Herpes-zóster em crianças: causas, sintomas e tratamentos

O herpes-zóster pode ocorrer em crianças, mas com menos frequência do que em adultos. Como se manifesta? O que pode causá-lo? Vamos falar mais sobre esta infecção a seguir. Confira!
Herpes-zóster em crianças: causas, sintomas e tratamentos

Última atualização: 12 Dezembro, 2020

O herpes-zóster em crianças, também conhecido na linguagem popular como “cobreiro", é uma infecção viral rara causada pela reativação do vírus varicela-zóster. Quando as crianças são saudáveis, o prognóstico dessa condição costuma ser positivo.

No entanto, é necessário obter um diagnóstico e tratamento oportunos para evitar possíveis complicações. Quais são suas causas? Como reconhecer a infecção? A seguir, esclareceremos essas questões em detalhes. Continue lendo!

Causas do herpes-zóster em crianças

O herpes pode ocorrer tanto em crianças saudáveis ​​quanto naquelas com imunodeficiência subjacente. Sua principal causa é a infecção pelo vírus varicela-zóster, que permanece latente no sistema nervoso pelo resto da vida. Dessa forma, qualquer pessoa que teve varicela também pode contrair herpes-zóster mais tarde.

O aparecimento da infecção na infância está relacionado ao seguinte:

  • Infecção intrauterina pelo vírus da varicela-zóster (VZV): o aumento da incidência de herpes-zóster em crianças saudáveis ​​pode ser devido a uma infecção primária por varicela no útero, onde a imunidade não está totalmente desenvolvida.
  • Vacinação com vírus vivo atenuado: o estado imunológico no momento da infecção primária é o determinante mais importante no herpes-zóster infantil. O vírus latente da varicela-zóster (VZV) foi encontrado nos gânglios da raiz dorsal de crianças sem histórico de varicela e sem envolvimento epidérmico.
  • Secundária à exposição pós-natal ao VZV em uma idade precoce, na infância, quando o sistema imunológico não estava totalmente desenvolvido.
  • Cerca de 3% dos casos de zoster pediátrico ocorrem em crianças com neoplasias malignas.

De acordo com informações publicadas no Journal of the American Academy of Dermatology, a varicela na primeira infância é um fator de risco para o herpes-zóster em crianças.

Criança com varicela
O herpes-zóster em crianças é causado pela infecção pelo vírus varicela-zóster. Ele permanece latente e pode ser reativado a qualquer momento da vida.

Leia também: Vacinação infantil: perguntas e respostas

Sintomas do herpes-zóster em crianças

Em geral, a evolução da doença é mais branda em crianças, com duração média de 1 a 3 semanas. Aquelas entre 2 e 12 anos de idade podem apresentar coceira e lesões doloridas. No entanto, não se observou nenhuma dor neuropática aguda, que é a característica marcante do herpes-zóster em adultos.

A infecção geralmente está localizada em áreas como o tronco e os glúteos, embora também possa aparecer nos braços, pernas ou rosto. Cada criança pode ter sintomas diferentes. Outras manifestações clínicas são as seguintes:

  • Hipersensibilidade da pele na área de surgimento do herpes-zóster.
  • Erupção cutânea leve, que aparece após cinco dias. A princípio, parecem pequenas manchas vermelhas e depois se transformam em bolhas.
  • Bolhas que ficam amarelas e secam.
  • Erupção cutânea que desaparece em uma ou duas semanas.
  • Erupção cutânea localizada em um lado do corpo.

É importante diferenciar o herpes-zóster do herpes simples zosteriforme por lesões vesiculares monomórficas neste último, que é mais comuns em crianças.

Tratamento do herpes-zóster em crianças

As opções de tratamento para o herpes-zóster são baseadas na idade da criança, estado imunológico, duração dos sintomas e apresentação. Os objetivos do tratamento são os seguintes:

  • Evitar o agravamento da doença.
  • Aliviar as dores e o desconforto.
  • Reduzir a duração de um episódio de herpes-zóster.
  • Reduzir as complicações.

A primeira linha farmacológica de tratamento para o herpes-zóster infantil é o aciclovir oral, administrado quatro vezes ao dia. Além disso, um tratamento com antibióticos tópicos e suplementos de sulfato de zinco pode ser iniciado para prevenir as superinfecções.

As crianças que desenvolvem herpes-zóster oftálmico devem receber aciclovir oral por causa das complicações documentadas, como uveíte anterior ou ceratite estromal.

Tratamento tópico
Embora o tratamento oral com aciclovir seja a primeira escolha para o herpes-zóster, o médico também pode prescrever um antibiótico tópico.

Precauções de automedicação com aspirina

A síndrome de Reye pode acompanhar o vírus, portanto, deve-se evitar medicamentos que contenham como princípio ativo o ácido acetilsalicílico (AAS). O mais indicado como antipirético é o acetaminofeno (paracetamol).

O ibuprofeno também pode apresentar uma relação epidemiológica e um risco aumentado de doença estreptocócica invasiva do grupo A no contexto da varicela, embora não de maneira causal.

Considerações importantes sobre o herpes-zóster

O herpes-zóster em crianças é uma patologia que não é contagiosa. No entanto, apesar disso, quem sofre da doença pode transmitir o vírus da varicela a quem ainda não a sofreu. Entretanto, de acordo com estudos, apenas o contato direto com as bolhas propaga a doença .

Os sintomas desta infecção podem ser semelhantes aos de outras doenças de pele. A consulta médica é indispensável para um diagnóstico preciso e o tratamento adequado.

Pode interessar a você...
Tipos de herpes
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Tipos de herpes

Todos os tipos de herpes têm em comum o fato de causarem uma infecção. Além disso, depois que esta é superada, permanecem em estado de latência.



  • Prabhu, S., Sripathi, H., Gupta, S., & Prabhu, M. (2009). Childhood herpes zoster: a clustering of ten cases. Indian journal of dermatology54(1), 62–64. https://doi.org/10.4103/0019-5154.48991
  • Katakam BK, Kiran G, Kumar U. A Prospective Study of Herpes Zoster in Children. Indian J Dermatol. 2016;61(5):534-539. doi:10.4103/0019-5154.190121
  • Lamont, R. F., Sobel, J. D., Carrington, D., Mazaki-Tovi, S., Kusanovic, J. P., Vaisbuch, E., & Romero, R. (2011). Varicella-zoster virus (chickenpox) infection in pregnancy. BJOG: An International Journal of Obstetrics & Gynaecology, 118(10), 1155–1162. https://doi.org/10.1111/j.1471-0528.2011.02983.x
  • Gershon AA, Breuer J, Cohen JI, et al. Varicella zoster virus infection. Nat Rev Dis Primers. 2015;1:15016. Published 2015 Jul 2. doi:10.1038/nrdp.2015.16
  • Gershon AA, Chen J, Davis L, et al. Latency of varicella zoster virus in dorsal root, cranial, and enteric ganglia in vaccinated children. Trans Am Clin Climatol Assoc. 2012;123:17-35.