Guaraná: usos, propriedades e contraindicações

O guaraná é um alimento energético, rico em antioxidantes, com interessantes benefícios para a saúde. Quais são os principais usos? Descubra-os!
Guaraná: usos, propriedades e contraindicações

Última atualização: 19 julho, 2022

Guaraná, com o nome científico Paullinia cupana, é uma planta trepadeira que cresce na Amazônia. Durante séculos, as tribos desta região utilizaram o fruto e outras partes da planta para diversos fins terapêuticos. Em particular, é valorizado por seu suprimento abundante de estimulantes, como cafeína, teofilina e teobromina.

De fato, conforme detalhado na publicação na Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, é um ingrediente utilizado na produção de bebidas energéticas e esportivas, devido à sua capacidade de potencializar as funções do sistema nervoso, do coração e dos músculos. Você quer saber mais sobre ele?

Usos e propriedades do guaraná

O guaraná (Paullinia cupana) é uma planta de caule flexível e longo, cujo fruto lembra a semente de uma noz. Na região amazônica, os indígenas usam esse alimento para preparar uma bebida estimulante com características semelhantes ao chá ou ao café. Para ser mais preciso, suas sementes fornecem até 6% de cafeína.

De acordo com informações compartilhadas no Journal of Ethnopharmacology, hoje, 70% da produção de guaraná é destinada à indústria de bebidas energéticas e refrigerantes. O outro 30% é pulverizado para consumo em cápsulas ou diluídos.

É ainda adicionado a produtos cosméticos. E quais são suas propriedades?

Ajuda a reduzir a fadiga

Uma das propriedades mais importantes do guaraná vem de sua contribuição de cafeína. Como afirmado em um artigo publicado na Food Research International , as sementes deste ingrediente fornecem entre 4 e 6 vezes mais cafeína do que o café.

Portanto, é uma boa opção para aumentar o nível de energia e reduzir a fadiga. Em um estudo compartilhado na revista Appetite, um grupo de pessoas que tomou um suplemento vitamínico com guaraná relatou sentir-se menos cansado ao realizar vários testes.

Bebidas energéticas com guaraná para estudar.
As propagandas de bebidas energéticas promovem seu uso para melhorar o desempenho físico e acadêmico, embora também haja riscos em sua ingestão em excesso.

Ajuda na perda de peso

Os suplementos de guaraná não agem milagrosamente na perda de peso.

No entanto, o seu consumo no âmbito de uma alimentação saudável e equilibrada traz consigo alguns benefícios. Especificamente, estudos em tubo de ensaio sugerem que esta fruta ajuda a suprimir genes que auxiliam na produção de células de gordura.

Além disso, seu abundante teor de cafeína acelera o metabolismo, o que se traduz em uma maior capacidade do corpo de queimar calorias em repouso. Embora sejam necessários mais estudos em humanos, os resultados são considerados promissores.

Promove a saúde digestiva

Os compostos de guaraná têm sido utilizados na medicina natural como aliados para a saúde do estômago. Para ser mais exato, é considerado um remédio para acalmar a diarreia. Devido ao seu teor de tanino, atua como adstringente e restringe a quantidade de fluido secretado nos intestinos.

Enquanto isso, seu teor de cafeína ajuda a estimular o peristaltismo intestinal, que ativa as contrações do intestino e do cólon para aliviar a constipação.

Ajuda a cuidar da saúde visual

O rico conteúdo antioxidante do guaraná é benéfico para a saúde dos olhos. De acordo com uma publicação na revista Diseases, essas substâncias ajudam a conter os efeitos do estresse oxidativo, reduzindo o risco de catarata, glaucoma e degeneração macular relacionada à idade.

Em pesquisa revelada pelo Journal of Functional Foods, os participantes que consumiam regularmente guaraná tiveram melhor percepção em comparação com aqueles que não o consumiram.

Além disso, descobriu-se que esse alimento ajuda a diminuir os danos ao DNA e a morte das células oculares quando comparado a um placebo. De qualquer forma, são necessários mais estudos em humanos.

