Quais são as possíveis causas de dor abdominal na gravidez?

17 de maio de 2020
A dor abdominal na gravidez não necessariamente é um sinal de uma doença grave. Existem causas simples que podem provocar esse desconforto. Saiba tudo neste artigo.

A dor abdominal na gravidez costuma preocupar muito as mães e, de fato, é o principal motivo por trás das consultas médicas. Neste artigo, explicaremos por que esses desconfortos ocorrem, como você pode aliviá-los e quando é necessário ir ao hospital.

Dor abdominal na gravidez

Os desconfortos abdominais são bastante comuns durante a gravidez devido às alterações que o corpo enfrenta. Normalmente, isso não significa que você e o seu bebê estejam em perigo.

Geralmente, essas são situações derivadas do crescimento do bebê no abdômen e, em muitos casos, são facilmente resolvidas. Conheça suas principais causas a seguir.

Principais causas da dor abdominal na gravidez

1. Acumulação de gases

Mulher grávida em consulta médica
Os gases são normais durante a gravidez, como resultado de alterações digestivas que ocorrem na gestação.

O aumento dos níveis de progesterona geralmente resulta em um relaxamento dos músculos e em uma desaceleração do sistema digestivo associada ao acúmulo de gases.

No terceiro trimestre, o bebê é tão grande que pressiona o estômago e pode afetar a digestão. Por esse motivo, desconfortos como azia ou indigestão são mais comuns nos últimos meses.

A constipação também pode causar flatulência e, por sua vez, desencadear cólicas. O acúmulo de fezes, que não são facilmente eliminadas, pode gerar uma dificuldade na eliminação de gases e, como resultado, o desconforto aparece.

Leia também: Como aliviar a dor óssea na gravidez

2. Dor no ligamento redondo

O ligamento redondo é aquele que conecta o útero à virilha. À medida que o útero se expande para abrigar o bebê, podem surgir diferentes desconfortos, desde dores agudas e pulsantes, mas pontuais, até dores persistentes.

A dor do ligamento redondo geralmente ocorre durante o segundo trimestre e quase sempre afeta o quadril ou o abdômen da mulher grávida. O desconforto pode ser desencadeado por mudanças na postura, tosse ou até mesmo risadas.

3. Contrações de Braxton Hicks

Dor abdominal na gravidez
Aprenda a diferenciar as contrações de Braxton Hicks das contrações do parto.

Na segunda metade da gravidez, as famosas contrações de Braxton Hicks geralmente aparecem. Elas também são chamadas de “contrações de treinamento”. Embora sejam incômodas, não são perigosas nem para você e nem para seu bebê; na verdade, seu corpo as gera para se preparar lentamente para o parto.

As contrações de Braxton Hicks costumam parecer um aperto no intestino. O estômago fica momentaneamente firme e duro como uma rocha. No entanto, elas não provocam dor, e sim um simples desconforto.

4. Outras questões

Problemas digestivos como sensibilidade a um determinado alimento, infecções urinárias, pedras nos rins ou vírus no estômago podem causar dor temporária no abdômen. Preste atenção a esses sintomas e trate-os conforme necessário, sempre sob supervisão médica. 

Como aliviar a dor abdominal na gravidez

Mulher grávida comendo salada
Mantenha uma dieta equilibrada e faça várias refeições leves para evitar sobrecarregar o estômago.

As causas da dor abdominal na gravidez descritas acima não são graves ou ameaçam a saúde da criança ou da mãe. Se você deseja aliviar o desconforto, pode:

  • Evite refeições exageradas: comer muito força o estômago a trabalhar mais. É preferível que você coma pouco e com mais frequência para evitar o desconforto.
  • Coma devagar: quando comemos rápido, mais ar entra no estômago, e isso pode causar flatulência.
  • Evite alimentos que provocam gases: couve-flor e brócolis costumam causar flatulência, por isso é melhor não consumi-los, pelo menos por um tempo!
  • Evite mudanças repentinas de postura para minimizar a dor no ligamento redondo. Além disso, esses movimentos também podem desencadear as contrações de Braxton Hicks.
  • Beba uma quantidade suficiente de líquidos para evitar a constipação e a desidratação. Esta última pode provocar o surgimento de falsas contrações.
  • Descanse: relaxe e descanse. Pode ser que você precise fazer isso para reduzir o desconforto no abdômen.

