Tudo sobre a gravidez psicológica

12 Abril, 2020
Algumas pessoas são diagnosticadas com quadros de gravidez psicológica. Hoje, veremos o que caracteriza esta condição e como ela pode ser tratada.

Todos nós já ouvimos falar do conceito de gravidez psicológica. No entanto, o vemos como algo distante, presente em filmes e documentários.

Às vezes, ouvimos o termo gravidez psicológica porque algum animal de estimação já sofreu com esse problema. Isso acontece principalmente em cães. No entanto, os seres humanos também podem sofrer esse tipo de gravidez, também conhecida como pseudociese.

Ao longo deste artigo, descobriremos as suas características e as opções de tratamento mais apropriadas.

Características de uma gravidez psicológica

Atualmente, os casos de gravidez psicológica são bastante raros, pelo menos na nossa sociedade. A razão para isso é encontrada, como alguns estudos bem indicam, no significado social da gravidez.

Muitos anos atrás, as mulheres precisavam ter filhos para sentir que haviam cumprido a sua missão. Por serem biologicamente predispostas à gravidez, a impossibilidade de conceber e o estresse que isso implicava as tornaram suscetíveis à pseudociese.

Características de uma gravidez psicológica
Na gravidez psicológica, a mulher apresenta sintomas físicos iguais aos de uma gravidez real.

Atualmente, a importância de ter filhos foi bastante reduzida. Agora, existem outros tipos de interesses, e ser mãe é uma opção que muitas mulheres não escolhem. No entanto, elas não devem se sentir mal por isso.

Veremos quais são as características que nos permitem detectar uma gravidez psicológica:

  • Aumento do volume e peso abdominal.
  • Enjoo matinal igual ao da gravidez.
  • Ausência da menstruação.
  • Aumento do peito e produção de leite.
  • Sensação de que o bebê está se movendo dentro da barriga.

Apesar de todos esses sintomas poderem indicar claramente a gravidez, no caso da pseudociese, essas mulheres não têm um bebê no ventre.

Você também pode gostar de ler: Quais são os ciclos da gravidez?

Caso real de pseudociese

A Dra. Ana Cecilia Márquez descreveu um caso de uma gravidez psicológica real. Nele, ela explicou como uma paciente de 34 anos chegou ao consultório com uma gravidez de 28 semanas. Pelo menos, foi o que ela afirmou.

O motivo da consulta foi a ausência de movimentos do bebê. Sua gravidez foi diagnosticada devido aos sintomas que ela apresentou. Estes foram:

  • Amenorreia ou ausência de menstruação.
  • Secreção de leite.
  • Aumento do volume abdominal.
  • Sonolência excessiva ou hipersonia.
  • Aumento do apetite.
  • Tonturas e vômitos.
  • Alterações na pigmentação da pele.

Após confirmar essa sintomatologia, foi realizado um exame que mostrou a ausência de batimentos cardíacos do bebê. Para isso, foi realizado um ultrassom, cujas imagens não mostraram qualquer indicação de que a mulher estava grávida.

Tratamento da gravidez psicológica

Tratamento da gravidez psicológica
Os cuidados psicológicos e psiquiátricos permitirão recuperar o estado de saúde da mulher.

Como pudemos verificar, uma gravidez psicológica causa alguns sintomas reais, mas que não correspondem ao estado da mulher que os sofre. Como não é uma situação fácil, os tratamentos tendem a se concentrar no aspecto psicológico.

1. Cuidado psicológico

Esse tipo de atendimento é essencial quando uma gravidez psicológica é diagnosticada. Muitas vezes as mulheres manifestam esse problema como uma maneira de fugir de alguma emoção que elas são incapazes de controlar.

Além disso, o desejo de ser mãe e a incapacidade de realizá-lo (devido a problemas com seu parceiro ou infertilidade) podem causar estresse e ansiedade que levam à pseudociese.

Tudo isso será discutido na consulta com um psicólogo. Normalmente, a mulher mostra rejeição pela possibilidade de não estar grávida. No entanto, assim que ela aceita o que está acontecendo com ela, esse tipo de gravidez desaparece espontaneamente.

Leia também: 4 chaves para superar um momento difícil

2. Participação psiquiátrica

Embora participar de uma consulta com um psicólogo seja importante, a presença de um psiquiatra também pode ser necessária. De fato, esses dois profissionais trabalham juntos em determinadas situações para obter melhores resultados.

Além disso, no caso de uma gravidez psicológica, podem ser necessários medicamentos indutores da ovulação, cuja ausência está causando a amenorreia. Dessa forma, a paciente pode perceber, com o retorno da menstruação, que a gravidez estava apenas na sua imaginação.

Alguém perto de você já sofreu uma gravidez psicológica? Você já passou por isso com algum animal de estimação? Esperamos que este artigo tenha conseguido ajudá-lo a entender melhor essa circunstância pela qual algumas mulheres passam.

Com tudo isso, enfatizamos a importância de buscar o apoio de profissionais de saúde psicológica, pois, com a ajuda deles, além de conseguir resolver essa situação, você também vai melhorar o seu nível de bem-estar.

  • Tarín, J. J., Hermenegildo, C., García-Pérez, M. A., & Cano, A. (2013). Endocrinology and physiology of pseudocyesis. Reproductive Biology and Endocrinology.
  • Campos, S. J., & Link, D. (2016). Pseudocyesis. Journal for Nurse Practitioners.
  • Dafallah, S. E. (2004). Pseudocyesis and infertility. Saudi Medical Journal.
  • Seeman, M. V. (2014). Pseudocyesis, delusional pregnancy, and psychosis: The birth of a delusion. World Journal of Clinical Cases.