Gastrosquise em recém-nascidos

17 de outubro de 2019
Gastrosquise é uma condição com risco de vida. É necessário iniciar um tratamento o mais rápido possível logo após o nascimento, para que os órgãos do bebê possam se desenvolver.

A gastrosquise é uma das malformações congênitas mais frequentes, mas que por sua vez é desconhecida pela maioria da população. Essa malformação ocorre quando os músculos da parede abdominal do bebê não se formam adequadamente no início da gravidez.

Assim, forma-se um orifício do abdômen da criança através do qual saem os intestinos e outros órgãos. Geralmente ocorre no lado direito do umbigo. Como os intestinos são expostos ao líquido amniótico, eles podem ficar irritados. Por esse motivo, podem diminuir, inchar ou torcer.

Assim que o bebê nascer, será necessária uma cirurgia para colocar os órgãos no interior do organismo e para reparar a parede abdominal. Entretanto, apesar da cirurgia, os bebês que sofrem de gastrosquise podem ter problemas com a alimentação, digestão e absorção de nutrientes.

Causas e fatores de risco de gastrosquise

Alguns casos de gastrosquise são devidos a alterações nos genes, embora em outros casos possam ter origem na combinação de fatores genéticos e fatores relacionados à mãe durante a gravidez. Quanto aos fatores que aumentam o risco de ter um bebê com gastrosquise podemos destacar:

  • Ser mãe em idade precoce: as mães adolescentes têm mais probabilidade de ter um bebê com gastrosquise do que as mães mais maduras.
  • Consumo de tabaco e álcool: mulheres que fumam e consomem álcool correm maior risco de ter filhos com gastrosquise.

Leia também: Fatores de risco durante a gravidez

Diagnóstico e tratamento

Diagnóstico de gastrosquise

O diagnóstico pode ser anterior ao nascimento ou assim que o bebê nascer. Durante a gravidez, testes de malformação são realizados, portanto, com exames específicos, é possível que o problema seja detectado. Além disso, é observado em um ultrassom.

Quanto ao tratamento, a gastrosquise é uma condição com risco de vida. É necessário um tratamento urgente logo que o bebê nascer para que seus órgãos se desenvolvam e sejam protegidos dentro do abdômen.

No caso de que o defeito seja pequeno, ele poderá ser reparado em uma única intervenção. No entanto, se for um defeito grande, no qual muitos órgãos ficaram expostos ao exterior, o reparo pode ser feito em etapas. Após a cirurgia, o bebê vai para a unidade de terapia intensiva para recém-nascidos.

Riscos da cirurgia

Os riscos da anestesia e cirurgia geral são:

Quanto aos riscos envolvidos no reparo da gastrosquise podemos citar:

  • Problemas respiratórios: podem aparecer se o espaço abdominal do bebê for menor que o normal. O recém-nascido pode precisar de um tubo de respiração e um aspirador por alguns dias ou semanas após a cirurgia.
  • Inflamação do tecido que reveste a parede abdominal.
  • Lesão de órgãos.
  • Paralisia temporária do intestino delgado.
  • Hérnia de parede abdominal.

Você também pode estar interessado: Plagiocefalia do bebê: prevenção e tratamento

Tratamentos complementares

Bebê prematuro

Por outro lado, os bebês com esse problema frequentemente também precisam de outros tratamentos, como:

  • Nutrição por sonda nasogástrica colocada no nariz para alimentação e eliminação do conteúdo do estômago.
  • Líquidos e nutrientes através de uma veia.
  • Oxigênio.
  • Antibióticos para prevenir infecções.
  • Analgésicos.

A alimentação começa com uma sonda nasogástrica assim que a função intestinal do bebê é retomada após a cirurgia. No entanto, a alimentação por via oral será feita muito lentamente. A alta é geralmente administrada dentro de 15 a 25 dias após a admissão.

Prevenção de gastrosquise

A prevenção consiste em ter um pré-natal adequado, com hábitos saudáveis ​​e com as consultas necessárias para evitar complicações. Feito o diagnóstico, é necessária atenção especializada e acompanhamento adequado.

Nesses casos, o ultrassom desempenha um papel importante. Aliás, o controle semanal por ultrassom é recomendado a partir das 30 semanas de gestação.

Geralmente os recém-nascidos com gastrosquise são de baixo peso e entre 10 e 20% apresentam malformações intestinais. No entanto, o grau de transtorno intestinal determinará em grande parte o prognóstico desses bebês.

Nos últimos anos, a sobrevivência aumentou acentuadamente. Isso ocorre devido à detecção precoce e à aplicação de protocolos de monitoramento, bem como cuidados intensivos apropriados.

  • Capecchi, G. a, Conde, A., Rovere, L. M., Sasia, F., Oxilia, H. G., & Capomasi, M. (2008). Defectos congénitos de la pared abdominal . Patologías mas comunes : Gastrosquisis y Onfalocele. Anuario Fundación Dr. J.R. Villavicencio.
  • Padula AM, Yang W, Schultz K, et al. Gene variants as risk factors for gastroschisis. Am J Med Genet A. 2016;170(11):2788–2802. doi:10.1002/ajmg.a.37883
  • Ledbetter, D. (2006). Gastrosquisis y onfalocele. Surg Clin N Am.
  • Romay Bello, A. B., Soler Ruiz, P., Asenjo de la Fuente, E., Costales Badillo, C., & Montalvo Montes, J. (2011). Defectos de cierre de la pared abdominal: Gastrosquisis. Progresos de Obstetricia y Ginecologia. https://doi.org/10.1016/j.pog.2011.06.008