Para que serve a hidroquinona?

22 Agosto, 2020
Se você deseja eliminar manchas da pele, pergunte ao seu dermatologista de confiança sobre a possibilidade de fazer um tratamento com hidroquinona.
 

A hidroquinona é um produto químico utilizado em cosméticos para tratamentos despigmentantes. É usada, principalmente, para clarear manchas especialmente escuras na pele.

Existem produtos com diferentes concentrações de hidroquinona em sua composição. Quanto maior a concentração, mais forte é a ação despigmentante.

Mecanismo de ação da hidroquinona

A Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos explica que a melanina é a substância responsável pela pigmentação da pele, assim como do cabelo e até da íris dos olhos.

A hidroquinona exerce sua ação bloqueando a produção de melanina na pele e, paralelamente, aumentando a degradação das células que armazenam melanina. O bloqueio da produção de melanina é realizado por meio da inibição da tirosinase, uma enzima que transforma a tirosina em melanina.

Além disso, altera a estrutura dos melanossomos, aumentando sua degradação ou diminuindo sua produção. O resultado do tratamento com hidroquinona é uma pele mais macia e com uma tonalidade mais uniforme.

Em quais casos ela é indicada?

Manchas na pele do rosto

A hidroquinona é usada para tratar hiperpigmentações cutâneas como melasma, cloasma ou lentigos. Os lentigos são um tipo de mancha bastante comum que aparece por causa da exposição crônica ao sol, e geralmente são notados após o verão.

 

Existem diferentes alternativas e tratamentos dependendo do tipo de mancha cutânea. A hidroquinona é uma delas e seu uso é frequente, como é possível encontrar na enciclopédia médica citada alguns parágrafos acima. No entanto, é importante que o profissional determine qual é a opção mais adequada em cada caso.

São várias as causas que favorecem o aparecimento de manchas, mas a mais comum é a exposição solar. Embora a radiação solar seja um fator determinante, não é o único. Existem outros fatores que interferem no aparecimento das manchas, como:

  • Fototipo de pele: são mais comuns em peles claras, fototipos I ou II.
  • Medicamentos: alguns fármacos, como os anticoncepcionais, são fotossensíveis e podem causar manchas na pele.
  • Gravidez.
  • Tabagismo.
  • Genética e idade.
  • Lesões cutâneas prévias.

Leia também: 3 tratamentos para reduzir as manchas causadas por melasma

Como a hidroquinona é utilizada?

O artigo Hydroquinone Skin Bleaching Cream da WebMD afirma que esse composto pode ser usado em qualquer parte do corpo que tenha alguma mancha que se deseja clarear. No entanto, é necessário ter cuidado com os olhos e as mucosas.

Deve ser aplicada à noite na área a ser tratada, que não deve ser exposta ao sol sem protetor solar. Caso você tenha pele sensível, é aconselhável fazer o teste de sensibilidade antes de usar o produto.

A hidroquinona interfere apenas na formação de nova melanina. Portanto, o efeito despigmentante não é imediato e leva várias semanas para que seus benefícios possam ser observados na pele.

 

Além disso, o efeito da hidroquinona é temporário. Isso ocorre porque a produção de melanina é reativada quando o tratamento é interrompido. No entanto, a despigmentação pode persistir entre 2 e 6 meses após o término do tratamento.

Quais são as possíveis reações adversas?

Reação alérgica na pele

Entre as complicações mais frequentes que podem ser causadas pelo uso da hidroquinona e que foram coletadas pela WebMD, estão as seguintes:

  • Dermatite irritante de contato.
  • Vermelhidão da pele.
  • Alergia ao componente.
  • Sensação de ardor.

No entanto, em algumas pessoas, outras reações também podem aparecer, como bolhas, inchaço da pele ou da língua, dificuldade para respirar e dor no peito. Além disso, a hidroquinona é fotossensível, o que significa que, com a exposição à luz solar, pode causar outras manchas e piorar ainda mais a aparência da pele.

Outros efeitos secundários estão relacionados à aplicação do creme por longos períodos, como a perda de elasticidade da pele ou a descoloração das unhas.

Além disso, o uso prolongado pode levar ao excesso de pigmento, conhecido como ocronose. É uma mancha azul escura, quase irreversível e muito difícil de remover.

 

Também existe o risco de desenvolver alergia ao produto. Para saber se você é sensível à hidroquinona, é conveniente aplicá-la previamente em uma pequena área da pele. Embora uma leve vermelhidão seja considerada normal, se aparecerem sinais de uma reação alérgica, deve-se interromper o uso.

Leia também:  O que são os medicamentos fotossensíveis?

Recomenda-se o uso sob supervisão médica

Para a obtenção dos resultados, seria conveniente utilizar o despigmentante de forma regular e combiná-lo com o fotoprotetor específico para cada caso.

Dessa forma, os resultados obtidos com o tratamento seriam muito melhores e mais duradouros. Não se esqueça de consultar seu dermatologista para saber se esse é o tratamento mais adequado para você.

 
  • Gonchoroski, D. D., & Correa, G. M. (2005). Tratamento de hipercromia pós-inflamatória com diferentes formulações clareadoras. Infarma.

  • de Moraes Souza, D. C., Ludtke, C., de Moraes Souza, E. R., Rocha, N. W., Weber, M. B., Manzoni, A. P. D., & Lorenzini, F. K. (2013). Compara????o entre ??cido tioglic??lico 2.5%, hidroquinona 2%, haloxyl 2% e peeling de ??cido glic??lico 10% no tratamento da hiperpigmenta????o periorbital. Surgical and Cosmetic Dermatology.

  • Charlín, R., & Valenzuela, K. (2018). Manejo despigmentante de vitiligo generalizado con monobenzil eter de hidroquinona. Revista Chilena de Dermatología. https://doi.org/10.31879/rcderm.v32i4.129

  • MedlinePlus. Melamina. https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/002256.htm
  • MedlinePlus. Manchas cutáneas. https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/001141.htm
  • WebMD. Hydroquinone Skin Bleaching Cream. https://www.webmd.com/drugs/2/drug-87530/hydroquinone-skin-bleaching-topical/details
  • Revista Bionatura. Ocronosis exógena secundario al uso de hidroquinona. A propósito de un caso. http://revistabionatura.com/files/2019_i5tglpb8.04.01.10.pdf