Protege a saúde cardiovascular

A cafeína e as catequinas contidas no guaraná atuam positivamente na saúde cardiovascular. Coincidindo com um estudo compartilhado no International Journal for Vitamin and Nutrition Research, esses compostos têm propriedades antiagregantes plaquetários e, portanto, reduzem o risco de trombose e doenças cardíacas.

Por sua vez, como expõe a pesquisa Lipídios na Saúde e na Doença, o guaraná ajuda a reduzir a oxidação do colesterol ruim (LDL) em até 27%.

Tem efeitos analgésicos

O guaraná tem sido utilizado como adjuvante para aliviar diversos tipos de dores. Suas propriedades analgésicas são derivadas de seu teor de cafeína, um estimulante que bloqueia os receptores de adenosina (responsáveis pela sensação de dor).

Uma revisão compartilhada na Biblioteca Cochrane detalha que a cafeína melhora significativamente os efeitos dos analgésicos. Por esse motivo, é comum encontrá-lo na fórmula de diversos medicamentos para esse fim.

Contribui para o cuidado da pele

Na indústria cosmética, o guaraná é utilizado para aprimorar a formulação de cremes, loções, sabonetes e produtos antienvelhecimento. A razão? Cafeína, antioxidantes e propriedades antimicrobianas ajudam a cuidar da pele.

Uma revisão publicada na Skin Pharmacology and Physiology comenta que a cafeína estimula a degradação de gorduras e, portanto, favorece a redução da celulite. Além disso, ajuda a proteger a derme contra a radiação ultravioleta (UV) e retarda o processo de envelhecimento.

Outro estudo detalha que o guaraná reduz significativamente os danos à pele relacionados à idade, graças ao seu alto teor de antioxidantes.

Possui propriedades antimicrobianas

As propriedades antimicrobianas do guaraná são amplamente explicadas pelo seu conteúdo de taninos, catequinas e cafeína. Um estudo publicado na revista Molecules detalha que os extratos desse ingrediente ajudam a combater microorganismos como o Streptococcus mutans, presente na placa dental.

Estudos anteriores determinaram que também atua contra outras bactérias, como a Escherichia coli, associadas a episódios de diarreia e doenças digestivas.

Tem propriedades antitumorais

A pesquisa avaliou o potencial antitumoral do guaraná. Desta forma, observou-se que pode proteger contra danos no DNA e inibir o crescimento de células cancerígenas. No entanto, esses estudos foram feitos em tubo de ensaio e em animais, portanto, são necessários testes em humanos.

Cafeína.
Muitos efeitos do guaraná são atribuídos ao seu teor de cafeína, equiparando-o aos potenciais benefícios do café, em alguns casos.

Riscos e contraindicações do guaraná

Em geral, o guaraná tem um bom perfil de segurança. Estudos indicam que apresenta baixa toxicidade quando utilizado em doses baixas ou moderadas.

No entanto, quando consumido em quantidades excessivas, está associado aos seguintes efeitos colaterais:

  • Ansiedade.
  • Insônia.
  • Convulsões.
  • Nervosismo.
  • Dor abdominal.
  • Dores de cabeça.
  • Perturbação do ritmo cardíaco.

Além do exposto, deve-se lembrar que a cafeína pode causar dependência. Além disso, é contraindicado para gestantes, pelo risco de aborto espontâneo ou anormalidades no feto.

Outras contraindicações são as seguintes:

  • História de alergia à cafeína.
  • Crianças menores de 12 anos.
  • Pessoas com úlceras gastroduodenais.
  • Pacientes em tratamento com antidepressivos.

Deve-se notar que o guaraná não substitui a alimentação saudável ou tratamentos médicos. Antes de tomar suplementos deste tipo, é melhor consultar um médico ou especialista.

O que devemos lembrar sobre o guaraná?

O guaraná é valorizado por seu poder energizante e abundante conteúdo antioxidante. Atualmente, é um ingrediente amplamente utilizado na produção de bebidas esportivas ou energéticas. Além disso, também é usado em cosméticos e medicina natural.

Devido ao seu conteúdo de estimulantes, especialmente a cafeína, seu consumo está associado a melhor desempenho, melhor humor e menor risco de doenças. Mesmo assim, seu consumo deve ser moderado, preferencialmente sob supervisão profissional.