Quando ir ao hospital

Embora, na maioria das vezes, a dor abdominal na gravidez esteja relacionada a um desconforto que não é grave, existem algumas razões pelas quais você deve consultar um médico o mais rápido possível. Aqui estão os principais motivos pelos quais você deve ir ao hospital.

1. Gravidez ectópica

Dor abdominal na gravidez
A gravidez ectópica é uma das causas graves de dor abdominal.

Se, no início da gravidez, você sentir dor no abdômen, intensa ou leve, acompanhada de sangramento vaginal, não hesite em consultar o seu médico. A gravidez ectópica ocorre quando o óvulo é fertilizado fora do útero, e pode comprometer a vida da mulher se não for tratada a tempo.

2. Aborto

Entre as semanas 13 e 20, a dor abdominal intensa pode indicar um aborto espontâneo, ou seja, por algum motivo o feto não continua a se desenvolver e o corpo o expele na forma de hemorragia.

É importante que, nesta triste situação, você consulte seu médico para que ele a examine e tome as precauções necessárias para proteger sua saúde e permitir uma gravidez futura.

3. Descolamento da placenta

A placenta é responsável por fornecer oxigênio e alimentos ao bebê através do cordão umbilical. Quando ocorre um descolamento da placenta, ela se separa total ou parcialmente da parede do útero. Essa condição pode dificultar o recebimento do oxigênio e dos nutrientes necessários para que o bebê continue o seu desenvolvimento.

Dor abdominal súbita e constante, acompanhada por desconforto geral, pode ser indicativa de um descolamento. Em alguns casos, observa-se sangramento vaginal, mas em outros o sangue fica preso atrás da placenta e, portanto, o sangramento não ocorre.

A prevalência de descolamento de placenta é de 1 a cada 100 gestações. Portanto, diante da menor suspeita, consulte seu médico. Essa condição pode levar ao nascimento prematuro ou sem vida nas formas mais extremas.

4. Pré-eclâmpsia

Pré-eclampsia
A hipertensão durante a gravidez é uma das possíveis indicações da pré-eclâmpsia.

Esta condição ocorre devido a um suprimento sanguíneo reduzido para a placenta. Seus sintomas incluem retenção de líquidos, presença de proteína na urina, pressão alta e dor na parte superior direita do abdômen. Uma pré-eclâmpsia não tratada a tempo pode comprometer a vida do bebê e da mãe.

Descubra: Pré-eclâmpsia e suas complicações na gravidez

5. Apendicite

Essa condição geralmente se apresenta com dor na parte inferior direita do abdômen, náusea, perda de apetite e vômito. Entretanto, em alguns casos a mulher grávida também sofre de febre e diarreia. Assim, o atendimento rápido é importante para proteger a saúde da mãe e do bebê.

6. Contrações de parto

Se você as sentir, vá ao hospital porque chegou a hora do parto! Essas contrações são sentidas nas costas e irradiam de lá para o abdômen inferior. Além disso, elas crescem em intensidade e permanecem regulares ao longo do tempo, acelerando sua presença com o passar das horas e aumentando sua duração.

Por fim, como você pôde perceber, a dor abdominal na gravidez geralmente não é um sintoma de uma doença grave. Se você tiver dúvidas, se sentir fraca, cansada ou com febre, consulte o seu médico.

  • Sibai, B. M. (2015). Preeclampsia. In Protocols for High-Risk Pregnancies: An Evidence-Based Approach: Sixth Edition. https://doi.org/10.1002/9781119001256.ch39
  • MedlinePlus. Desprendimiento de placenta. https://medlineplus.gov/spanish/ency/patientinstructions/000605.htm
  • Aborto espontaneo. (2011). Progresos de Obstetricia y Ginecologia. https://doi.org/10.1016/j.pog.2010.10.008
  • Korby, J. (2014). Desprendimiento prematuro de la placenta. Nursing (Ed. Española). https://doi.org/10.1016/s0212-5382(04)71737-9
  • Cl, N. (2005). El Parto. American Journal of Obstetrics and Gynecology.
  • Quirós, G., Piedra, R., Bolívar, M., & Solano, N. (2016). Parto Pretérmino. Revista Clínica de La Escuela de Medicina UCR-HSJD. https://doi.org/2215-2741