Herpes-zóster

· 7 de janeiro de 2018
O herpes-zóster é uma doença que afeta principalmente pessoas com mais de 50 anos ou pessoas que tenham o sistema imunológico enfraquecido.

O herpes-zóster é uma infecção causada pelo vírus VZV ou varicela-zoster. Esta doença afeta principalmente os nervos que estão debaixo da pele e sua principal manifestação é inflamação e aparência de erupções em forma de bolha. Estes estão localizados ao longo de todo o nervo afetado, por isso podem ser percebidos facilmente.

A pele afetada fica irritada, com presença de pequenas vesículas que seguem o caminho do nervo. Esse sintoma tornou a doença popularmente conhecida como “telhas”. Devido a que as bolhas produzem uma dor que parece queimar a pele, em algumas partes do mundo é conhecido como “Fogo de Santo Antônio”.

Na maioria dos casos, esta doença afeta adultos. No entanto, um grande número de adolescentes tem episódios de herpes-zóster, mas são leves. É para os idosos que esta infecção causa maiores dificuldades.

Causas do herpes-zóster

Vírus do herpes-zóster

O vírus que causa o herpes-zóster é o mesmo que a varicela. O vírus nunca é erradicado do corpo, mas permanece no corpo em estado inativo. Quando ocorrem certas condições de saúde, o vírus reativa nos gânglios nervosos.

Nem todas as pessoas que tiveram varicela desenvolveram herpes-zóster. O normal é que o vírus reative naqueles que têm alterações temporárias ou permanentes do sistema imunológico, devido à idade, a outra doença ou à toma de alguns medicamentos, como corticosteroides, medicamentos para reumatismo e outros.

O herpes-zóster não é contagioso. No entanto, uma pessoa que sofra dessa doença pode espalhar o vírus para aqueles que não o tiveram. Foi estabelecido que esse contágio ocorre apenas por contato direto com as bolhas.

As pessoas com maior propensão a desenvolver essa doença são adultos com mais de 50 anos. Aqueles indivíduos que têm sistemas imunológicos enfraquecidos (HIV) também serão mais propensos. Além disso, observou-se que aqueles que sofreram de varicela (antes do primeiro ano de vida) também podem desenvolver esse herpes.

Sintomas do herpes-zóster

Bolhas do herpes-zóster

A dor é um dos sintomas mais comuns e pode aparecer mesmo antes que as bolhas se tornem visíveis. Isso ocorre porque o vírus afeta os nervos da derme. Na maioria dos casos, as bolhas aparecem entre 1 e 14 dias após os primeiros sintomas, e a dor pode ser leve ou forte.

Os primeiros sintomas do herpes-zóster são:

  • Coceira
  • Cócegas
  • Formigamento
  • Dor focal

Além disso, durante a fase inicial do herpes-zóster, os seguintes sintomas também podem ocorrer:

  • Febre
  • Dor de cabeça ou mal-estar geral
  • Desconforto gastrointestinal

Mas, sem dúvida alguma, o principal sintoma do herpes-zóster são as vesículas. No início, as erupções são pequenas, mas estas podem crescer e juntar-se a outras, formando grandes bolhas. Normalmente, seu período de crescimento varia entre 3 e 5 dias. Em seguida, as crostas se formam e isso corresponde à fase final do episódio.

No caso do vírus aparecer na área da cabeça, ele pode afetar a visão ou as orelhas. Ele se hospeda no nervo mandibular, provocando lesões na cavidade oral, na língua e na garganta. Embora em ocasiões raras, ele pode levar à perda do sentido do gosto.

Diagnóstico e complicações

Homem com herpes-zóster

O diagnóstico de herpes-zóster é feito a partir do exame físico do paciente. Levando em conta seus antecedentes e história clínica.

Se não houver certeza de que seja um caso de herpes-zóster, pede-se uma amostra de tecido das lesões para fazer um teste de laboratório que permita avaliar o caso completamente. O exame de sangue também é um método confiável para estabelecer o diagnóstico definitivo.

No entanto, é somente quando o sistema nervoso está comprometido que uma punção lombar é usada para diagnosticar a doença. Além disso, em casos atípicos, é realizado o “Teste de Tzanck“, em que é feita uma cultura do líquido que compõe as bolhas.

Uma das complicações mais frequentes e graves da doença é a “neuralgia postherpética”. Isso aparece em até 50% dos pacientes e consiste em uma dor que muitos descrevem como queimando, elétrica e insuportável. Nos casos mais difíceis, a dor pode incapacitar totalmente o indivíduo. O pior é que pode durar semanas, meses, anos e até mesmo para a vida toda.

Outras complicações são problemas de visão, quando as bolhas ocorrem perto do olho. Os efeitos às vezes se tornam muito sérios. Eles também podem causar infecções cutâneas adicionais, como celulite ou impetigo. Em alguns casos, este tipo de herpes dá origem a uma meningite.