Pode interessar a você...
O poder do açaí
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O poder do açaí

Poucas pessoas sabem, mas o açaí é um dos alimentos mais saudáveis que existem. Atualmente produzidos em maior numero no Pará e no Amazonas,



  • Smith N, Atroch AL. Guaraná’s Journey from Regional Tonic to Aphrodisiac and Global Energy Drink. Evid Based Complement Alternat Med. 2010 Sep;7(3):279-82. doi: 10.1093/ecam/nem162. Epub 2007 Dec 5. PMID: 18955289; PMCID: PMC2887323.
  • Schimpl, F. C., da Silva, J. F., Gonçalves, J. F. de C., & Mazzafera, P. (2013). Guarana: Revisiting a highly caffeinated plant from the Amazon. In Journal of Ethnopharmacology (Vol. 150, Issue 1, pp. 14–31). Elsevier BV. https://doi.org/10.1016/j.jep.2013.08.023
  • da Silva, G. S., Canuto, K. M., Ribeiro, P. R. V., de Brito, E. S., Nascimento, M. M., Zocolo, G. J., Coutinho, J. P., & de Jesus, R. M. (2017). Chemical profiling of guarana seeds ( Paullinia cupana ) from different geographical origins using UPLC-QTOF-MS combined with chemometrics. In Food Research International (Vol. 102, pp. 700–709). Elsevier BV. https://doi.org/10.1016/j.foodres.2017.09.055
  • Kennedy DO, Haskell CF, Robertson B, Reay J, Brewster-Maund C, Luedemann J, Maggini S, Ruf M, Zangara A, Scholey AB. Improved cognitive performance and mental fatigue following a multi-vitamin and mineral supplement with added guaraná (Paullinia cupana). Appetite. 2008 Mar-May;50(2-3):506-13. doi: 10.1016/j.appet.2007.10.007. Epub 2007 Oct 30. PMID: 18077056.
  • Lima NDS, Numata EP, Mesquita LMS, Dias PH, Vilegas W, Gambero A, Ribeiro ML. Modulatory Effects of Guarana (Paullinia cupana) on Adipogenesis. Nutrients. 2017 Jun 20;9(6):635. doi: 10.3390/nu9060635. PMID: 28632199; PMCID: PMC5490614.
  • Dulloo AG, Geissler CA, Horton T, Collins A, Miller DS. Normal caffeine consumption: influence on thermogenesis and daily energy expenditure in lean and postobese human volunteers. Am J Clin Nutr. 1989 Jan;49(1):44-50. doi: 10.1093/ajcn/49.1.44. PMID: 2912010.
  • de Jesus NZ, de Souza Falcão H, Gomes IF, de Almeida Leite TJ, de Morais Lima GR, Barbosa-Filho JM, Tavares JF, da Silva MS, de Athayde-Filho PF, Batista LM. Tannins, peptic ulcers and related mechanisms. Int J Mol Sci. 2012;13(3):3203-28. doi: 10.3390/ijms13033203. Epub 2012 Mar 8. PMID: 22489149; PMCID: PMC3317710.
  • Lohsiriwat S, Kongmuang P, Leelakusolvong S. Effects of caffeine on anorectal manometric findings. Dis Colon Rectum. 2008 Jun;51(6):928-31. doi: 10.1007/s10350-008-9271-y. Epub 2008 Mar 19. PMID: 18350336.
  • Braakhuis A, Raman R, Vaghefi E. The Association between Dietary Intake of Antioxidants and Ocular Disease. Diseases. 2017 Jan 30;5(1):3. doi: 10.3390/diseases5010003. PMID: 28933356; PMCID: PMC5456332.
  • Bonadiman, B. da S. R., Cadoná, F. C., Assmann, C. E., Weis, G. C. C., de Oliveira Alves, A., Duarte, M. F., Chaves, C. M., do Carmo Chaves, C., dos Santos Motta, K. M., Ribeiro, E. E., Bagatini, M. D., & da Cruz, I. B. M. (2017). Guarana (Paullinia cupana): Cytoprotective effects on age-related eye dysfunction. In Journal of Functional Foods (Vol. 36, pp. 375–386). Elsevier BV. https://doi.org/10.1016/j.jff.2017.07.027
