra também: Como detectar e tratar uma infecção vaginal a tempo

Sintomas

Os sintomas de uma infecção vaginal por leveduras ou fungos podem variar dependendo da evolução da doença. Quando a infecção é leve, a paciente pode experimentar apenas coceira vaginal e alterações no fluxo. No entanto, à medida que o problema progride, também pode ocorrer:

  • Inchaço ao redor da vagina
  • Dor durante a relação sexual
  • Ardor ao urinar
  • Pele avermelhada
  • Erupções
  • Fluxo cinza e com grumos

Remédios naturais para combater uma infecção vaginal fúngica

Todas as infecções por leveduras são diferentes. Por isso é importante consultar o médico quando o desconforto persistir por vários dias. O tratamento convencional inclui medicamentos tópicos como clotrimazol ou fluconazol, entre outros.

No entanto, casos mais leves podem ser aliviados com alguns remédios naturais com propriedades antifúngicas e antibacterianas. Embora ainda não hajam estudos científicos sobre a sua eficácia e não sejam tão potentes quanto os remédios prescritos, seu uso pode favorecer o alívio dos sintomas. Você os conhece?

 

Iogurte Grego

O iogurte grego é um probiotico que pode ajudar a restaurar a microbiota vaginal.

Os probióticos contidos no iogurte grego podem apoiar o tratamento da infecção vaginal por leveduras causadas por Candida albicans. Essas bactérias vivas, especificamente o Lactobacillus acidophilus, ajudam a criar um ambiente saudável na vagina.

Como usá-lo?

  • Antes de tudo, é essencial comprar um iogurte grego que não contenha açúcar adicionado, pois este alimenta o fungo.
  • Posteriormente, você pode aplicá-lo nas partes externas da vagina.
  • Também é benéfico consumir uma porção por dia.

Ácido bórico para uma infecção vaginal fúngica

O ácido bórico é um ingrediente com propriedades antissépticas e antifúngicas que favorece o controle de infecções fúngicas. Pesquisas realizadas em 2009 sugerem que este pode contribuir para a abordagem da vaginose.

No entanto, é essencial saber que, em grandes quantidades é um ingrediente agressivo que pode causar danos nos rins, falência aguda do sistema circulatório ou morte. Por isso, não deve ser usado em peles rachadas e não pode ser tomado por via oral.

Como usá-lo?

  • Para lidar com a infecção vaginal por leveduras é aconselhável dissolver uma pequena colher de chá em um balde de água.
 
  • A preparação é aplicada na área da vulva para minimizar o desconforto.

Cuidado: este remédio não deve ser usado durante a gravidez.

Óleo de coco

O óleo de coco pode reduzir o desenvolvimento da infecção vaginal fúngica

O óleo de coco é um ingrediente com propriedades antifúngicas que podem ajudar a controlar o crescimento do fungo Cândida albicans. Assim, seu uso regular contribui, de certa forma, para interromper a infecção vagina fúngica.

Como usá-lo?

  • Primeiro, adquira óleo de coco puro e 100% orgânico.
  • Posteriormente, aplique-o na área afetada.
  • Use-o diariamente até sentir uma melhora.

Leia também: Como preparar um sabonete natural para combater infecções vaginais

Alho

Sem dúvida, o alho ainda continua vigorando como um dos melhores remédios naturais contra as infecções. De acordo com os resultados de um estudo de laboratório, o alho poderia ser um remédio potente para controlar a Candida albicans. No entanto, ainda são necessárias evidências para verificar esses efeitos.

Como usá-lo?

  • Para tirar proveito de suas propriedades, recomenda-se o consumo diário de um dente de alho cru.
  • Também pode ser útil fazer uma preparação para uso externo: esmague um alho, despeje em água quente e deixe esfriar. Em seguida, coe e aplique o líquido como um enxágue.
 

Cuidado: por nenhuma razão o alho deve ser inserido na vagina. Casos de queimaduras e dores foram relatados por esses tipos de remédios.

Óleo de orégano silvestre para abordar a infecção vaginal fúngica

Outro dos grandes antifúngicos naturais é o óleo de orégano silvestre.

