Mejor con Salud
 

Glândulas submandibulares: para que servem?

As glândulas submaxilares são glândulas salivares localizadas abaixo do assoalho da boca. Embora sejam mais desconhecidas do que as glândulas parótidas, elas cumprem as funções necessárias ligadas à produção de saliva. Falaremos mais sobre elas a seguir.
Glândulas submandibulares: para que servem?

Última atualização: 21 Maio, 2020

As glândulas submandibulares também podem ser chamadas de glândulas submaxilares. Elas recebem esse nome devido à sua localização anatômica no crânio, abaixo do assoalho da boca.

Elas fazem parte do conjunto das principais glândulas salivares, que são compostas pelas glândulas submaxilares, parótidas e sublinguais. Há uma glândula parótida em cada bochecha, próxima às orelhas. As sublinguais estão distribuídas sob a língua.

O peso das glândulas submaxilares é pequeno, não superior a 15 gramas cada. Embriologicamente, é uma das primeiras a aparecer no feto durante a gravidez. Obviamente, sua principal função é a formação de saliva.

Anatomia das glândulas submandibulares

As glândulas submaxilares são constituídas por tecido conjuntivo e tecido glandular. O glandular tem duas formas: seroso e mucoso. O tecido conjuntivo são as fibras que sustentam a estrutura.

A partir da própria glândula, inicia-se um duto que tem a função de derramar saliva na cavidade oral. Ele é chamado de ducto submandibular de Wharton, e tem cerca de 5 centímetros.

A boca do ducto de Wharton é visível e palpável através da cavidade oral, e pode ser encontrada em ambos os lados do freio lingual. Às vezes, para descobrir se o canal está bloqueado ou não, o dentista pode estimular as glândulas e verificar essa abertura oral para confirmar a expulsão da saliva.

Os nervos que chegam às glândulas para comandar a produção de saliva são o lingual e alguns faciais. É uma área fortemente irrigada por artérias e veias, como toda a boca.

Mulher em consulta odontológica
Os dentistas podem detectar uma obstrução do ducto de Wharton estimulando a produção de saliva.

Continue lendo: 6 problemas bucais que indicam a presença de doenças

As funções da saliva

Se nos perguntarmos para que servem as glândulas submandibulares, a resposta óbvia seria para a produção de saliva. Como parte do sistema salivar, aí está a sua importância.

Juntamente com as glândulas parótidas e sublinguais, além das glândulas salivares menores, esses órgãos são responsáveis ​​por suprir a boca com salivaSe entendermos as funções da saliva no corpo, podemos entender a razão de ser das glândulas submandibulares.

A saliva é um líquido incolor cuja principal função é lubrificar a boca. Em um dia inteiro, podemos produzir até um litro e meio dessa substância. Suas funções são:

  • Facilitar a deglutição: o alimento é mastigado e envolto em saliva antes de iniciar sua jornada para o restante do trato digestivo. O revestimento de saliva lubrifica essa passagem do bolo alimentar, facilitando a ingestão.
  • Curar a mucosa: a saliva é um poderoso antisséptico e protetor. Contém substâncias que previnem infecções e estimulam a cicatrização se houver uma ferida dentro da boca.
  • Regular a acidez do ambiente oral: os alimentos que ingerimos podem ser ácidos ou básicos. Se os valores de acidez dos alimentos forem extremos, é possível que o esmalte dentário seja danificado. Para combater esse problema, a saliva neutraliza substâncias buscando um pH neutro.
  • Degradar amidos: na saliva, existe uma enzima chamada alfa-amilase. Essa enzima decompõe carboidratos grandes para torná-los menores e mais fáceis de entrar na corrente sanguínea. Quando a alfa-amilase atinge o estômago, é inativada pelo ácido clorídrico.

Saúde bucal
A principal função da saliva é lubrificar a boca. Além disso, ela atua como uma barreira protetora contra agentes infecciosos.

Leia também: Combata a boca seca com 5 remédios naturais

Doenças das glândulas submandibulares

Como qualquer órgão do corpo, as glândulas submandibulares podem sofrer distúrbios e patologias. Embora sejam desconhecidas para muitos, os dentistas estão bem conscientes da sua existência e de seus problemas associados.

O mais comum é que se formem cálculos que obstruam o ducto de Wharton. Esses cálculos são tecnicamente chamados de sialólitos. Se eles forem muito grandes e se encaixarem no caminho de saída da saliva, a glândula fica inflamada.

Os sialólitos são raros em crianças, mas podem aparecer esporadicamente. A maior prevalência ocorre em adultos até 50 anos de idade.

As glândulas submandibulares também podem ficar infectadasTanto vírus quanto bactérias têm o potencial de invadir o tecido salivar, inflamar e obstruir o ducto de Wharton.

Conclusão

As glândulas submandibulares são órgãos que fazem parte do conjunto das principais glândulas salivares, juntamente com as glândulas parótidas e sublinguais. Elas cumprem a função essencial de produzir a saliva que usamos diariamente.

A saliva é essencial para a digestão dos alimentos, para proteger a mucosa oral e cuidar dos dentes. Quando há deficiência de saliva ou ausência da mesma, todos esses processos são alterados.

Finalmente, não podemos nos esquecer de que as glândulas submandibulares podem ser infectadas e entupidas por cálculos. Se você tiver sintomas nessas regiões, é prudente consultar um dentista.

Bolinhas na língua? Saiba o que fazer

Bolinhas na língua? Saiba o que fazer

A presença de bolinhas na língua pode ser chocante e preocupante para muitas pessoas que se deparam com a situação. Saiba mais a respeito neste artigo.



  • Otón, Eduardo Treviño, Ruth Sánchez Sánchez, and Manuel Fernández Domínguez. “Sialolitiasis en glándula salival menor: a propósito de un caso.” Científica dental: Revista científica de formación continuada 15.1 (2018): 15-18.
  • Gilloteaux J., Afolayan A. (2014). «Clarification of the Terminology of the Major Human Salivary Glands: Acinus and Alveolus are not Synonymous». The Anatomical Record. Oral Biology (American Association for Anatomy) 297 (8).
  • Contreras, Carlos, et al. “Ubicación anatómica de las glándulas salivales linguales ó glandulas salivales menores presentes en la lengua.” Acta odontológica venezolana 46.2 (2008): 240-241.