  • Subbiah MT, Yunker R. Studies on the nature of anti-platelet aggregatory factors in the seeds of the Amazonian Herb Guarana (Paullinia cupana). Int J Vitam Nutr Res. 2008 Mar;78(2):96-101. doi: 10.1024/0300-9831.78.2.96. PMID: 18791978.
  • Portella, R.d.L., Barcelos, R.P., da Rosa, E.J.F. et al. Guaraná (Paullinia cupana Kunth) effects on LDL oxidation in elderly people: an in vitro and in vivo study. Lipids Health Dis 12,12 (2013). https://doi.org/10.1186/1476-511X-12-12
  • Derry CJ, Derry S, Moore RA. Caffeine as an analgesic adjuvant for acute pain in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2012 Mar 14;(3):CD009281. doi: 10.1002/14651858.CD009281.pub2. PMID: 22419343.
  • Herman A, Herman AP. Caffeine’s mechanisms of action and its cosmetic use. Skin Pharmacol Physiol. 2013;26(1):8-14. doi: 10.1159/000343174. Epub 2012 Oct 11. PMID: 23075568.
  • Peixoto H, Roxo M, Röhrig T, Richling E, Wang X, Wink M. Anti-Aging and Antioxidant Potential of Paullinia cupana var. sorbilis: Findings in Caenorhabditis elegans Indicate a New Utilization for Roasted Seeds of Guarana. Medicines (Basel). 2017 Aug 15;4(3):61. doi: 10.3390/medicines4030061. PMID: 28930275; PMCID: PMC5622396.
  • Yamaguti-Sasaki E, Ito LA, Canteli VC, Ushirobira TM, Ueda-Nakamura T, Dias Filho BP, Nakamura CV, de Mello JC. Antioxidant capacity and in vitro prevention of dental plaque formation by extracts and condensed tannins of Paullinia cupana. Molecules. 2007 Aug 20;12(8):1950-63. doi: 10.3390/12081950. PMID: 17960098; PMCID: PMC6149164.
  • da Fonseca CA, Leal J, Costa SS, Leitão AC. Genotoxic and mutagenic effects of guarana (Paullinia cupana) in prokaryotic organisms. Mutat Res. 1994 May;321(3):165-73. doi: 10.1016/0165-1218(94)90041-8. PMID: 7513067.
  • Fukumasu H, Latorre AO, Zaidan-Dagli ML. Paullinia cupana Mart. var. sorbilis, guarana, increases survival of Ehrlich ascites carcinoma (EAC) bearing mice by decreasing cyclin-D1 expression and inducing a G0/G1 cell cycle arrest in EAC cells. Phytother Res. 2011 Jan;25(1):11-6. doi: 10.1002/ptr.3216. PMID: 20564499.
  • Fukumasu H, Avanzo JL, Heidor R, Silva TC, Atroch A, Moreno FS, Dagli ML. Protective effects of guarana (Paullinia cupana Mart. var. Sorbilis) against DEN-induced DNA damage on mouse liver. Food Chem Toxicol. 2006 Jun;44(6):862-7. doi: 10.1016/j.fct.2005.11.010. Epub 2006 Jan 9. PMID: 16406177.
  • Fukumasu H, Avanzo JL, Nagamine MK, Barbuto JA, Rao KV, Dagli ML. Paullinia cupana Mart var. sorbilis, guaraná, reduces cell proliferation and increases apoptosis of B16/F10 melanoma lung metastases in mice. Braz J Med Biol Res. 2008 Apr;41(4):305-10. doi: 10.1590/s0100-879×2008000400008. PMID: 18392453.
  • Espinola EB, Dias RF, Mattei R, Carlini EA. Pharmacological activity of Guarana (Paullinia cupana Mart.) in laboratory animals. J Ethnopharmacol. 1997 Feb;55(3):223-9. doi: 10.1016/s0378-8741(96)01506-1. PMID: 9080343.
  • Nehlig A. Are we dependent upon coffee and caffeine? A review on human and animal data. Neurosci Biobehav Rev. 1999 Mar;23(4):563-76. doi: 10.1016/s0149-7634(98)00050-5. PMID: 10073894.