O óleo de orégano silvestre (Origanum vulgare) contém dois antifúngicos potentes, conhecidos como timol e carvacrol. Esses componentes ajudam a parar ou retardar o desenvolvimento do fungo Candida albicans. Portanto, este remédio é útil contra infecções fúngicas vaginais.

Como usá-lo?

  • Combine três gotas de óleo essencial de orégano com o óleo de coco.
  • Posteriormente, aplique-o nas partes externas da vagina (área vulvar), com uma massagem leve.

Cuidado: evite usar óleo não diluído. Também não o aplique dentro da vagina. Lembre-se de que os óleos essenciais não devem ser tomados por via oral.

Para levar em conta!

A eficácia desses remédios naturais varia e a evidência de seu sucesso é, acima de tudo, anedótica. Apesar disso, a aplicação regular pode ajudar a aliviar os sintomas em poucos dias. No entanto, se o desconforto piorar ou reaparecer, é melhor consultar o médico de imediato.

 

Dependendo da gravidade da infecção, é provável que sejam necessários tratamentos farmacológicos. Até mesmo alguns testes complementares podem ser necessários para descartar outras condições mais graves de saúde.

  • Blostein, F., Levin-Sparenberg, E., Wagner, J., & Foxman, B. (2017). Recurrent vulvovaginal candidiasis. Annals of Epidemiology. https://doi.org/10.1016/j.annepidem.2017.08.010
  • Falagas, ME, Betsi, GI, y Athanasiou, S. (2006). Probióticos para la prevención de la candidiasis vulvovaginal recurrente: una revisión. Diario de la quimioterapia antimicrobiana. https://doi.org/10.1093/jac/dkl246
  • Xie, HY, Feng, D., Wei, DM, Chen, H., Mei, L., Wang, X., y Fang, F. (2013). Probióticos para la candidiasis vulvovaginal en mujeres no embarazadas. Base de Datos Cochrane de Revisiones Sistemáticas. https://doi.org/10.1002/14651858.CD010496
  • Darvishi, M., Jahdi, F., Hamzegardeshi, Z., Goodarzi, S. y Vahedi, M. (2015). La comparación de la crema vaginal de mezclar yogurt, miel y clotrimazol en los síntomas de la candidiasis vaginal. Revista mundial de ciencias de la salud , 7 (6), 108-116. https://doi.org/10.5539/gjhs.v7n6p108
  • Reichman, O., Akins, R., & Sobel, J. D. (2009). Boric acid addition to suppressive antimicrobial therapy for recurrent bacterial vaginosis. Sexually Transmitted Diseases. https://doi.org/10.1097/OLQ.0b013e3181b08456
  • Ogbolu, D. O., Oni, A. A., Daini, O. A., & Oloko, A. P. (2007). In Vitro Antimicrobial Properties of Coconut Oil on Candida Species in Ibadan, Nigeria. Journal of Medicinal Food. https://doi.org/10.1089/jmf.2006.1209
  • Nguyen, V. T. A., Le, T. D., Phan, H. N., & Tran, L. B. (2017). Antibacterial Activity of Free Fatty Acids from Hydrolyzed Virgin Coconut Oil Using Lipase from Candida rugosa. Journal of Lipids. https://doi.org/10.1155/2017/7170162
  • Shuford, J. A., Steckelberg, J. M., & Patel, R. (2005). Effects of fresh garlic extract on Candida albicans biofilms [1]. Antimicrobial Agents and Chemotherapy. https://doi.org/10.1128/AAC.49.1.473.2005
  • Lemar, K. M., Turner, M. P., & Lloyd, D. (2002). Garlic (Allium sativum) as an anti-Candida agent: A comparison of the efficacy of fresh garlic and freeze-dried extracts. Journal of Applied Microbiology. https://doi.org/10.1046/j.1365-2672.2002.01707.x
  • Manohar, V., Ingram, C., Gray, J., Talpur, N. A., Echard, B. W., Bagchi, D., & Preuss, H. G. (2001). Antifungal activities of origanum oil against Candida albicans. Molecular and Cellular Biochemistry. https://doi.org/10.1023/A:1013311632207